[1]
I. C. da C. B. Oliveira, “Fogo Morto e a recepção da crítica literária”, Imb. Rev., vol. 2, nº 4, p. 45-58, out. 2011.