https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/issue/feed Revista Educação em Questão 2020-02-17T12:00:31+00:00 Profa. Marta Maria de Araújo eduquestao@ce.ufrn.br Open Journal Systems <p style="margin: 0px;"><strong>Scope:</strong> A Revista <em>Educação em Questão</em> é um periódico do Centro de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Periódico (<em>on</em>-<em>line</em>), de fluxo contínuo e de acesso aberto, publicado em quatro edições anuais com artigos originais e inéditos de Educação, resultantes de pesquisa cientifica, além de resenhas de livros e documentos históricos.</p> <p style="margin: 0px; text-align: left;"><strong>Área do conhecimento</strong>: Educação <strong>Qualis/CAPES</strong>:A2 <strong>e-ISSN</strong>:1981-1802 <strong>Contato</strong>: <a title="E-mail" href="mailto:eduquestao@ce.ufrn.br" target="_blank" rel="noopener">eduquestao@ce.ufrn.br</a></p> https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19751 Editorial 2020-02-17T12:00:31+00:00 Marta Maria de Araújo eduquestao@ce.ufrn.br <p>Editorial</p> 2020-02-17T12:00:26+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18439 Memes em aulas de língua inglesa 2020-02-13T14:06:53+00:00 Paulo Boa Sorte pauloboasorte1@gmail.com Jefferson do Carmo Andrade Santos jeffersonandrade06@hotmail.com <p>Os memes têm sido constantemente criados e compartilhados on-line como textos que retratam as mais distintas realidades, podendo propiciar diversas possibilidades no ensino de disciplinas escolares, como o Inglês. Este artigo tem o objetivo de analisar o uso de memes em aulas de Língua Inglesa por meio da Teoria dos Multiletramentos (LUKE, 2000; COPE &amp; KALANTZIS, 2000, 2008; ROJO, 2012). A metodologia de pesquisa baseia-se em análise documental (LAVILLE &amp; DIONE, 1999) como uma extensão da revisão da literatura (MACHI &amp; McEVOY, 2009). Um panorama teórico é apresentado sobre as concepções iniciais dos memes de acordo com os escritos de Dawkins (1976) e novas leituras sobre esse tipo de texto (LUKE, 2000; COPE &amp; KALANTZIS, 2008; ROJO, 2012; CALIXTO, 2018; AUTOR, no prelo). Como resultado, apontamos os memes como ferramentas direcionadas à construção de aulas de Língua Inglesa com aspectos mais críticos e reflexivos.</p> 2020-02-07T13:27:07+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18469 A Valorização Docente na (re)construção da Identidade dos Profissionais do Ensino Superior em Angola 2020-02-07T16:02:35+00:00 Arão Chilulo Cutatela cutatela@gmail.com Alfredo Maria de Jesus Paulo pickmaria07@gmail.com Luís Alexandre da Fonseca Tinoca ltinoca@ie.ulisboa.pt <p>O presente artigo tem como finalidade refletir em torno da valorização docente, na (re)construção da identidade dos profissionais do Ensino Superior (ES). Sua elaboração desencadeou-se de uma abordagem qualitativa, inserida no paradigma interpretativo, fazendo alusão e análise do discurso dos autores e de conteúdo, articulados aos documentos normativos e estudos realizados por diversos investigadores sobre a temática em diferentes contextos educativos e sociais de modo geral, realidade dos docentes e vivência dos autores e no ES em Angola particularmente, enquanto campo da atuação de dois dos autores. O âmbito de análise foi de articular as orientações expressas nos documentos normativos e a importância que os diferentes autores atribuem a temática, contextualizada a realidade angolana. As conclusões rementem a compreensão da temática numa visão unilateral reforçando a necessidade valorizar profissionalmente os docentes a nível do ES em Angola.</p> <p>&nbsp;</p> 2020-02-07T13:34:40+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19826 A investigação educacional desde a óptica histórico culturalista 2020-02-07T16:02:32+00:00 Gloria Fariñas León glofaleon2009@gmail.com <p>No presente artigo reflexiona-se a respeito dos critérios essenciais para desenhar e avaliar a investigação da aprendizagem e o desenvolvimento humano desde o ponto de vista histórico culturalista. Um dos propósitos desta discussão é destacar a contribuição dos pesquisadores deste enfoque em acercar os resultados da investigação às exigências de desenvolvimiento sociocultural atuais e futuras. O enfoque histórico culturalista possibilita-nos o proponho deste repto, também desde uma postura interdisciplinaria, tal como demanda o avanço do pensamento científico contemporâneo. Especialmente, se puntualizan requisitos que precisam ser mais reconhecidos nas investigações deste campo do conhecimento, conformes com as aspirações enunciadas. A análise terá como centro de atenção categorias ou leis desta tradição de pensamento.</p> 2020-02-07T13:36:29+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18932 Juventude LGBTQI+ e a educação 2020-02-07T16:03:42+00:00 Maria Heloisa Melo Cardoso heloisa.cardoso@ifs.edu.br Dinamara Garcia Feldens dfeldens@hotmail.com Marizete Lucini marizetelucini@gmail.com <p>A ordem normativa da escola, a disciplina e o controle da juventude, caracterizam a Pedagogia conservadora de Herbart, que ainda se mantém presente nas salas de aula brasileiras. Assim, este estudo tem o objetivo de abordar a noção de educação desenvolvida por Herbart, especificamente no que diz respeito ao governo das crianças, e a compreensão da condição da juventude LGBTQI+ sob o enfoque das políticas inclusivas. Para tanto, percorre-se uma discussão conceitual, desenvolvendo um estudo explicativo conduzido à luz das reflexões teóricas que, pela abrangência de origem e de foco, representam uma amostra variada da produção relativa à temática aqui apresentada. Os resultados obtidos evidenciam que a normalização da sexualidade é traduzida por regras sociais que influenciam a sociedade e todos que dela fazem parte, inclusive a escola. Este estudo aponta as políticas inclusivas como um possível caminho a percorrer, pela escola, para lidar com as diferenças no campo do gênero e da sexualidade.</p> 2020-02-07T13:37:24+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18105 O estatuto do trabalho do professor da escola: 2020-02-07T16:01:58+00:00 Valdeniza Maria Lopes da Barra dabarra@yahoo.com.br <p>De que modo o trabalho do professor da escola comparece no itinerário de institucionalização do estágio no âmbito de políticas e práticas de formação de professores, no intercurso que compreende a Resolução n.9 de 1969 até a política nacional recente de formação de professores no Brasil (PIBID, Residência Pedagógica)?&nbsp; Esta questão é tratada a partir de documentos de natureza normativa, revisão de literatura e dados de pesquisa envolvendo professores da escola básica/supervisores de estágio, estudo documental de PPP de escolas (campo de estágio) das redes federal, municipal e estadual. A hipótese é a de que há uma naturalização do trabalho desempenhado pelo professor da escola. A falta de reconhecimento do estatuto deste trabalho colocaria o estágio numa zona de invisibilidade que o ameaça, ao mesmo tempo que dele se subtrai as principais características transplantadas para programas paralelos à formação inicial.</p> 2020-02-07T13:38:31+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19288 As finalidades dos sistemas de educação brasileiros 2020-02-07T16:01:55+00:00 Antonio Chizzotti anchizo@uol.com.br <p>Este artigo analisa as finalidades da educação escolar. Os debates eleitorais expuseram, nas tensões da retórica, um conjunto discrepante de opiniões sobre as finalidades e as responsabilidades da educação escolar. Os discursos dos candidatos, dos educadores e dos pesquisadores e a participação de diferentes grupos sociais nas discussões sobre educação trouxeram para o espaço público a importância da educação escolar para a construção do projeto político do Estado brasileiro. Esta pesquisa sintetiza essas manifestações e faz uma análise bibliográfica das finalidades da educação para explicitar quais são as finalidades fundamentais dos sistemas de ensino nacionais. O artigo analisa as três finalidades prospectivas da educação definidas na Constituição Brasileira: o pleno desenvolvimento da pessoa, o preparo para o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho. São questões antigas, permanentes e sempre atuais nos sistemas nacionais de educação, historicamente fundamentais para construir-se um Estado e uma sociedade democrática, que garanta a Educação Básica universal para todos os brasileiros.</p> <p>&nbsp;</p> 2020-02-07T13:39:47+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19125 Jornada de trabalho e docência 2020-02-07T16:03:40+00:00 Adriana e Silva Sousa adrianaess.2016@gmail.com Dante Henrique Moura dantemoura2014@gmail.com <p>Este estudo tem como objetivo analisar os desdobramentos da instituição da hora-atividade no trabalho do professor do ensino médio da rede estadual do Piauí, dentro do contexto das políticas educacionais implementadas no Brasil nas duas últimas décadas. Para isso, realizou-se uma revisão de literatura, com auxílio de uma pesquisa documental, sobre a jornada de trabalho dos professores da educação básica no país e as políticas educacionais que regulamentam a hora-atividade. Em seguida, analisam-se os dados de entrevistas semiestruturadas realizadas com: dois gerentes das Gerências Regionais de Educação da Secretaria de Estado da Educação do Piauí, 20 professores de ensino médio e um integrante do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica Pública do Piauí. Os resultados mostram que o avanço no cumprimento da hora-atividade se confronta com as condições de trabalho ainda inadequadas nas escolas, com a ingerência na organização pedagógica do tempo de trabalho do professor e com os baixos salários.</p> <p>Palavras-chaves: Jornada de trabalho. Ensino médio. Docência. Hora-atividade.</p> 2020-02-07T13:41:49+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19150 Onze teses sobre a relação entre psicologia educacional e pedagogia escolar 2020-02-11T12:07:37+00:00 Giselle Modé Magalhães gisellemagalhaes@ufscar.br Lígia Márcia Martins ligia.martins@unesp.br <p>O objetivo do presente texto é problematizar a relação entre a ciência psicológica – em sua subárea educacional, e a ciência pedagógica destinada às instituições escolares naquilo em que ambas subsidiam o trabalho pedagógico. Colocamos em tela o enfoque histórico-cultural naquilo em que advoga a natureza do ensino desenvolvente, questão que se implica, a nosso juízo, na necessidade de aclaramento acerca da identidade e especificidades das referidas ciências ao terem a escola como <em>lócus</em> de suas implementações práticas. Para tanto, temos como eixo organizativo deste artigo as contribuições de Dermeval Saviani em seu texto <em>Onze teses sobre educação e política,</em> escrito em 1983. Por analogia ao estudo de Saviani, apresentamos aqui onze teses sobre a relação entre psicologia educacional e pedagogia escolar, as quais analisam as especificidades e semelhanças de cada uma destas ciências, assim como as posiciona na prática social. Concluímos com uma unidade mínima de análise, qual seja: é a psicologia educacional que se subordina à pedagogia escolar, e não o contrário.</p> 2020-02-07T13:42:41+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19042 Perspectivas Pedagógicas em Nietzsche: diálogo, agonismo e o cultivo de si. 2020-02-11T12:22:33+00:00 Lucia Schneider Hardt luciashardt@gmail.com <p>Este estudo de caráter bibliográfico tem como propósito destacar o lugar e a importância do diálogo na obra de Nietzsche e conectá-la com a ideia de agonismo, também importante na obra do filósofo e desenvolvida por Acampora, para refletir sobre a importância dessa conexão para a educação. Tanto a disputa quanto o diálogo nas práticas educativas são procedimentos de enfrentamento da violência, produzindo valores, padrões de medida e sentidos para a convivência humana. A ideia do diálogo e de disputa solicitam uma ideia de cultivo de si desenvolvida por Nietzsche e que inaugura outra pedagogia, que nos coloca no lugar de quem é convidado a evitar a ossificação de uma perspectiva na forma de tirania e ativar em cada um seu processo de individualização, que em alguma medida é um antídoto à sedução ao rebanho para então inventar rotas de fuga criando performances para um pensar e agir mais livres.</p> 2020-02-07T13:43:44+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18889 Ensino da didática no curso de licenciatura em pedagogia: 2020-02-07T16:01:16+00:00 Joana Paulin Romanowski joana.romanowski@gmail.com <p>O artigo focaliza o ensino de didática a partir da análise das ementas da disciplina da década de 1970 a 2018 em um curso de pedagogia. Compreende a Didática como área do conhecimento que expressa a relação teórica e prática no processo de ensino e aprendizagem. Analisa a relação entre os diferentes períodos da formação de professores e o ensino de Didática em um curso de licenciatura em Pedagogia. Para isso realiza uma pesquisa de abordagem qualitativa (Ludke e André, 2013) alicerçada em estudo documental e bibliográfico. Os aportes de estudo incluem Gatti, Martins, Romanowski, Veiga, e outros que discutem a didática no contexto das políticas educacionais e da formação de professores. Os dados indicam que o ensino de didática expressa mudanças de abordagens determinadas pela organização social e política, das pesquisas e da prática pedagógica o que influencia seu ensino e resulta um conhecimento poderoso na formação dos professores. &nbsp;</p> 2020-02-07T13:45:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18936 Reflexões iniciais sobre a origem da prática colaborativa e a educação especial 2020-02-11T12:13:33+00:00 Alejandra Cesarina Rodriguez Paz alerodpaz@gmail.com Sonia Lopes Victor sonia.victor@hotmail.com <p>Com o movimento de inclusão escolar dos alunos público-alvo da educação especial na escola regular, a colaboração entre o professor de sala regular e o da educação especial revela-se como uma das práticas para garantir o direito à educação desse público. Nessa direção, este trabalho visa a fortalecer a discussão no Brasil a respeito dessa temática pela via de sua problematização. Realiza um ensaio crítico a fim de evidenciar o termo em estudos internacionais que indicam sua origem e sua vinculação epistemológica. Por conseguinte, o texto aborda as seguintes temáticas: terminologia e conceituação; ensino em equipe; colaboração na educação especial; consulta escolar colaborativa; e coensino e ensino colaborativo. Ao final, observa que os diversos modelos de colaboração parecem estar alinhados ao conceito utilizado pelas organizações/empresas, com o intuito de resolver problemas correspondentes ao modo de produção capitalista e atingir a eficácia do processo de ensino.</p> 2020-02-07T13:45:50+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18921 O saber profissional do professor que ensina matemática 2020-02-07T16:00:43+00:00 Bruna Lima Ramos Giusti bruna_lramos@hotmail.com Wagner Rodrigues Valente ghemat.contato@gmail.com <p>O texto analisa um caderno de normalista elaborado na década de 1950, junto do estudo de um manual pedagógico de referência na formação de professores. A questão norteadora é dada por: Que apropriações são realizadas dos manuais, que referenciam cursos de formação, incorporadas no texto do caderno de normalista, de modo a constituírem elementos de um saber profissional do professor para ensinar aritmética nos primeiros anos escolares? Na análise, utilizam-se ferramentas teórico-metodológicas integrantes de estudos sobre o saber profissional do professor, bem como estudos vindos da História Cultural. São mobilizadas categorias como matemática a ensinar e matemática para ensinar. Os resultados apontam para elementos do saber profissional do professor que ensina matemática, presentes no caderno, e que estão ligados a uma pedagogia da matemática, entendida como conjunto de orientações amplas aos professores. A partir dessa formação, o futuro docente, em sua prática pedagógica, deveria elaborar saberes para aplicá-los aos conteúdos de ensino da aritmética.</p> 2020-02-07T13:46:31+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19424 Contando histórias de quem “dormiu para sempre”: 2020-02-07T16:00:40+00:00 Rosa Maria Hessel Silveira rosamhs@gmail.com <p>A morte não é, correntemente, considerada um tema adequado para se falar com crianças. Assim,&nbsp;é comum ser tratada em narrativas infantis através de analogias que tentam amenizar emoções e sentimentos como dor, sofrimento e perda. Nesse artigo, articulamos o campo da literatura infantil – especificamente os estudos sobre o tema da morte nas obras para crianças - os estudos sobre a morte e sobre narrativas infantis. Analisamos&nbsp;narrativas produzidas por crianças de uma turma de 4º ano de escola pública após uma sessão de leitura compartilhada da obra&nbsp;<em>Menina Nina</em>, de Ziraldo, cuja temática central é a morte. A leitura da obra motivou as crianças a&nbsp;contarem suas próprias histórias em relação ao tema, com elementos de seu cotidiano, como a violência e a religiosidade. Entendemos que a leitura e a conversa sobre o tema são importantes ferramentas para a expressão das emoções das crianças sobre&nbsp;a morte, a perda e o luto.</p> 2020-02-07T13:47:15+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/19127 Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI 2014-2019) nos Ifets: o perfil dos agentes elaboradores 2020-02-11T16:46:39+00:00 Anne de Matos Souza Ferreira dematossouza@gmail.com Wilma de Nazaré Baía Coelho wilmadenazarebcoelho@gmail.com <h1>Este artigo pretende traçar o perfil acadêmico e profissional dos agentes elaboradores do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) de 12 Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (Ifets) e identificar o lugar ocupado por esses atores na elaboração de tal documento. Após a identificação dos PDIs vigentes durante o período analisado (2014-2019), 204 agentes elaboradores foram contabilizados. Recorremos à técnica de análise de conteúdo (BARDIN, 2016) para a sistematização e categorização dos dados, e às noções conceituais de campo e <em>habitus</em> de Bourdieu (1996) para subsidiamos nossas reflexões sobre o lugar ocupado pelos agentes elaboradores nas discussões e formulações do documento. Concluímos que a posição ocupada pelos agentes vincula-se aos interesses dos gestores, pois estes são os principais responsáveis pelas escolhas das comissões elaboradoras dos PDIs. Embora haja a intenção de imprimir uma abordagem democrática à gestão dessas comissões, a participação da comunidade interna e externa se apresenta pouco expressiva.</h1> 2020-02-07T13:48:04+00:00 Copyright (c) 2020 Revista Educação em Questão