Revista Cronos https://periodicos.ufrn.br/cronos <p style="margin: 0px; min-height: 50px; max-height: 125px; overflow: hidden; text-overflow: ellipsis;"><strong>Scope:</strong> A Revista CRONOS, periódico oficial do Programa de Pós-Graduaçáo em Ciências Sociais/UFRN, é publicada semestralmente desde o ano 2000. Sua proposta é difundir a pesquisa e a reflexão acadêmicas relevantes em Ciências Sociais oriundas de centros de investigaçáo qualificados do Brasil e do Exterior, procurando contribuir ao processo de reflexáo e debate teórico sobre as transformações fundamentais e os desafios que se processam nas sociedades contemporâneas. A cada número da revista um dossiê temático anunciará a problemática em discussão, seguido de artigos de temática livre inéditos, num movimento pluri/transdisciplinar. A CRONOS aceita submissão de artigos em fluxo contínuo para avaliação pelo sistema duplo-cego.</p> <p style="margin: 0px; text-align: left;"><strong>Área do conhecimento</strong>: Interdisciplinar <strong>Qualis/CAPES</strong>:B3 <strong>e-ISSN</strong>:1982-5560 <strong>Contato</strong>:<a title="E-mail" href="mailto:cronosppgcs@gmail.com" target="_blank" rel="noopener">cronosppgcs@gmail.com</a></p> pt-BR cronosppgcs@gmail.com (Gabriel E. Vitullo, Editor) cronosppgcs@gmail.com (Letícia França, Editorial Assistent) Thu, 30 May 2024 17:42:30 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 BLOCO NO PODER E A POLÍTICA DE DESESTATIZAÇÃO DO SETOR PETROQUÍMICO NO PERÍODO DE 1995-2002 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/34969 <p>A década de 1990 marca a ascensão da ideologia neoliberal e a reconfiguração de um bloco no poder no Estado brasileiro sob a hegemonia do capital financeiro. Este trabalho tem como objetivo analisar a relação entre o bloco no poder e as privatizações executadas no âmbito do setor petroquímico durante os anos de 1995 e 2002. Serão apresentados os principais conceitos acerca do papel do bloco no poder em um Estado capitalista em uma economia neoliberal, além de uma caracterização da composição do bloco no poder vigente no governo de Fernando Henrique Cardoso. Através de uma análise dos dados do Programa Nacional de Desestatização (PND) referentes às empresas e as frações capitalistas compradoras das empresas estatais, busca-se a identificação das frações do bloco no poder vigente que foram diretamente beneficiadas por esta política. Pelos resultados obtidos, podemos concluir que a grande burguesia industrial nacional foi a fração de classe burguesa integrante do bloco que se apropriou do patrimônio público através das privatizações no setor petroquímico realizadas através do PND.</p> Layne Mariela de Souza Santos Cordeiro , Ana Maria Rita Milani Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/34969 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 A ECOLOGIA HUMANA E A CRIMINOLOGIA AMBIENTAL https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35181 <p><span style="font-weight: 400;">A problemática à que buscamos responder com este artigo é qual a contribuição da ecologia humana e da criminologia ambiental para a compreensão do crime como um fenômeno social? O objetivo geral do artigo é o de relacionar a ecologia criminal da Escola de Chicago com as teorias criminológicas da Criminologia Ambiental. Com o fim de atingirmos tal objetivo geral, definimos dois objetivos específicos: no primeiro buscamos analisar a dinâmica do crime, procurando saber como, por que, quando e onde o crime ocorre, a partir de uma perspectiva multidisciplinar, envolvendo aspectos sociológicos, econômicos, psicológicos e, até mesmo, arquitetônicos; já no segundo expomos cada teoria do crime compreendida na criminologia ambiental demonstrando como o ambiente imediatamente considerado relaciona-se diretamente com a ocorrência criminal. Ao final concluímos que o crime é um fenômeno social, mas que necessita da vontade do agente para ser realizado, logo é necessária uma escolha racional para sua ocorrência. A metodologia utilizada é a da abordagem qualitativa com pesquisa bibliográfica e documental.</span></p> Francisco Xavier Freire Rodrigues, Alexandro Caetano da Silva Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35181 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 EDIÇÃO COMPLETA https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36493 <p>EDIÇÃO COMPLETA</p> Revista Cronos Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36493 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 EXPEDIENTE https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36492 <p>EXPEDIENTE</p> Revista Cronos Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36492 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 AS PLATAFORMAS DIGITAIS REVELAM A PONTA DE LANÇA DE UM NOVO PADRÃO DE RELAÇÕES DE TRABALHO https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36487 <p>Entrevista</p> Cesar Sanson, Gabriel E. Vitullo Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36487 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 LUTAS E RESISTÊNCIAS NO MUNDO DO TRABALHO: A ORGANIZAÇÃO DOS ENTREGADORES DE APLICATIVOS. https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36488 <p>Entrevista com Alexandre Silva Dos Santos (ANEA)</p> Cesar Sanson, Marcos Antônio da Silva Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36488 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 EDITORIAL https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36483 <p>EDITORIAL</p> Revista Cronos Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36483 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 APRESENTAÇÃO https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36484 <p>APRESENTAÇÃO</p> Revista Cronos Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36484 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 INTERSECCIONALIDADE COMO TEORIA SOCIAL CRÍTICA, POR PATRICIA HILLS COLLINS https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35495 <p>O livro "Bem Mais que Ideias: A Interseccionalidade como Teoria Social Crítica" de Patricia Hill Collins destaca a importância da interseccionalidade como uma ferramenta para compreender e desafiar as estruturas de poder. Collins argumenta que a interseccionalidade não é apenas uma teoria acadêmica, mas também prática política e investigativa, desafiando abordagens simplistas das desigualdades sociais. Ela enfatiza a necessidade de uma análise interseccional que considere as interseções complexas entre várias formas de opressão, indo além da simples descrição de identidades. Collins discute como a interseccionalidade pode informar diferentes áreas, como sociologia e política pública, destacando sua importância na luta por justiça social. O livro oferece insights sobre a resistência epistêmica, a experiência comunitária, a liberdade e a relacionalidade, enfatizando a necessidade contínua de uma abordagem comprometida com a igualdade e equidade para todos.</p> Silas Tibério Pereira Linhares, Jucilene de Souza Silva Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35495 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 A IDEOLOGIA DO VALE DO SILÍCIO E O TRABALHO PLATAFORMIZADO https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35393 <p>O capitalismo do século XXI irrompe com uma “economia digital”. Esse momento é marcado por mudanças na base técnica do capital e por um conjunto de outros acontecimentos advindos da crise estrutural dos anos 1970. A internet das coisas torna-se a base dos negócios digitais, com destaque para as empresas-plataforma. Nessa direção, o Vale do Silício aparece, no imaginário social, como um lugar de prosperidade por aglutinar as principais empresas tecnológicas e forjar uma nova modalidade de trabalho que vende a ideia “do jeito fácil e diferente de ganhar dinheiro sem ter chefe”. O objetivo do artigo é responder as seguintes questões: O que representa o Vale do Silício na contemporaneidade? Quais os elementos e valores que deram sustentabilidade ao desenvolvimento da região que a tornaram ícone de prosperidade no imaginário social? O que a ideologia do Vale do Silício oculta no tocante ao trabalho plataformizado? Qual a percepção dos trabalhadores de plataformas da cidade de Natal (RN) sobre o seu trabalho? Constata-se que os valores da autonomia e da liberdade estimulados pela ideologia do empreendedorismo do Vale do Silício são sedutores, mas as promessas de aquisição de renda rápida e ascensão social não se efetivaram; ao contrário, particularmente para os motoboys e bike boys de delivery, tendo como referência a cidade de Natal, suas condições de vida não se alteraram qualitativamente. Ademais, identifica-se que a autonomia e a liberdade prometidas pelo trabalho de plataforma precisam ser melhor problematizadas.</p> Ana Patrícia Dias Sales, Cesar Sanson, Francisco José Lima Sales Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35393 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 TRABALHO PRODUTIVO, IMPRODUTIVO E FRAGMENTAÇÃO LABORAL NA ERA DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35455 <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo busca refletir sobre o significado da nova reestruturação produtiva que estamos vivenciando a partir das transformações advindas da era da inteligência artificial, concentrando a análise em dois aspectos: as transformações nas formas de produção de valor e a reprodução ampliada do capital resultantes das mudanças morfológicas do mundo do labore; além disso, no interior desse processo, interpretar o movimento de “produtivização” do trabalho (transformar trabalhos improdutivos em produtivos). Para isso, propomos retomar o debate sobre o trabalho produtivo e improdutivo presente na crítica da economia política de Karl Marx, buscando ligar essas bases teóricas com os novos fenômenos e modalidades laborativas. Por fim, propomos enfeixar a reflexão com o debate sobre as “posições estratégicas” do proletariado nesse contexto de aceleradas transformações, compreender as forças que levam à fragmentação de uma classe tão extensa e refletir sobre os desafios colocados para a superação desse problema.</span></p> Iuri Tonelo Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35455 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 SUBSUNÇÃO REAL DO TRABALHO AO CAPITAL E PAUPERIZAÇÃO ABSOLUTA https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35407 <p align="justify">O avanço das plataformas digitais e da chamada “Indústria 4.0” na sociedade contemporânea tem provocado a exponenciação da precarização do trabalho e, como corolário, o aviltamento das condições de existência da classe trabalhadora. Partindo dessa premissa, este texto pretende oferecer subsídios para compreender como a subsunção do trabalho ao capital impacta as relações de trabalho na era do capitalismo digital e seus sujeitos, em especial o precariado. Metodologicamente, além da revisão de literatura assentada no diálogo com autores clássicos e contemporâneos afeitos ao tema, utilizaremos dados secundários, estes provenientes de estudos acadêmicos e matérias de jornais. Assim, o texto conclui destacando que no Brasil, o entendimento do precariado está associado a um novo grau de subsunção real do trabalho ao capital, marcado sobremaneira pelas alterações processadas no modo de produção capitalista, em sua fase imperialista e pelo avanço da pauperização absoluta.</p> Hiago Trindade Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35407 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 MOTORISTAS E ENTREGADORES EM LUTA CONTRA A UBERIZAÇÃO https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35431 <p><span style="font-weight: 400;">A uberização do trabalho apresentou um crescimento exponencial no cenário brasileiro e atualmente responde por mais de 1,5 milhão de postos de trabalho. A maior parte desses encontra-se no setor de transportes de pessoas e objetos. O contexto de altas taxas de desemprego, crescimento da inflação e congelamento dos preços aplicados pelas organizações proprietárias das plataformas gerou insatisfação entre motoristas e entregadores por aplicativo, situação que contribuiu para a formação de protestos massivos em julho de 2020. O CITA é uma pequena organização que atua na região metropolitana de Porto Alegre e assumiu um papel de protagonista nas mobilizações locais do “breque dos apps”. A partir de um estudo de caso com coleta por meio de entrevistas e análise das publicações do grupo em redes sociais e inspirado no estudo de caso ampliado de Burawoy (1998), destaca-se, neste trabalho , o papel de pequenas organizações localizadas fora do sudeste brasileiro para a construção de mobilizações nacionais na luta contra a uberização do trabalho.</span></p> Martín Andrés Moreira Zamora Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35431 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 NA ROTA DA TRANSFORMAÇÃO https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35151 <p><span style="font-weight: 400;">O presente artigo investiga o impacto das plataformas digitais no ambiente de trabalho em São Luís– MA, com foco na análise das atividades dos motoristas vinculados às empresas/plataformas Uber e Pop 99. A pesquisa busca compreender a lógica subjacente ao trabalho plataformizado, examinando as características essenciais dessa modalidade de atividade e destacando as recentes transformações no mercado de trabalho. Utilizando a observação direta e as entrevistas com motoristas por aplicativo, como metodologia, o estudo revela que a “uberização” é uma realidade impulsionada pelo capitalismo digital, reconfigurando dinâmicas laborais, individualizando o trabalho e minando a coesão social. O resultado aponta para um processo de flexibilização mais acentuado nas relações de trabalho, caracterizado pela ausência de garantias e seguridade social.</span></p> Lia Renata Costa Gomes Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35151 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 O TRABALHO DOS ENTREGADORES POR APLICATIVOS DIGITAIS NA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DO NORDESTE https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36486 <p><span style="font-weight: 400;">Os estudos sobre trabalho têm se dedicado cada vez mais a compreender a atividade de entregadores por meio dos aplicativos digitais. É crescente a presença de resultados de pesquisa em congressos acadêmicos nacionais e internacionais, em artigos para revistas científicas, em monografias de conclusão de curso de graduação, teses e dissertações em diversos Programas de Pós-graduação. Dentro dessa ampla gama, este artigo traz breves considerações, com recorte na produção bibliográfica dos Programas de Pós-graduação e de cursos de graduação levantadas no acervo da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) de Universidades no Nordeste, e artigos encontrados no Portal de periódico da CAPES e na base do Google Acadêmico. Interessa-nos compreender qual o perfil de tais estudos sobre entregadores por meio das publicações: quais as áreas de conhecimento que têm se ocupado de investigar o trabalho de entregadores? Desde quando os entregadores se tornaram tema de interesse científico? Quais métodos e/ou técnicas de pesquisa têm sido utilizados? Qual o foco principal de questões abordadas? Em que medida os aportes teóricos-conceituais sobre o modo de produção capitalista têm sido utilizados nas publicações sobre os entregadores no Nordeste? Estas são algumas questões que este artigo trata. Antes de entrar nelas, dedicamos uma primeira seção a reflexões sobre a articulação do capitalismo de plataforma com formas de superexploração da força de trabalho no Nordeste, de modo a ter um “pano de fundo” com o qual as pesquisas sobre entregadores nesta região têm que lidar. Considerações finais sintetizam as reflexões do texto.</span></p> Mario Henrique Guedes Ladosky, Marcia de Lima Pereira Couto, Luiza Dantas de Souza Lima Teixeira Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/36486 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 O TRABALHO DOS INFLUENCIADORES DIGITAIS https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35346 <p>Este artigo faz uma revisão de literatura a respeito do trabalho dos influenciadores digitais. Partindo da análise de artigos publicados no Brasil entre 2018 e 2022, buscou-se compreender como os mecanismos de persuasão e de coerção típicos do modo de vida empreendedor atuam no cotidiano destes trabalhadores. A partir desta leitura, é possível perceber a superação da ideia de influenciador digital como um trabalhador criativo, arrojado, disruptivo e flexível. Em sentido oposto, a visão de que se trata de um trabalho precário, incerto e exaustivo mostrou-se predominante na literatura pesquisada.</p> Paulo de Morais Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/35346 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300 SIC TRANSIT https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/34573 <p>o autor se descloca a pé por ruas arborizadas enquanto, imerso em seus pensamentos, observa o desenrolar de dramas humanos</p> Octavio Bastos Copyright (c) 2024 Revista Cronos http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/34573 Thu, 30 May 2024 00:00:00 -0300