Revista Espacialidades https://periodicos.ufrn.br/espacialidades <p style="text-align: justify;"><span style="vertical-align: inherit;"><span style="vertical-align: inherit;">A Revista Espacialidades é uma publicação com periodicidade semestral dos discentes do Programa de Pós-Graduação em História – área de concentração em História e Espaços -, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte,<em> campus</em> de Natal – RN. Sua proposta é transdisciplinar com as diversas áreas do conhecimento em que o Espaço é utilizado como categoria de análise e compreensão das ações humanas, tais como a Antropologia, Sociologia, Geografia, Arquitetura e Urbanismo, entre outras. A revista não conta com restrições quanto a titulação acadêmica dos(as) autores(as) que venham a contribuir com manuscritos em suas publicações.</span></span></p> pt-BR <p>A submissão de originais para este periódico implica na transferência, pelos autores, dos direitos de publicação impressa e digital. Os autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de publicação inicial, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons CC BY-NC- SA 4.0, e pelos direitos de publicação. Os autores podem publicar seus trabalhos on-line em repositórios institucionais / disciplinares ou nos seus próprios sites. Os autores somente poderão utilizar os mesmos resultados em outras publicações indicando claramente este periódico como o meio da publicação original.</p> <p>O autor também aceita submeter o trabalho às normas de publicação da <strong><em>Revista Espacialidades</em></strong> acima explicitadas.</p> <p>A <strong>Revista Espacialidades </strong>é um periódico de acesso aberto sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 Internacional License (CC BY-NC-SA 4.0)</p> espacialidades@gmail.com (Fabíula Sevilha de Souza) espacialidades@gmail.com (Talita Alves da Cruz) Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 UMA POSSÍVEL FORMA DE VALORIZAÇÃO LOCAL: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/27638 <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo visa sugerir uma possível forma de valorização da área geográfica que compreende o Sítio Arqueológico Lajeiro do Escrivão, no município de São João do Sóter-MA, a fim de se atribuir uma maior visibilidade sobre a potência patrimonial da Região dos Cocais que a compõe. Dessa forma, enseja-se uma educação patrimonial sotense em prol de instrumentalizar o conjunto de moradores rurais, pais, alunos e professores que residem no entorno do sítio, mediante sua dimensão patrimonial material e educativa existente, atrelado tanto à sua formação histórica, quanto à apropriação do local, como referência cultural e lugar de memórias.</span></p> Maykon Albuquerque Lacerda, Maria do Amparo Moura Alencar Rocha Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/27638 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 CIDADE, PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA HUMANIDADE: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/27997 <p>As candidaturas ao título de Patrimônio Mundial na Unesco, contendo uma riqueza de detalhes históricos, culturais, arquitetônicos, geográficos e socioeconômicos oportunizam identificar os processos de desenvolvimento da qualidade de vida e/ou exclusão dos grupos sociais residentes. Uma pesquisa com documentação complementar e visitas técnicas às localidades permite traçar o desenvolvimento das áreas urbanas patrimonializadas contribuindo para uma reflexão de acertos e desencontros nas ações de instituições de gestão e fomento desses espaços. Assim, o recorte espacial abrange o estudo de caso do centro histórico de Lima (Peru), reconhecido como patrimônio histórico da Humanidade em 1991 pela Unesco.</p> Janaina Cardoso de Mello Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/27997 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 A MONUMENTALIZAÇÃO DO SAGRADO: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28011 <p>Ao refletir sobre as categorias de território e lugar a partir da concepção de patrimônio imaterial estabelecida pelo Decreto 3.551 de 04 de agosto de 2000, procuramos problematizar como o sentido de territorialidade para os povos Tariano e Tukano foi reafirmado a partir do registro da Cachoeira de Iauaretê como patrimônio imaterial brasileiro. Dessa forma, a combinação entre os objetos naturais que compõem o local e as experiências coletivas fixadas no espaço nos permitiu problematizar o processo de reafirmação identitária desses povos nativos. Assim, articulamos os sentidos de território, lugar e identidade a partir da perspectiva histórica, ou seja, estabelecendo relações entre presente e passado, permitindo o diálogo com reflexões sociológicas, antropológicas e geográficas.</p> Pedro Henrique da Silva Paes Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28011 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 DOIS PROJETOS PARA UM SÓ PRÉDIO: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28078 <p>O artigo busca analisar os conflitos de memória, bem como os documentos abandonados no prédio do Departamento de Ordem Política e Social do Rio de Janeiro (DOPS), as disputas pelo local marcadas pela polícia civil do estado e os grupos de Direitos Humanos que visam a criação de um memorial referente à ditadura militar no Brasil. Para isso, serão analisadas as notícias veiculadas nos jornais BBC e o Globo.</p> Larissa Vitória Ivo Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28078 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 AS MEMÓRIAS SENSÍVEIS EM PERSPECTIVA: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28086 <p><span style="font-weight: 400;">Este trabalho apresenta uma análise acerca da relação entre os conceitos de memória, trauma e identidade social, buscando estabelecer um diálogo com a bibliografia especializada que analisa os temas citados a partir das experiências traumáticas, características do século XX. Nesse sentido, a primeira parte do texto aborda as relações entre a memória e o trauma, bem como questões inerentes ao processo de rememoração de experiências relacionadas aos eventos traumáticos. A segunda parte do texto coloca em discussão os fenômenos que atuam na constituição das memórias coletivas, abordando os mecanismos envolvidos no estabelecimento do vínculo entre o indivíduo e o grupo. </span></p> Rodrigo Musto Flores Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28086 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 CONJUNTOS URBANOS TOMBADOS NO CEARÁ: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28978 <p>O artigo analisa a utilização da escrita da história como atribuição de valor de testemunho histórico relacionado a conjuntos urbanos patrimonializados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional-IPHAN no Ceará. Partindo dos pareceres do conselho consultivo do IPHAN que ratifica a patrimonialização a nível nacional, temos como objetivo principal apontar caminhos na compreensão do processo de patrimonialização de conjuntos urbanos no estado do Ceará, entre os anos de 1978 a 2003, em sua relação com uma escrita da história baseada numa atribuição de valor de testemunho histórico. Dessa maneira, o recorte e tema nos traz reflexões sobre como a escrita da história foi instrumentalizada como forma de produção e visualização do passado.</p> Daniel Barreto Lopes Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28978 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 SÃO PAULO E A EFEMERIDADE DO MODERNO: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28127 <p><span style="font-weight: 400;">O artigo analisa a formação e a remodelação do centro da cidade de São Paulo durante a primeira metade do século XX, tomando como objeto de estudo o Hotel Victoria, localizado no Largo do Paissandu. Para isto, debruçou-se sobre matérias e anúncios publicitários dos periódicos mais relevantes da época, visto que eram eles os responsáveis por ditar o ritmo da vida social na cidade, retratando a busca insaciável por aquilo que era novo, bom e moderno. Em seguida, aborda-se a reformulação desse conceito, representada, sobretudo, na aplicação do Plano de Avenidas de Prestes Maia. </span></p> Letícia Dias Muniz Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28127 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 UM GUARDIÃO DE MEMÓRIAS: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28144 <p><span style="font-weight: 400;">O artigo visa compreender o entrelaçar da memória e da história mediante a institucionalização do Memorial Cristo Rei da Universidade Federal do Maranhão como espaço dedicado a memória institucional. Constataremos que esses locais são construídos a fim de preservar as experiências acerca do passado dessa instituição de ensino superior, relembradas num tempo presente. Para tanto, a análise da documentação sob a guarda do Memorial Cristo Rei permitiu examinar os significados envolvidos no processo de criação desse espaço memorialístico como um lugar que preserva os vestígios sobre a trajetória institucional. O esforço das instituições em construir espaços de memórias visa consolidar memórias e narrativas sobre sua trajetória institucional, bem como construir sua identidade.</span></p> Mayjara Rêgo Costa Garcia Oliveira Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28144 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 O DISEGNO DA CIDADE DE CAJAZEIRAS - PB (1920 A 1940): https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28153 <p>A pesquisa objetivou o estudo do patrimônio cultural material do centro histórico da cidade de Cajazeiras, especificamente, os prédios tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba – IPHAEP. A perspectiva teórico-metodológica deste trabalho está balizada por conceitos da História Cultural como: memória, identidade e representação porque entendemos o patrimônio de Cajazeiras para além da fria materialidade das paredes e pedras. Foram analisadas fontes bibliográficas – pesquisas acadêmicas e livros memorialistas, documentais – fotografias, além de observação de campo. Como produto final desta pesquisa foi construído um site para registro documental sobre a História de Cajazeiras, tornando-se uma ferramenta relevante para proposta de educação patrimonial.</p> Katiana de Sousa Vale Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28153 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 O DESFILE DOURADO DOS FARAÓS: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28192 <p>Este artigo procura analisar alguns dos discursos visuais e orais proferidos no Desfile Dourado dos Faraós, evento ocorrido em abril de 2021 no Cairo, Egito. Nele, 22 múmias de reis e rainhas dinásticas foram transferidas do Museu Egípcio do Cairo para o seu novo espaço expositivo no Museu Nacional da Civilização Egípcia. Iremos abordar um breve histórico da Egiptologia, do Museu Egípcio e da cooptação colonial de espaços culturais a fim de contextualizar as análises sobre o simbolismo de elementos presentes no Desfile. Discutiremos as presenças e ausências de representação no evento com o objetivo de lançar uma reflexão sobre a forma pela qual o Egito usa seu passado e seu patrimônio cultural e material para reelaborar suas narrativas históricas, de acordo com o que lhe é pertinente politicamente no presente.&nbsp;</p> Nina Paschoal, Naiara Müssnich Rotta Gomes Assunção, Francismara Lelis Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28192 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 A MEMÓRIA COMO OBJETO DA HISTÓRIA: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28225 <p><span style="font-weight: 400;">Este trabalho tem o intuito de pensar como a memória, enquanto objeto da História, possibilita interpretar contos orais de histórias de Trancoso da zona rural do município de Caetés-PE. Para isso, se faz uso, de forma geral, da perspectiva do filósofo Paul Ricoeur, autor congruente à memória como conceito fundador do conhecimento histórico. Em conjunto estão as análises possibilitadas por Michel-Rolph Trouillote, com sua crítica incisiva aos silêncios nas narrativas provocados pelos conflitos do poder, além de outros especialistas em memória e história, com contribuições conceituais específicas ao longo do texto. Partindo do paradigma qualitativo/interpretativo, esta pesquisa conta com uso metodológico da história oral em meio ao método exploratório de campo, além da análise interpretativa dos contos, sendo efetivada com o uso da hermenêutica fenomenológica de Paul Ricoeur.</span></p> emanuel da Silva Oliveira Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28225 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 MEMÓRIA, PATRIMÔNIO E MUSEOLOGIA: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28227 <p>O presente trabalho apresenta os conceitos de memória, patrimônio e museologia a partir do entendimento de que são construções sociais e por isso são campos de disputas, constrói-se e disputa-se o que é considerado patrimônio, quais memórias devem ser lembradas e o que é museu. Nesse sentido, o objetivo geral desse trabalho é compreender a importância da dimensão do social para esses campos, abordando-os a partir do viés da interdisciplinaridade. Para tanto utilizará de uma revisão bibliográfica da literatura dos temas. Por fim, espera-se com esse trabalho contribuir com o diálogo entre tais áreas de conhecimento colocando em pauta a necessidade de se trabalhar essa construção a partir da coletividade, do diálogo, da alteridade e da constituição de sentimentos de pertencimento.</p> Tatiane Oliveira de Assumpção Cordeiro Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28227 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 DESTOMBAMENTOS NO ÂMBITO DO SPHAN: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28240 <p>O objetivo deste artigo é tratar do cancelamento de tombo de dois bens preservados pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN): <em>Conjunto Arquitetônico e Urbanístico de São João Marcos – Itaverá – Cidade de São João Marcos</em>, localizado na cidade de Rio Claro, estado do Rio de Janeiro e da <em>Igreja de Nossa Senhora do Rosário,</em> localizada na cidade de Porto Alegre, estado do Rio Grande do Sul. Esses são os dois primeiros casos de cancelamento de tombo no âmbito do SPHAN e por conseguinte abriram precedentes sobre a discussão da perda da chancela do tombo e seus mecanismos legais.</p> Bruna Valença Mallorga Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28240 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 ENTRE A RUÍNA E O RETORNO: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28247 <p><span style="font-weight: 400;">Durante as décadas de existência da</span> <span style="font-weight: 400;">República Federativa Socialista da Iugoslávia, uma vasta rede de monumentos foi erguida em toda a extensão de seu território como símbolo da sua fundação como nação através da luta dos </span><em><span style="font-weight: 400;">partisans</span></em><span style="font-weight: 400;"> e da herança histórica de colaboração entre as repúblicas independentes e as províncias autônomas. Assim, o presente trabalho busca mapear e identificar o estado atual dessas construções na República da Croácia – estado que emergiu da dissolução da Iugoslávia e cujas narrativas nacionais em voga tendem a antagonizar o seu passado socialista. Por meio de um levantamento quantitativo, buscamos analisar os esforços de preservação, as tentativas de destruição e as modificações e apropriações em torno desses espaços no contexto de afirmação de uma cultura nacional. </span></p> Mariana Hebling Alen Loureiro Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28247 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 A PONTE MONUMENTAL DE NIEMEYER: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28252 <p>O presente artigo propõe a analisar as disputas simbólicas que se desdobram a partir da Ponte Monumental projetada por Oscar Niemeyer em Brasília. Apesar do nome dado por seu autor, a ponte foi inaugurada com o nome de um ditador, Ponte Costa e Silva, e desde então passa por processos de disputa que organizam em si questões referentes à memória urbana, narrativas sobre a cidade, o simbolismo e significado dos objetos urbanos. Nessa perspectiva, por meio das noções de imaginário social e narrativa, evidencia-se a questão em disputa: a memória no espaço urbano. Por meio da revisão bibliográfica e do estudo do caso específico propõe-se um tensionamento da questão, abordando os usos da memória na manutenção de narrativas complexas.</p> Arthur Gomes Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28252 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 LUGARES SAGRADOS JIRIPANKÓ: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/30326 <p>Este artigo tem como objetivo descrever os lugares sagrados do território indígena como patrimônios culturais e lugares de memórias que possibilitam a socialização dos saberes, fazeres e crenças religiosas Jiripankó. Assim, partiremos do embasamento teórico em obras de autores como Ana Martins (2013), António Mendes (2012), Claudia Mura (2013), Joël Candau (2012), Lucia Velthem (2017), Maurice Halbwachs (2003), Maria Pinheiro (2017), Michael Pollak (1992), Pierre Nora (1993), Priscila Matta (2005) e Ulpiano de Meneses (2012), em consonância com as pesquisas de campo que vêm sendo desenvolvidas desde o ano de 2015, para possibilitar uma compreensão e descrição dos lugares sagrados – terreiro e poró – como patrimônios culturais do povo Jiripankó, habitante no Sertão do estado de Alagoas.</p> Lucas Gueiros Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/30326 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 O PATRIMÔNIO CULTURAL URBANO E SUAS COMPLEXAS RELAÇÕES COM O MUSEU DA CIDADE DE GOVERNADOR VALADARES/MG https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/29708 <p>O objetivo deste artigo é refletir quais as complexas relações podem ser estabelecidas entre o Museu da Cidade de Governador Valadares/MG e os patrimônios históricos e culturais da cidade. Para tanto, utilizaremos como suporte teórico as reflexões de Pollak (1989), Meneses (1993, 1994, 2003), e Gonçalves (2015). Nossa metodologia se fundamenta na análise do acervo do Museu da Cidade de Governador Valadares (MCGV) e de alguns patrimônios históricos da cidade. Nesse sentido, o desafio dessa abordagem é entender como as identidades locais são (re)construídas tanto no tecido urbano como nos cenários expositivos dessa instituição. Ao longo desta investigação será possível observar que em diferentes espaços, a memória e a identidade estão em disputa e ambas são meios de reivindicação dos direitos de diferentes grupos, etnias, classes sociais, de indivíduos, e das heterogeneidades dos povos negligenciados pela memória oficial.</p> Lucinei Pereira da Silva Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/29708 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 PATRIMÔNIO HISTÓRICO E HUMANIDADES DIGITAIS: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28296 <p><span style="font-weight: 400;">O presente trabalho tem como objetivo analisar as possibilidades de Ensino de História utilizando recursos digitais, mais especificamente os “mapas virtuais” trabalhando a Educação Patrimonial a partir dos “lugares de memória” da ditadura civil-militar na cidade do Recife. Resultado de um trabalho de conclusão de curso, esta pesquisa começou a ser desenvolvida no início de 2020, a partir das reflexões proporcionadas pela realização do estágio em docência em história, dentro da disciplina de Estágio Supervisionado IV. O projeto foi realizado em uma escola pública estadual localizada na região metropolitana de Recife-PE, em duas turmas no terceiro ano do Ensino Médio</span><em><span style="font-weight: 400;">. </span></em><span style="font-weight: 400;">As atividades culminaram na construção do mapa virtual: </span><em><span style="font-weight: 400;">“Mapas da memória: A Ditadura Civil-Militar na cidade de Recife</span></em><span style="font-weight: 400;">”, construído pelos alunos por meio a ferramenta </span><em><span style="font-weight: 400;">MyMaps</span></em><span style="font-weight: 400;">, do Google.</span></p> Arnaldo Martin Szlachta Junior, Ana Camila Tarquino da Gama Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28296 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 O O PASSADO E A MEMÓRIA COMO INSTRUMENTOS DECOLONIAIS NA PRÁTICA DA SOCIOMUSEOLOGIA: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28326 <p><span style="font-weight: 400;">Este artigo, através da exposição Jardim das Memórias na iniciativa cultural do programa Ponto de Memória, procura compreender a mobilização do passado e da memória como uma atitude decolonial que visa a superação de estigmas de marginalização impostos à comunidade do Grande Bom Jardim. Para isso, foram necessárias as leituras teóricas de Mignolo (2016), Maldonado-Torres (2018), Bernardino-Costa, Maldonado-Torres e Grosfoguel (2018) e Césaire (1995). Assim, analisando a exposição, pretendemos também ressaltar a importância de uma prática sociomuseológica na busca pela construção de um passado próprio, mobilizando os moradores e sua memória, constituindo-se como uma ação decolonial.</span></p> Matheus Bruno de Freitas Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28326 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 CULTURA MATERIAL E CONEXÕES SOCIAIS : https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28338 <p><span style="font-weight: 400;">A utilização dos inventários </span><em><span style="font-weight: 400;">post mortem</span></em><span style="font-weight: 400;"> e da cultura material nos estudos sobre a cidade abrem espaço para ricas discussões, principalmente na busca por compreender o século XIX. O objetivo deste texto é pensar como, em meio a materialidade, podemos enxergar redes de sociabilidade em Cajazeiras, Paraíba no final do mesmo século, e a inserção das mulheres na vida pública, através do acesso à educação e na constituição de patrimônio das mesmas. Plural em significados, a documentação nos auxilia a conhecer o passado e as personagens a partir do arrolamento dos seus bens e heranças, evidenciando a vida material e o cotidiano, as tramas sociais e as ligações entre bens, economia, religião e demais fatores possíveis.</span></p> Ayrle Alves de Figueiredo, Ana Victória de Medeiros Oliveira Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28338 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 ENSINO DE HISTÓRIA COM O USO DE JORNAIS: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26554 <p>Este artigo busca discutir o que significa retirar uma publicação jornalística de seu propósito inicial (a divulgação de informações para um público amplo) e inseri-la em um contexto da educação. A utilização da imprensa em um processo de aprendizagem escolar provoca um deslocamento temporal, já que os jornais foram escritos para o consumo imediato, enquanto um professor de história explora relações distintas, próprias da disciplina histórica. Tendo como premissa a ideia de que a comunicação - em seu sentido humanista, conceituado por Paulo Freire (2002) - é um direito e, inclusive, um patrimônio, ou seja, uma temática da educação patrimonial, este trabalho investiga a construção do conhecimento histórico escolar a partir do uso dos jornais, como documento histórico.</p> Daniel Augusto Pereira Marcilio Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/26554 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 ENTREVISTA MEMÓRIA E USOS DO PASSADO: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/31161 Revista Espacialidades Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/31161 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 Apresentação https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/31136 <p>A Equipe Editorial da Revista Espacialidades tem o enorme prazer de divulgar o seu Vol. 18, n° 2, com o Dossiê Temático <em>Memória, Patrimônio e usos do passado</em> </p> <p>O intuito desse dossiê foi o de expandir o escopo do pensamento, utilizando-se de campos de estudos variados a partir de marcadores teóricos e metodológicos que rompem com uma visão única de um passado, de uma lembrança que em muitas vezes possui as marcas da vida daqueles que se encontra em uma sociedade que vibra, que sente em suas carnes, em seus corpos a resistência da memória e o silenciamento de fatos até então esquecidos. No escopo desta edição da Revista Espacialidades, você encontrará diferentes expressões do pensamento que se alinham ao que propomos: o pluralismo, a diversidade e a desconstrução de um olhar sobre o significado da recordação.</p> <p>Nos trabalhos publicados, trouxemos autorias de múltiplos pesquisadores científicos de diversas regiões do Brasil. Assim, a Espacialidades deste semestre procura ultrapassar as fronteiras de um debate amplo sobre a memória e patrimônio que aparecem muitas vezes como conceitos pares nas reflexões historiográficas. Embora a memória encontre outras formas de manifestação, sua expressão pública privilegiada é, de fato, o patrimônio, o qual incorpora em seu conteúdo uma dada memória que por meio dele é socialmente reproduzida e, não raras vezes, ressignificada – uma vez que a memória não consiste em um conteúdo estanque relativo a um passado morto. Antes de pensarmos tal articulação, entretanto, faremos uma rápida decomposição de tais conceitos, especialmente sob o enquadramento do escopo da revista, para em seguida encadear as ideias inscritas em cada um deles, arrematando, por fim, com um dos grandes desafios que se impõem aos historiadores em nossos dias: os usos do passado. Ao final desta apresentação, teremos amarrado as pontas dessas três expressões em torno das quais se organiza o presente dossiê.</p> Revista Espacialidades Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/31136 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 MANANCIAIS AQUÁTICOS, SUJEITOS SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO EM FEIRA DE SANTANA (1930-1945) https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28228 <p>As águas são um capítulo à parte na história de Feira de Santana. O silenciamento dessas memórias sobre o tecido urbano tenta invizibilizar relevância das águas para a população da cidade. Buscamos evidenciar as atividades de trabalho, sociabilidades e lazer nos tanques, a partir da compreensão da produção de um urbano pautado na tentativa afastar as subjetividades suburbanas. Parte do espectro sociocultural entendido como suburbano foi produzido nos espaços das águas pelas atividades laborais de aguadeiros, domésticas, lavadeiras entre outros. Esse artigo visa agregar ao entendimento da relação entre trabalho e produção do espaço citadino, bem como evidenciar que esses ambientes carregam as memórias inscritas na labuta diária das pessoas comuns.</p> Pedro Alberto Cruz de Souza Gomes Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28228 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 ESPAÇO SONOROS: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28246 <p>Este artigo busca apresentar espaços informais de lazer da cidade de Cuité-PB, entre as décadas de 1960 a 1980, “reconstituídos” principalmente através dos relatos orais de diversos colaboradores, em sua maioria, músicos da época que contaram suas histórias e, junto de outras fontes, proporcionaram “recriar” alguns espaços sonoros vividos na época. “Ouvimos” ambientes multifacetados como as feiras, resistentes como os carnavais de rua, intensos e volantes como os circos, astuciosos como os bares, palhoças, etc. Isso, numa época em que os ventos modernos passavam pela cidade e buscavam controlar tudo (aprisionar, por exemplo, os sons nos clubes). Mas, não fizeram silenciar os “passos” dos populares, os "arrastões" do papangus, o som das vitrolas nos bares, a trilha cotidiana do entretenimento informal da cidade.</p> Israel da Silva Araújo Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28246 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 “ELES FORAM ATRÁS DE LU”: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28248 <p><span style="font-weight: 400;">O presente trabalho parte de um acontecimento nos anos 1990 que envolveu uma rezadeira e uma instituição de saúde no semiárido nordestino. Área onde este estudo foi desenvolvido é a bacia hidrográfica do riacho São José, localizado predominantemente na zona rural do município de Caetés-PE e seu entorno nos municípios de Paranatama, Pedra e Venturosa, também no estado de Pernambuco. Objetivou-se nesse estudo de maneira geral, pensar a relação, os discursos produzidos e as práticas entre a cosmologia local e as instituições de saúde num contexto rural no semiárido nordestino. Mais especificamente, pretende-se entender como se delineiam as questões referentes aos sentidos mágico-religioso-cosmológicos entre as populações no Vale do São José.</span></p> Alexandre Gomes Teixeira Vieira Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28248 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 O CONTINENTE E A PRATA: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28346 <p><span style="font-weight: 400;">O presente artigo visa abordar aspectos referentes ao processo de formação do território sul-rio-grandense integrado com a historiografia platina. Para tanto, busca-se através de um diálogo entre História e Literatura despertar tais questões a fim de discutir e embasar nossas reflexões. O primeiro livro da trilogia </span><em><span style="font-weight: 400;">O tempo e o vento</span></em><span style="font-weight: 400;">, do escritor Erico Verissimo, serve como ponto de partida para nossa proposta ao situar-se entre os séculos XVIII e XIX. O processo histórico registrado pela historiografia recente, bem como a percepção crítica do romancista contribuíram para a exposição das ideias referentes à ascensão do pensamento republicano no Brasil.</span></p> Gabriel Pereira da Silva Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28346 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300 ENTRE CIDADE, LETRA E CIÊNCIA: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28345 <p>Como fonte histórica utilizaremos o romance de tese “O Cortiço” publicado em 1890 e alvo de debates até a contemporaneidade. Considerando as visões do espaço urbano carioca por meio da leitura do romance realista-naturalista pretende-se dissertar sobre as concepções de evolucionismo social, racismo científico e determinismo geográfico presentes nas páginas do livro de Azevedo. Dessarte, o procedimento metodológico de análise da fonte envolve “[...] compreender os conflitos sociais e políticos do passado por meio das delimitações conceituais e da interpretação dos usos da linguagem [...]” (KOSELLECK, 2006, p. 103). Nessa lógica, nosso objeto de pesquisa consiste na construção literária do conceito de cortiço carioca e as relações de poder estabelecidas nesse espaço urbano em constante transformação.</p> Giovana Meireles Copyright (c) 2022 Revista Espacialidades https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/28345 Sat, 31 Dec 2022 00:00:00 -0300