https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/issue/feed Revista Espacialidades 2022-04-18T20:51:00-03:00 Fabíula Sevilha de Souza espacialidades@gmail.com Open Journal Systems <p style="text-align: justify;"><span style="vertical-align: inherit;"><span style="vertical-align: inherit;">A Revista Espacialidades é uma publicação com periodicidade semestral dos discentes do Programa de Pós-Graduação em História – área de concentração em História e Espaços -, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte,<em> campus</em> de Natal – RN. Sua proposta é transdisciplinar com as diversas áreas do conhecimento em que o Espaço é utilizado como categoria de análise e compreensão das ações humanas, tais como a Antropologia, Sociologia, Geografia, Arquitetura e Urbanismo, entre outras. A revista não conta com restrições quanto a titulação acadêmica dos(as) autores(as) que venham a contribuir com manuscritos em suas publicações.</span></span></p> https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28670 NARRATIVAS HISTÓRICAS EM DISPUTA: 2022-04-18T18:31:59-03:00 Revista Espacialidades espacialidades@gmail.com 2022-04-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26406 ENTREVISTA REALIZADA POR ESCRITO COM A PROFa. DRa. DENISE MATTOS MONTEIRO 2022-04-18T20:51:00-03:00 Bruno Balbino Aires da Costa bruno_balbino@hotmail.com 2022-04-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26374 O(S) CAMPO(S) DO ENSINO DE HISTÓRIA, HISTÓRICO, PERSPECTIVAS E DESAFIOS: 2022-04-18T18:32:00-03:00 Jandson Bernardo Soares jandson_ze@hotmail.com Matheus Oliveira matheos_oliveira@hotmail.com 2022-04-08T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26451 REASSENTAMENTOS EM MOÇAMBIQUE: 2022-04-18T18:31:57-03:00 Isidoro Jacob Valia isidrovaliamz@gmail.com Elmer Agostinho Carlos de Matos elmermats90@gmail.com <p>Com base numa revisão de literatura, o artigo aborda as principais ideias de autores que discutem o conceitos de território e identidade. Partimos do princípio que qualquer processo de territorialização implica, ao mesmo tempo, um processo de produção de identidades. As variáveis de conceituação do território, tais como funcionalidade, apropriação, simbolismo e relações de poder são analisadas de modo a mostrar como se cruzam&nbsp; com o conceito de identidade. Numa última fase, buscam-se exemplos práticos do processo de reassetamento para ilustrar como decorre o processo de desterritorialização e (re)territorrialização e, consequentemente, como são produzidas novas identidades.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/27054 REVOLUÇÃO PELO MORAR: 2022-04-18T18:31:57-03:00 Lucas Martinez Knabben lucasknabben@gmail.com <p>A questão habitacional se demonstra como um problema a ser encarado e enfrentado não somente no Brasil, mas em todo o mundo. Esse dilema se mostra latente desde o período da Revolução Industrial, com o êxodo rural e a migração para os centros urbanos, processos com reverberação até os tempos atuais com propostas diversas para as políticas habitacionais. O presente artigo pretende analisar e expor, a partir da efervescência do modernismo na Europa, as soluções propostas para a questão do morar na nascente União Soviética e como arquitetos e Estados trabalharam juntos para constituírem uma tipologia habitacional que atendesse tanto às demandas habitacionais do país, quanto a vontade do regime de transformar o homem a partir da manipulação dos espaços.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26325 A PRESENÇA DO CINEMA E A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS DE SOCIABILIDADE EM CAJAZEIRAS-PB (1950-1980) 2022-04-18T18:31:57-03:00 José Antônio da Silva Neto jdasilvaneto4@gmail.com Viviane Gomes de Ceballos vgceballos@gmail.com <p>Desde as primeiras décadas do século XX, o cinema se configurou como uma das principais atrações presentes na cidade de Cajazeiras-PB. O público frequentador, para além do entretenimento que a fita em exibição proporcionava, encontrava nesses espaços uma oportunidade para travar encontros, para se relacionar e aproveitar a sessão junto da companhia de pessoas queridas. No entanto, esse estar e desfrutar da companhia do outro, não se restringia à duração da película (dimensão temporal), muito menos à sala de cinema (dimensão espacial). No presente artigo, discutiremos, utilizando como método a História oral, o caráter social da frequentação a estes espaços e como, através de trajetórias diversas que partiam dos cinemas para outros pontos da cidade, eram constituídos espaços de sociabilidade no território urbano.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26383 QUANDO ECOOU OS MOTORES E OS APARELHOS MODERNOS: 2022-04-18T18:31:58-03:00 Ellyson Eduardo dos Santos Roque ellysoneduardo7@gmail.com Marcus Pierre de Carvalho Baptista marcus_pierre@hotmail.com <p>O presente texto tem como objetivo discutir os dilemas, tensões e conflitos que processo de modernização trouxe para a cidade de Aldeias Altas (MA) entre as décadas de 1960 a 1980. A metodologia utilizada nesta produção consistiu em pesquisa bibliográfica e documental e do aporte da História Oral. As fontes utilizadas foram os jornais “O Correio do Nordeste” (1961) e “O Combate” (1965), disponíveis na Biblioteca Benedito Leite e Hemeroteca Digital. Como aporte teórico utilizou-se de Berman (1986) sobre os conceitos de modernidade e modernização; Rezende (1997) e de Sevcenko (2006) e suas representações sobre a cidade, e Pesavento (2002), que possibilitaram compreender como as ideias do “novo” e do ser moderno podem gerar contradições e conflitos.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26384 UMA ANÁLISE DAS COSMOVISÕES AFRICANAS DE KIRIKU E A FEITICEIRA: 2022-04-18T18:31:59-03:00 Mariana Silva Rodrigues marirodri.hst@gmail.com <p>O artigo em questão analisa o curta metragem franco-belga <em>Kiriku e a feiticeira</em> tendo em vista as cosmovisões africanas que estão presentes nele. Isso porque, tem origem em experiências do diretor Michel Ocelot que viveu na África Ocidental na infância e teve contato com a tradição oral. Ao pensar sobre o espaço midiático em geral, sua relação com concepções eurocêntricas e, consequentemente suas ligações com o colonialismo, o artigo destaca como as representações divergem de produções majoritariamente assistidas, de modo que faz uma análise sobre os aspectos estéticos da obra evidenciando a presença de cosmogonias africanas para destacar a singularidade, e ao mesmo tempo a pluralidade de tradições da África Ocidental.&nbsp;</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26552 O LADO VERDE DA CASA AZUL: 2022-04-18T18:31:33-03:00 Wesley Oliveira Kettle wesleykettle@gmail.com Victória Emi Murakami Vidigal victoria.murakamii@gmail.com <p>Este artigo apresenta uma análise sobre o jardim do <em>Museo Frida Kahlo</em>, localizado na Cidade do México, como espaço para o ensino de história. Demonstraremos os aspectos que nos garantem considerar o jardim de Frida como um lugar de memória e um patrimônio histórico ambiental. Apresentaremos os resultados de uma experiência educacional de visita virtual ao referido Museu com alunos do 7º ano do Ensino Fundamental. Essa atividade nos permitiu discutir o conceito de espaço e direcionar os alunos para a perspectiva ambiental da história, encontrando no jardim um local privilegiado para esse tipo de abordagem inovadora.&nbsp;</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26346 A IMPORTÂNCIA DA VALORIZAÇÃO DA HISTÓRIA LOCAL NO ENSINO DE HISTÓRIA EM MOÇAMBIQUE 2022-04-18T18:31:36-03:00 Denisse Kátia Soares Omar denissekatiaomar@gmail.com <p><strong>Resumo</strong></p> <p>O presente artigo tem como objectivo fazer uma reflexão sobre a importância da história local para no ensino de história em Moçambique. Neste âmbito, a história local é aquela que permite investigar uma região ou lugares, onde os alunos estão inseridos. E nos tempos actuais ela é vista como uma ferramenta indispensável no processo de ensino e aprendizagem. É neste contexto que no primeiro momento deste artigo apresento a percepção da história local. Num segundo momento analisa-se a importância da valorização da história local para o ensino de história. E por fim apresentam-se as estratégias de inserção da história local no ensino em Moçambique. Neste sentido, para realização deste artigo levou-se em consideração uma análise bibliográfica buscando-se perceber o tópico a partir dos materiais e documentos existentes em Arquivos, centrando-se principalmente na documentação que deu mais ímpeto e clareza à pesquisa.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26282 APRENDIZAGEM HISTÓRICA NA INFÂNCIA: 2022-04-18T18:31:37-03:00 Thábata Araújo de Alvarenga thabata.alvarenga@gmail.com <p>Este artigo tem por objetivo compreender a aprendizagem histórica na infância, no espaço escolar do Núcleo de Educação Infantil (NEI-CAp-UFRN), escola de aplicação vinculada ao então Departamento de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, entre os anos de 1988 e 2006. Nesse trabalho, para analisarmos as narrativas produzidas pelas crianças que estavam em processo de alfabetização e frequentavam o último ano da educação infantil (Turma 5) no NEI, utilizamo-nos das categorias de imaginação histórica e aprendizagem histórica, a partir dos postulados teóricos produzidos, sobretudo, por Hayden White e Jörn Rüsen. A análise qualitativa das narrativas, demonstra como a cultura escolar e os saberes históricos produzidos no NEI, influenciavam o pensamento das crianças que lá estudavam.</p> 2022-04-11T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/25949 “E NOS DIAS DE HOJE, QUEREM QUE VOLTE ESTÁ ÉPOCA”: 2022-04-18T18:31:38-03:00 Andréa Mazurok Schactae aschactae@gmail.com Christiane Marques Szesz coordt.hac.christiane@ead.uepg.br <p>O artigo objetiva analisar narrativas de estudantes do ensino médio sobre Ditaduras Militares na América Latina, tendo como recorte, a ideia do anticomunismo. Para análise são utilizados os conceitos de representações sociais, memória e consciência histórica, articulados com uma apresentação breve do discurso anticomunista, no Brasil do século XX, e a retomada desse discurso no século XXI.</p> 2022-04-11T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26294 DIMENSÕES DO ENSINAR HISTÓRIA E SUAS MATERIALIDADES: 2022-04-18T18:31:39-03:00 Astrogildo Fernandes da Silva Júnior silvajunior_af@yahoo.com.br Marcos Flávio Alves Leite mrcsflavio5@hotmail.com <p>Este artigo tem como objeto de estudo o ensino de História efetivado em escolas localizadas no meio rural do município de Ituiutaba-MG, Brasil. Tem como objetivo analisar as dimensões de ensinar História nos anos finais do ensino fundamental. Optou-se por uma pesquisa qualitativa por favorecer uma visão ampla do objeto estudado e o envolvimento do pesquisador com a realidade social, política, econômica e cultural. Recorreu-se à observação participante e entrevistas orais. Foram sujeitos da pesquisa as professoras que ensinavam História nas escolas rurais no período de 2018 a 2019. Concluiu-se que são múltiplas as dimensões de ensinar História e que essa se materializa de diferentes formas nas práticas das professoras.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28218 O LAR COMO ESPAÇO DE APRENDER EM TEMPOS DE PANDEMIA 2022-04-18T18:31:40-03:00 Raquel Magnólia Ferreira Ranzatti raquelranzatti@gmail.com <p>A partir do ano de 2019, mais precisamente em 31 de dezembro de 2019, a organização mundial de saúde (OMS) foi alertada sobre vários casos de pneumonia na cidade de Wuhan, província de Hubei, na República Popular da China. Em 11 de março de 2020, devido a expansão da doença COVID-19 em todo mundo rapidamente, foi&nbsp;<a href="https://www.paho.org/pt/index.php?option=com_content&amp;view=article&amp;id=6120:oms-afirma-que-covid-19-e-agora-caracterizada-como-pandemia&amp;Itemid=812">decretada pela OMS uma pandemia</a>.&nbsp;E, consequentemente houve a necessidade de mudanças que envolveram toda uma dinâmica espacial de circulação das pessoas no mundo. Foram propostos alguns procedimentos para controlar as mortes e internações. Dentre eles o fechamento das instituições escolares. Os espaços educativos escolares tiveram que ser ressignificados no lar. Este artigo tem como objetivo mostrar como o pensamento de Michel Foucault a partir dos termos Biopolítica e Biopoder pode contribuir de forma reflexiva para ajudar a pensar as duas modalidades de ensino emergencial tanto no modelo remoto , como no híbrido e compreendê-las como dispositivos de segurança.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26355 CONSCIÊNCIA HISTÓRICA E LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: 2022-04-18T18:31:42-03:00 Júlia Maria de de Araújo Lisboa juliamariaaraujolisboa@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">O presente texto contém os resultados da pesquisa de Iniciação Científica objetivada pela análise dos livros didáticos de História mais utilizados pela rede municipal de educação de Recife, capital pernambucana. Visando apontar como a questão racial é tratada nessas obras, percebemos aspectos presentes no livro didático que são possíveis de serem trabalhados pela concepção de Jörn Rüsen de Consciência Histórica e apontamos a importância de seus conceitos em materiais didáticos voltados ao Ensino Fundamental Anos Finais, para a edificação de uma mentalidade antirracista nos estudantes que têm acesso a esse material. Tendo como base a Didática da História, em diálogo com as teorias de Paulo Freire, a partir da visão de Abdias do Nascimento sobre o genocídio do negro brasileiro.</span></p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26135 LER É PODER: 2022-04-18T18:31:43-03:00 Rosana Maria dos Santos rosanamaria.history@gmail.com <p>O artigo tem como objetivo analisar e problematizar a criação do Departamento de Documentação e Cultura e a sua importância para o desenvolvimento das políticas públicas voltadas para as construções de Bibliotecas Populares na cidade do Recife.&nbsp; Em 1949, foi promulgada pelo presidente da Câmara Municipal do Recife e autorizada pelo prefeito Pelópídas Silveira a Lei n° 292, de 16 de abril, que instituía a criação de bibliotecas populares nos bairros da periferia da capital de Pernambuco. As políticas culturais e educacionais propiciadas pela efetivação da Lei impactaram as vidas daqueles que delas puderam ter acesso à leitura. Os benefícios trazidos por essas bibliotecas revelaram uma dimensão antes nunca vista no cenário cultural e educacional do Recife. As bibliotecas populares romperam com o imobilismo da Biblioteca Pública e conseguiram levar a leitura à população mais distante do centro, além disso, proporcionaram o crescimento intelectual do povo marginalizado. As implementações das políticas públicas voltadas ao acesso à educação através da cultura oportunizaram aos moradores do Recife um encontro com a própria identidade de ser humano. Esses espaços de leitura e compartilhamento de conhecimento foram uma inovação, pois proporcionaram o encontro do povo com o livro. Até o final do século XIX essas pessoas sequer poderiam usufruir dos bens públicos de uso comum do povo, como as praças, parques, cujo ingresso era limitado por grades, de sorte que apenas os privilegiados poderiam deles apropriar-se. No entanto, essa apropriação literária proporcionada ao povo foi definida e controlada pelo Estado, através das elites intelectuais do Recife.</p> <p>&nbsp;</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26570 UM MESMO ESPAÇO, UM MESMO PERSONAGEM, TRÊS DISCURSOS DISTINTOS: 2022-04-18T18:31:44-03:00 José Ferreira Júnior professorferreirajunior@hotmail.com Janaína Freire dos Santos janainasantos1983@hotmail.com <p>Neste artigo se discute os discursos construídos e emitidos relacionados à memória lampiônica, na região do Médio Pajeú, nas cidades de Serra Talhada, Triunfo e na Vila de Nazaré do Pico, espacialidades sertanejas pernambucanas. São mostradas as intencionalidades presentes nas ações dos produtores culturais dos espaços citados, quando se reportam à memória lampiônica. Também é trazida à luz a prática pedagógica desenvolvida em salas de aula, quando do ensino de história local. Lançou-se mão de bibliografia relacionada à temática memória lampiônica, bem como elementos resultantes de pesquisas realizadas e em andamento. A abordagem foi qualitativa.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Palavras- chave: Memória Lampiônica; Serra Talhada; Triunfo; Vila de Nazaré do Pico; Discursos.</p> <p>&nbsp;</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26369 AS REPRESENTAÇÕES DA ELITE SÃO-JOANENSE SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA INSTRUÇÃO ESCOLAR: 2022-04-18T18:31:45-03:00 Vinicius Breneer Silveira viniciusb3838@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">Este trabalho teve por objetivo analisar as representações da elite política e social da vila São João del-Rei sobre a instrução escolar no período de 1827 à 1839, a partir do periódico </span><em><span style="font-weight: 400;">Astro de Minas.</span></em><span style="font-weight: 400;"> As publicações deste periódico são-joanense sobre a instrução escolar constituíram-se como um espaço de debates referente ao desenvolvimento da instrução na vila de São João del-Rei, difundindo especialmente os ideais liberais-moderados na província mineira.</span></p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26334 A IMPORTÂNCIA DA CULTURA MATERIAL E HISTÓRICA COMO MÉTODO DE ENSINO-APRENDIZAGEM EM CAICÓ-RN 2022-04-18T18:31:46-03:00 Allyson Iquesac de Brito allysonkesac@hotmail.com Eduardo Permínio Leite eduardo_perminio@hotmail.com <p>O presente artigo surgiu a partir de uma intervenção realizada nas turmas do 1º ano do Ensino Médio do Centro Educacional José Augusto (CEJA), localizado em Caicó-RN, pelo programa PIBID - História, abordando o tema do surgimento da supracitada cidade sertaneja. A pretensão foi possibilitar aos alunos uma reflexão sobre a importância de pontos históricos da cidade, tais como: O Poço de Sant´Ana; a Casa de pedra; a Igreja do Rosário; e o Açude Itans. Através da aula de campo, como metodologia, os alunos tiveram a oportunidade de trabalhar o conceito de memória como um espaço de narrativa mítica, arquitetural; com o sincretismo de práticas religiosas católicas e afro-brasileiras e, por fim, uma memória paisagística. Por meio do embasamento teórico, a Educação Patrimonial revela a sua importância para o desenvolvimento intelectual dos discentes.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26559 CONSIDERAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO HISTÓRICA E ENSINO DE HISTÓRIA 2022-04-18T18:31:46-03:00 Francielle Alves Difante difantefran90@outlook.com <p>O presente artigo estabelece uma reflexão entre Educação Histórica e Ensino de História. Em sinergia com as ideias de Jörn Rüsen e Peter Lee, objetivou-se discutir a importância de uma consciência histórica e de uma literacia histórica, a fim de que a compreensão e interpretação da História deem-se de modo a interconectar passado, presente e futuro.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>: Educação Histórica; Ensino de História; Consciência histórica; Literacia histórica.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26558 PROCESSOS TRABALHISTAS, MEMÓRIA E HISTÓRIA: 2022-04-18T18:31:48-03:00 Patrícia Camilla Souza de Moraes patmoraes.infra@gmail.com <p>Esse artigo apresenta um debate sobre a construção da Justiça do Trabalho e da legislação trabalhista no Brasil, abordando a importância da preservação de documentos produzidos pela mesma e criação de arquivos com este objetivo. A partir dessa discussão, apresento estratégias para a utilização desses documentos, especificamente de processos trabalhistas, como fonte para o ensino de história. São relatadas algumas das experiências do Laboratório de História e Memória da Universidade Federal de Pernambuco e Tribunal Regional do Trabalho 6ª Região (LAHM-UFPE/TRT6) no ensino de história com processos trabalhistas dos anos de 1940 a 1980 oriundos das antigas Juntas de Conciliação e Julgamento de Pernambuco.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26551 APRENDER NA CIDADE: 2022-04-18T18:31:49-03:00 Carina Martins Costa martinsgaruda@gmail.com Thaísa de Queiroz Muniz thaisa-muniz@hotmail.com <p>O artigo pretende apresentar uma reflexão sobre o aprendizado da História na cidade a partir das metáforas do dédalo e do labirinto, inspirada na reflexão do etnógrafo Tim Ingold (2015). Em diálogo com a ideia de uma pedagogia do pedestre refletiva a partir da cidade do Rio de Janeiro (RJ) com a mobilização de afetos, linguagens e sentidos, apresentaremos potencialidades e desafios da educação na cidade. Os conceitos de imaginação e aprendizagem histórica serão focos de maior atenção. Por fim, vislumbraremos impactos da pandemia no uso da cidade e desafios para o porvir. &nbsp;</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26377 DILEMAS DE CLIO: 2022-04-18T18:31:50-03:00 Iraildes Pereira e Silva ildes23@hotmail.com <p>Este estudo tem por objetivo problematizar acerca do ensino de história na contemporaneidade, os desafios que esse ensino enfrenta em meio a uma sociedade onde o negacionismo e o advento do movimento “escola sem partido” vêm criticando, especialmente os professores e sua prática em sala de aula. Partimos de alguns questionamentos para refletir sobre o papel do ensino de história na era contemporânea, tais como: qual é a importância de se estudar história na atualidade e qual o papel do professor de história nesse momento de questionamento da disciplina.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26388 CENTROS DE MEMÓRIA E A EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS: 2022-04-18T18:31:51-03:00 Nathália Pereira Cabal nana_p_c@hotmail.com Tainá Agostinho Cardoso tainaagostinho@hotmail.com Egar Preis Junior egar.junior@hotmail.com <p>Este trabalho, versará sobre nossas práticas e discussões em espaços não formais de educação, durante as aulas de estágio IV do curso de História/UNESC, ao longo do ano de 2017. O local escolhido para o desenvolvimento do projeto foi o Centro de Memória e Documentação da UNESC. No ano de 2022, o Centro chegou aos seus 22 anos de trajetória enquanto espaço de formação, pesquisa e extensão para a comunidade acadêmica e externa, a partir principalmente dos trabalhos desenvolvidos em parceria com o curso de história. Desse modo, tivemos como intuito, divulgar o centro como um espaço de educação não formal, especialmente a partir de seus três laboratórios. Foram objetivos também: fazer uma breve discussão acerca dos conceitos relativos a centro de memória e centro de documentação.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26395 O IMAGINÁRIO SOCIAL CRISTALIZADO NA HISTÓRIA PELAS IMAGENS VISUAIS 2022-04-18T18:31:54-03:00 Eduardo Jorges Pugliesi professorpugliesi12@gmail.com Erenildo João Carlos erenildojc@gmail.com <p>As imagens visuais têm ocupado os mais variados espaços no tempo presente, ao ponto que podemos afirmar que o século XXI são delas. Elas têm dominado as relações sociais, culturais e educacionais. A minha pesquisa sobre os livros didáticos de história, tem revelado um considerável aumento delas ao longo das páginas dos mesmos. Desta forma, discorro sobre como o ensino de história do Brasil – responsável pela construção da memória nacional vai sendo configurado em seus LDs e de que maneira os grandes acontecimentos da História do Brasil e seus respectivos “heróis” eternizados por meio das imagens visuais são usados para criar mitos no imaginário social como estátuas postas em praças públicas que servem de referencial imagético de um período ou acontecimento no qual tornam-se uma espécie de topoi.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28714 APRESENTAÇÃO 2022-04-18T18:31:31-03:00 Revista Espacialidades espacialidades@gmail.com <p>A Equipe Editorial da Revista Espacialidades tem o enorme prazer de divulgar o seu Vol. 18, n° 1, com o Dossiê Temático <em>Espaços do educar: conhecimento histórico e Ensino de História</em>.</p> <p>Diante do cenário de crise política, econômica e social vivenciado pelo mundo e, sobretudo, pelo Brasil nos últimos anos, à equipe editorial da Espacialidades, por meio deste volume, sentiu a necessidade urgente de refletir sobre os caminhos da educação brasileira. O dossiê temático “Espaços do Educar: conhecimento histórico e Ensino de História” reúne 17 trabalhos que buscam, por meio de diferentes abordagens e perspectivas, tratar da relação entre o espaço, esta construção humana e produto das relações sociais, e o ensino de história, que se constitui enquanto uma ferramenta importante para o debate sobre as novas perspectivas historiográficas, assim como para os debates de natureza epistemológica, contribuindo com importantes reflexões para processo educativo, produção de materiais didáticos e projetos curriculares. Os artigos tratam desde questões relacionadas aos espaços ocupados pelas diversas metodologias e instrumentos pedagógicos, assim como estudos dedicados a refletirem sobre as territorialidades do Ensino de História e os vários espaços a partir dos quais o conhecimento deste campo é produzido e divulgado.</p> <p>Na Seção Livre, a Espacialidades apresenta 5 artigos em que categorias espaciais são trabalhadas e que contribuem para a difusão da área de História e Espaços. Além disso, o volume ainda conta com 3 entrevistas inéditas, que analisam e discutem o Ensino de História por múltiplos vieses.</p> 2022-04-14T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades