Revista Ciência Plural https://periodicos.ufrn.br/rcp <p style="margin: 0px; min-height: 50px; max-height: 125px; overflow: hidden; text-overflow: ellipsis;"><strong>Scope: </strong>A revista tem periodicidade quadrimestral e está aberta a contribuições da comunidade científica nacional e internacional, que tem como missão publicar, promover e disseminar produção cientifica que contribua para os estudos na área da saúde, prioritariamente, saúde coletiva e odontologia. Os manuscritos devem destinar-se exclusivamente à Revista Ciência Plural e podem ser enviados nos idiomas Português, Inglês e Espanhol. <br />A submissão de artigos é de fluxo contínuo e a revista tem periodicidade quadrimestral.</p> <p style="margin: 0px; text-align: left;"><strong>Área do conhecimento</strong>:Ciências da saúde <strong>Qualis/CAPES</strong>:B3 <strong>e-ISSN</strong>:2446-7286 <strong>Contato</strong>: <a title="E-mail" href="mailto:irisdoceu.ufrn@gmail.com" target="_blank" rel="noopener">irisdoceu.ufrn@gmail.com</a></p> pt-BR <p>À Revista <em>Ciência Plural &nbsp;</em>ficam reservados os direitos autorais referente a todos os artigos publicados.</p> <p>&nbsp;</p> irisdoceu.ufrn@gmail.com (Iris do Céu Clara Costa) revistacienciaplural@gmail.com (Sulamita Lima de Oliveira) Tue, 30 Apr 2024 16:45:17 -0300 OJS 3.3.0.10 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 ATENÇÃO HOSPITALAR EM SAÚDE MENTAL NO RIO GRANDE DO NORTE: CONTRIBUIÇÕES DO PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO EM SAÚDE https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33471 <p><strong>Introdução</strong><span style="font-weight: 400;">:</span><span style="font-weight: 400;"> O componente hospitalar da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) preconiza o fechamento progressivo de hospitais psiquiátricos e a implementação de leitos de saúde mental em hospital geral, capazes de fornecer atendimento para os casos agudos que necessitem de internação de forma articulada com os demais pontos de atenção da rede. </span><strong>Objetivo</strong><span style="font-weight: 400;">:</span><span style="font-weight: 400;"> Diante disso, o objetivo do presente artigo foi analisar a distribuição do número de leitos de atenção hospitalar em saúde mental no Rio Grande do Norte entre 2012 e 2022 e apresentar uma proposta de planejamento e avaliação para fortalecer a RAPS do estado. </span><strong>Metodologia:</strong><span style="font-weight: 400;"> Trata-se de um estudo ecológico realizado no estado do Rio Grande do Norte, Brasil, no período de 2012 a 2022, usando dados secundários sobre as internações. Seguido de um estudo propositivo com base em referências de planejamento e avaliação em saúde. </span><strong>Resultados:</strong><span style="font-weight: 400;"> Observa-se uma redução do número de leitos psiquiátricos ao longo do tempo, mas que não se mostra suficiente e não se traduz em um crescimento satisfatório de leitos de saúde mental em hospital geral. Foram propostas cinco ações com o intuito de fortalecer a RAPS através da implantação e qualificação de leitos de saúde mental em hospitais gerais. </span><strong>Conclusão:</strong><span style="font-weight: 400;"> Conclui-se que o movimento de constituição do componente hospitalar da RAPS do RN tem-se apresentado em movimento irregular e o número de leitos de saúde mental em hospital geral é insuficiente. Espera-se que as intervenções e avaliações sugeridas possam contribuir para subsidiar importantes encaminhamentos no âmbito das políticas públicas de saúde mental do Rio Grande do Norte, Brasil.</span></p> Eslia Maria Nunes Pinheiro, Flávia Thays Silva Araújo Andrade, Herbert Lucas Nascimento Gomes, Mário Lins Galvão de Oliveira, Elisângela Franco de Oliveira Cavalcante, Ana Elza Oliveira de Mendonça, Fábia Barbosa de Andrade Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33471 Tue, 30 Apr 2024 00:00:00 -0300 ANSIEDADE, QUALIDADE DO SONO E SONOLÊNCIA DIURNA EM ESTUDANTES DE ENFERMAGEM DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34483 <p><strong>Objetivo:</strong> Avaliar a correlação entre a ansiedade com qualidade do sono e sonolência diurna dos estudantes universitários em curso de graduação em enfermagem, assim como caracterizar o perfil sociodemográfico dos estudantes. <strong>Metodologia:</strong> Estudo descritivo transversal com abordagem quantitativa envolvendo 255 acadêmicos do curso de Enfermagem de uma instituição privada. A coleta dos dados ocorreu em Outubro de 2022 em salas de aula. Os instrumentos utilizados na coleta dos dados foram o Inventário de Ansiedade de Beck, Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh, Escala de Sonolência de Epwort-th e um questionário sociodemográfico. Utilizou-se o software estatístico R versão 4.0.2 e foram feitas suas correlações. <strong>Resultados: </strong>Foram encontrados padrões de ansiedade grave, com níveis de sonolência diurna anormal. A correlação entre o Inventário de Ansiedade de BECK com a Escala de Sonolência de Epworth e o Índice de Qualidade de sono de Pittsburgh, que embora tenha sido considerada fraca a moderada, por sua vez mostrou-se significativa (r=0,29; p=0,01). Ademais, temos que, a relação entre o BAI e o Índice de qualidade de sono de Pittsburgh mostrou-se também com valor de significância (r=0,35; p=0,01). <strong>Conclusões:</strong> Foi possível compreender que a ansiedade pode interferir na qualidade do sono e sonolência diurna do público de estudantes de Enfermagem.</p> José Mateus Bezerra da Graça, José Adelmo da Silva Filho, Tarciana Sampaio Costa, Francisca Elidivânia de Farias Camboim, Giovani Amado Rivera, Silvia Ximenes Oliveira Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34483 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 PORTFÓLIO: PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DA ÁREA DA SAÚDE https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34461 <p><strong>Introdução:</strong> A formação em saúde norteia a prática profissional, incidindo diretamente na atenção e assistência à saúde ofertada à população. Nesse sentido, o uso de métodos ativos de aprendizagem e avaliação, como por exemplo, o portfólio, podem contribuir para a construção de conhecimentos crítico-reflexivos. <strong>Objetivo</strong>: Evidenciar a percepção de estudantes dos cursos da área da saúde, que cursam a disciplina de Saúde e Cidadania na Universidade Federal do Rio Grande do Norte sobre o uso do portfólio enquanto instrumento de avaliação do ensino aprendizagem. <strong>Metodologia:</strong> Os dados foram obtidos por meio da formação de grupo focal e analisados pela análise do conteúdo. Definiram-se, então, as categorias temáticas: percepção sobre o portfólio; a elaboração do portfólio e a sua contribuição para a formação; dificuldades para formulação do portfólio<strong>;</strong> o portfólio como instrumento de avaliação. <strong>Resultados:</strong> Os estudantes compreendem o portfólio como instrumento de diálogo entre docentes e discentes, através dos relatos das vivências em grupo nos equipamentos sociais e reflexões individuais na construção de conceitos e aprofundamento teórico. Ainda referem inseguranças e dúvidas acerca da estruturação e confecção do instrumento, no entanto, percebem o portfólio como potente e inovador no auxílio a construção do conhecimento uma vez que permite o acompanhamento do processo de ensino-aprendizagem, possibilitando maior interação entre educador-educando, com produção de uma aprendizagem significativa. <strong>Conclusões:</strong> o portfólio estimula a reflexão e a crítica acerca das vivências nos cenários de práticas onde se desenvolve o componente curricular Saúde e Cidadania corroborando, sobremaneira, para a construção do conhecimento dos estudantes.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Métodos de Avaliação; Modelos Educacionais; Métodos Pedagógicos.</p> <p> </p> Maísa Paulino Rodrigues, Maria Angela Fernandes Ferreira, Waleska de Brito Nunes, Endrya Vitória Braz Inácio da Silva Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34461 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 MORTALIDADE POR VIOLÊNCIA AUTOPROVOCADA EM MULHERES EM IDADE FÉRTIL NO RIO GRANDE DO NORTE https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33398 <p><strong>Introdução</strong>: A violência autoprovocada é um importante problema de saúde pública. Esse agravo produz impactos no campo da saúde do indivíduo, da família e da coletividade com desdobramentos sociais e econômicos. <strong>Objetivo</strong>: Analisar a mortalidade por violência autoprovocada em mulheres em idade fértil no estado do Rio Grande do Norte, Brasil, entre os anos de 2012 e 2021. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de um estudo ecológico com abordagem quantitativa e utiliza-se como base o estado do Rio Grande do Norte. Os dados foram coletados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde, por meio das Informações em Saúde, nas seções de estatísticas vitais e população residente com a seleção sexo feminino e faixa etária de 10 a 49 anos. <strong>Resultados:</strong> Entre os anos de 2012 a 2021, no estado do Rio Grande do Norte, foram registrados 213 óbitos de mulheres em idade fértil por lesões autoprovocadas. Considerando o início e o final desse período, é possível destacar que a faixa etária de maior ocorrência de suicídio foi de 30 a 39 anos em 2012 e de 40 a 49 anos em 2021. Observou-se, nos anos avaliados, que as mulheres eram em sua maioria solteiras, de raça parda/preta e que a própria residência da vítima foi o local predominante para o desfecho da lesão autoprovocada. No que se refere à escolaridade e à relação do óbito com período de gravidez ou puerpério é preciso ressaltar o alto índice de “Não informada” e “Ignorada” nos registros. A taxa média de mortalidade por lesões autoprovocadas em mulheres em idade fértil entre 2012 e 2021 foi de 2,0 óbitos por cada 100.000 habitantes. <strong>Conclusões:</strong> Assim, conclui-se que o cenário da mortalidade por violência autoprovocada em mulheres em idade fértil no Rio Grande do Norte necessita de estratégias para prevenção do suicídio nessa faixa etária.</p> Aline Patrícia dos Santos Bezerra, Maria Mônica de Oliveira Veloso , Tatiana de Medeiros Carvalho Mendes, Ângelo Giuseppe Roncalli da Costa Oliveira, Karla Patrícia Cardoso Amorim, Janete Lima de Castro , Ana Elza Oliveira de Mendonça , Fábia Barbosa de Andrade Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33398 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SONO E ANSIEDADE EM PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DA SAÚDE NO CONTEXTO DA PANDEMIA PELA COVID-19 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31509 <p><strong>Introdução</strong>: Na pandemia desencadeada pela COVID-19, o desenvolvimento progressivo de sintomas de ansiedade e a má qualidade do sono devem ser investigados em profissionais e estudantes da área da saúde para o adequado manejo. <strong>Objetivo</strong>: Identificar a prevalência de problemas de sono e sintomas ansiosos em profissionais e estudantes da saúde, e analisar o efeito de variáveis sociodemográficas-clínicas na ansiedade e sono dessa população.<strong> Metodologia</strong>: Neste estudo transversal de caráter quantitativo aplicou-se um formulário online a 3.337 profissionais e estudantes da saúde do Brasil participantes de um congresso virtual, contendo 51 perguntas subdivididas em três categorias: Perfil sociodemográfico-clínico, Escala de Sono de Jenkins e Inventário de Ansiedade de BECK.<strong> Resultados</strong>: Dentre os participantes, 81,4% eram estudantes da área da saúde e 12,8% profissionais de saúde. Os achados obtidos indicam que 41% dos participantes apresentaram problemas de sono muito frequentes e 46,6% sinais de ansiedade moderada a grave. Houve associação estatisticamente significativa entre as variáveis sociodemográficas-clínicas e os questionários validados de sono e ansiedade. <strong>Conclusão</strong>: Essa pesquisa identificou importante prevalência de problemas de sono e sintomas ansiosos em profissionais e estudantes da saúde, sendo primordial a identificação precoce dessas alterações para um manejo efetivo.</p> <p><strong>Palavras-Chave</strong>: COVID-19; Qualidade do sono; Ansiedade; Profissionais da saúde; Estudantes de ciências da saúde.</p> Paula Laís Padilha Martinho, Elisa Torquato Cardoso Lopes, Vitor Cardoso Muniz, Cybelle Dutra da Silva, Alice Mendes Duarte , Ruthnaldo Rodrigues Melo de Lima, Gisele Correia Pacheco Leite Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31509 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: A PANDEMIA DE COVID-19 PROVOCOU SUBNOTIFICAÇÃO DE CASOS E/OU AUMENTO DE SUA OCORRÊNCIA? https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33880 <p><strong>Introdução: </strong>O cenário pandêmico trouxe à tona e de forma potencializada alguns indicadores preocupantes acerca da violência doméstica contra a mulher. Dessa maneira, questiona-se: a pandemia de COVID-19 provocou diferença no número de ocorrências de casos de Violência Doméstica?<strong> Objetivo:</strong> Comparar a ocorrência de casos de violência doméstica contra mulheres em um estado brasileiro nos períodos de 2015 a 2018 e 2019 a 2021 segundo dados da Polícia Civil do estado. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de um estudo documental e descritivo, realizado com dados secundários. As informações foram colhidas através da ouvidoria da Polícia Civil em 11 de março de 2021, a partir dos registros de boletins de ocorrências policiais sobre violência doméstica contra a mulher dos anos de 2015 a 2021. <strong>Resultados:</strong> Durante os anos de 2015 a 2021 foram registrados um total de 26.671 boletins de ocorrência por violência contra a mulher. De 2015 a 2018, a média mensal foi de 360,1 ocorrências e durante a pandemia, de 2019 a 2021, a média mensal foi de 360,9 ocorrências. Notou-se um discreto aumento na quantidade de boletins de ocorrência feito durante a pandemia de COVID-19, com destaque para 2020, que apresentou média mensal de 387,4 ocorrências, período mais recrudescido da pandemia. A principal violência perpetrada foi a lesão corporal dolosa principalmente contra mulheres de 18 a 24 anos, que trabalhavam em casa ou estavam desempregadas. <strong>Conclusão:</strong> Apesar da falta de diferenças expressivas entre os anos pré e pós-pandemia, a análise reforça a urgência de discutir os fatores subjacentes à violência contra a mulher, especialmente a violência doméstica. Destaca-se a importância de medidas preventivas e de apoio às vítimas para enfrentar esse problema social. É essencial promover políticas visando uma sociedade mais segura e igualitária para todas as mulheres.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Violência contra a mulher; Feminicídio; Violência doméstica; COVID-19.</p> Giselle de Melo Belchior , Thalya Lima Evangelista , Thais Vilela de Sousa, Diego da Costa Cardoso, Jaiane de Melo Vilanova, Francidalma Soares Sousa Carvalho Filha, Iel Marciano de Moraes Filho Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33880 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE INTERNAÇÕES POR DOENÇAS INFECCIOSAS E BACTERIANAS EM MENORES DE 5 ANOS, DE 2017 A 2021 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31411 <p><strong>Introdução</strong>: A internação representa um impacto considerável na vida de qualquer pessoa, podendo tomar proporções ainda maiores quando se trata de uma criança. A impossibilidade de realizar sua rotina, como brincar e ir à escola, faz com que a internação infantil assuma um contexto marcante. Dito isso, nota-se que grande parte dessas internações é evitável, sendo denominada de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária (ICSAP). Dessa forma, o atendimento ambulatorial de qualidade poderia resolver a maioria das enfermidades infantis, evitando esse desfecho. <strong>Objetivo</strong>: Elaborar um perfil epidemiológico de internações por doenças infecciosas e bacterianas mais prevalentes em menores de 5 anos, de 2017 a 2021, no Brasil. <strong>Metodologia:</strong> A pesquisa em questão se trata de um estudo ecológico de série temporal, elaborado através de informações coletadas por vias secundárias. Os dados foram coletados na plataforma DataSUS e no Sistema de Informação Hospitalar. Posteriormente, os dados foram processados e armazenados no aplicativo Microsoft Excel®, onde foram tratados e selecionados de acordo com sua relevância para a pesquisa. <strong>Resultados:</strong> Constata-se que a faixa etária situada abaixo do primeiro ano de vida, apresenta um grau de hospitalização superior às crianças que vão do primeiro ao quarto ano completos. Quanto a frequência relativa, depreende-se que diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível apresentaram o maior índice de prevalência em relação às demais patologias, com o maior número chegando a 23,8% no ano de 2017 e o menor situando-se na faixa de 13,22% em 2020. <strong>Conclusões: </strong>Apesar do avanço na Atenção Primária à Saúde e da cobertura pré-natal, a assistência ainda é deficitária, sendo necessários mais investimentos na área e o fomento de políticas públicas que abranjam essa população.</p> Gustavo Nepomuceno Capistrano, Joao Vitor Gomes Guilherme, Raysa Oliveira de Medeiros, Maynard Marcel Alves Pereira de Medeiros, Fábia Barbosa de Andrade Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31411 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 PROPORÇÃO DE CASOS NOSOCOMIAIS DE COVID-19 NO BRASIL: ANÁLISE DE SEUS FATORES ASSOCIADOS EM 1.631.47 REGISTROS DE 2020 A 2022 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34416 <p><strong>Introdução</strong>: Infecções nosocomiais, adquiridas após a internação hospitalar, são o evento adverso mais comum que ameaça a saúde dos pacientes hospitalizados, sendo a pneumonia, incluindo a causada pelo SARS-Cov-2, responsável por mais de 80% das infecções nosocomiais. A pandemia declarada pela OMS em março de 2020 reflete o rápido aumento de casos, impulsionado pela disseminação do vírus através de gotículas e aerossóis. A transmissão nosocomial do SARS-Cov-2 foi observada desde o início do surto em Wuhan, representando um desafio adicional na qualidade de vida dos pacientes. Estudos internacionais em hospitais reportam incidências de infecção nosocomial por COVID-19 entre 11% e 44%. <strong>Objetivo</strong>: Identificar a proporção de infecção nosocomial por SARS-COV-2 no Brasil entre março de 2020 até dezembro de 2022. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de um estudo analítico, retrospectivo, de corte transversal, sobre a proporção de infecção nosocomial por Sars-Cov-2 no Brasil, através de dados secundários oriundos do Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe. No presente estudo a variável dependente analisada foi a proporção de infecção nosocomial por Sars-cov-2. Como variáveis independentes exploratórias foram utilizadas: faixa etária, sexo, comorbidades e macrorregião de residência. <strong>Resultados:</strong> O estudo identificou uma proporção de casos nosocomiais de 2,58%, sendo maior no terceiro ano da pandemia 2022 (5,5%) na região Norte (7,57%), entre os indivíduos de 18-59 anos de idade (6,93%)<strong> Conclusões:</strong> Este estudo sobre casos nosocomiais de COVID-19 no Brasil revela uma proporção de 2,58% entre 2020 e 2022, com associações identificadas em relação à região, idade e comorbidades. Diferenças em relação a estudos internacionais sugerem questões metodológicas específicas. Essa pesquisa é de importância crítica, visto ser de abrangência nacional com grande amplitude, e estabelece uma base sólida para futuros estudos epidemiológicos.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Infecção Nosocomial; COVID-19; Sars-Cov-2; Infecção Associada aos Cuidados de Saúde.</p> Fabrício Perez Ferraz de Mello, Alexandra Crispim Boing Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34416 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ACESSO NA ATENÇÃO BÁSICA EM UMA REGIÃO DE SAÚDE DO RIO GRANDE DO NORTE https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34861 <p><strong>Introdução</strong>: Entre os desafios para se alcançar o cuidado integral está o acesso às unidades básicas, que não ocorre com tanta facilidade como deveria, caracterizando-se como uma grande dificuldade para os gestores municipais. O Programa de Melhoria ao Acesso e Qualidade de Atenção Básica (PMAQ-AB), teve como objetivo incentivar a ampliação do acesso e melhorar a qualidade da atenção básica, garantindo um padrão de qualidade comparável nacionalmente, regionalmente e local de maneira a permitir maior transparência e efetividade das ações governamentais relacionadas a atenção básica. &nbsp;<strong>Objetivo</strong>: Avaliar a qualidade da atenção básica dos municípios da 6ª região de saúde, na perspectiva do acesso aos serviços de saúde. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de uma pesquisa avaliativa, com abordagem quantitativa. Foram utilizados dados secundários extraídos dos relatórios analíticos disponibilizados publicamente. A coleta dos dados ocorreu no período de março a maio de 2020. As informações foram organizadas a partir da elaboração de um protocolo de pesquisa contendo a &nbsp;dimensão: acesso. &nbsp;<strong>Resultados:</strong> Em relação ao acolhimento realizado pela equipe 34 equipes não realizavam classificação de risco e 44 não realizavam acolhimento durante todo o funcionamento, no funcionamento da UBS 14 equipes não funcionavam regularmente, os indicadores de consulta médicas mostram que 18 equipes não apresentaram resultados para os cálculos e não realizavam consultas médicas essenciais, em relação a marcações de consultas 40 equipes não agendavam consultas durante todo o horário e 60 equipes não organizavam filas para distribuir senhas, na organização da agenda 37 equipes não realizava todas as ações essenciais e apenas 9 equipes mostram realizar completamente todos as dimensões analisadas. <strong>Conclusões:</strong> Dentre as fragilidades avaliadas pelos profissionais da UBS estão as relacionadas a marcação de consultas, visto que a equipe organiza filas para a distribuição de senhas e o fato do acolhimento à demanda espontânea não ocorrer durante todo o funcionamento da unidades</p> Ryvea Paarmennedys Fernandes Silva, Marcia Cunha da Silva Pellense Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34861 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 INTERNAÇÕES NA INFÂNCIA POR DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO NO BRASIL DE 2013 A 2022 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31414 <p><strong>Introdução</strong><span style="font-weight: 400;">:</span> <span style="font-weight: 400;">As doenças do sistema respiratório se mostram como uma das causas mais preocupantes de internações&nbsp; hospitalares no país, ficando atrás&nbsp; somente das&nbsp; doenças&nbsp; cardiovasculares</span><span style="font-weight: 400;">. </span><span style="font-weight: 400;">Nessa perspectiva, </span><span style="font-weight: 400;">o perfil das internações por doenças respiratórias em crianças permite observar os parâmetros desta problemática, fornecendo um conhecimento amplo acerca do processo saúde e doença nessa população. </span><strong>Objetivo</strong><span style="font-weight: 400;">:</span><span style="font-weight: 400;"> Analisar o perfil epidemiológico das internações hospitalares por causas do aparelho respiratório em crianças de 0 a 9 anos no Brasil e regiões, entre os anos de 2013 e 2022. </span><strong>Metodologia:</strong><span style="font-weight: 400;"> Trata-se de um estudo ecológico, de tendência temporal, realizado no Brasil, a partir de dados secundários do Sistema de Informações Hospitalares. A população escolhida para este estudo foram crianças de 0 a 9 anos de idade e o seu principal foco é o perfil das internações hospitalares de crianças no Brasil, por doenças respiratórias, nos últimos 10 anos. Os dados foram coletados em 26 de novembro de 2022. As variáveis dependentes do estudo são as internações de crianças de 0 a 9 anos por doenças do aparelho respiratório no Brasil e suas regiões. Já, como variáveis independentes, tem-se o tempo, do período de janeiro de 2013 a setembro de 2022, regiões e faixa etária. </span><strong>Resultados:</strong><span style="font-weight: 400;"> Há uma tendência de queda das internações por causa respiratória até o ano de 2016, seguido de um crescimento gradativo até 2019. Entretanto, em 2020, a taxa de hospitalização reduziu drasticamente em todas as localidades. As regiões Sul, Norte e Centro-Oeste permaneceram com taxas maiores que o Brasil em todo o período estudado. A internação em menores de 1 ano representa o maior quantitativo de internações sendo a pneumonia a causa mais prevalente. </span><strong>Conclusões:</strong><span style="font-weight: 400;"> As taxas de internação infantil por doenças respiratórias representam importante preocupação para saúde pública. Assim, destaca-se a relevância da efetividade da Atenção Primária à Saúde, que possui grande impacto no desfecho dos adoecimentos em crianças, especialmente das doenças respiratórias.</span></p> Ana Luiza Santos Quirino, Ketyllem Tayanne da Silva Costa, Amanda Gomes Lopes Ferreira, Evelin Beatriz Bezerra de Melo, Fábia Barbosa de Andrade Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31414 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 Expediente Volume 10, Número 1, 2024 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/36088 <p>EXPEDIENTE</p> <p><strong>Editora Gerente:</strong>&nbsp;</p> <p>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Profa. Dra. Iris do Céu Clara Costa.</p> <p><strong>Editoras Assistentes:</strong>&nbsp;</p> <p>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Profa. Dra. Fábia Barbosa de Andrade;</p> <p>&nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp; &nbsp;Profa. Dra. Georgia Costa de Araújo Souza.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>RCP </strong><strong>| </strong><strong>Rev. Ciênc. Plural</strong></p> <p><strong>Volume 10, número 1, 2024 </strong></p> <p><strong>https://doi.org/10.21680/2446-7286.2024v10n1</strong></p> Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/36088 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 EVIDÊNCIAS CLÍNICAS DO USO DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/35109 <p><strong>Introdução</strong>: Plantas medicinais e fitoterápicos são tradicionalmente utilizados na cicatrização de diversos tipos de feridas. Muitas plantas contêm compostos bioativos com propriedades anti-inflamatórias, antimicrobianas e cicatrizantes. <strong>Objetivo</strong>: Reunir evidências clínicas do uso de plantas medicinais e fitoterápicos na cicatrização de feridas cutâneas. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de uma revisão integrativa da literatura. Os estudos foram coletados das bases de dados MEDLINE/PubMed e LILACS, utilizando como estratégia de busca os termos ((<em>Wound Healing</em>) ou (<em>Inflammation</em>)) e ((<em>Medicinal Plants</em>) ou (<em>Phytotherapy</em>)) com recorte temporal de 2011 a 2021. <strong>Resultados:</strong> 15 estudos foram incluídos na revisão. A maioria dos estudos foram do tipo ensaio clínico controlado randomizado. Foi investigada a eficácia de 15 espécies medicinais para o tratamento de feridas agudas e crônicas, sendo as mais recorrentes queimaduras de segundo grau, úlceras crônicas e feridas cirúrgicas. As espécies medicinais que apresentaram melhores resultados foram babosa (<em>Aloe vera</em>), centela (<em>Centella asiatica</em>), beldroega (<em>Portulaca oleraceae</em>), <em>Arnebia euchroma</em>, hipérico (<em>Hypericum perforatum</em>) e mil-folhas (<em>Achillea millefolium</em>), melhorando critérios como eritema, edema, tempo de re-epitelização, tempo de cicatrização e a aparência geral da ferida. <strong>Conclusões:</strong> Plantas medicinais e fitoterápicos apresentam eficácia no processo de cicatrização, sendo, portanto, alternativa terapêutica para o tratamento de feridas cutâneas. &nbsp;</p> Talita Évili da Silva, Clara Maria Germano Cidrack do Vale, Teresinha Silva de Brito Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/35109 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 PREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO RELACIONADOS A COMPORTAMENTOS SUICIDAS EM PROFISSIONAIS DO SEXO https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34928 <p><strong>Introdução</strong>: O trabalho sexual consentido é, historicamente, permeado por estigmas, proporcionando a marginalização social de profissionais do sexo e sua maior exposição a fatores de riscos que tendenciam a condutas suicidas. <strong>Objetivo</strong>: Identificar a prevalência e dos fatores de riscos relacionados a comportamentos suicidas em profissionais do sexo, tendo em vista a vulnerabilidade social desse grupo. <strong>Metodologia:</strong> Este estudo é uma revisão integrativa de literatura, determinada a partir da seguinte questão de pesquisa: “Qual a prevalência e os fatores de riscos relacionados a comportamentos suicidas entre profissionais do sexo?”. Em seguida, aplicou os subsequentes Descritores em Ciências da Saúde (<em>DECS</em>): “<em>Suicide” e “Sex workers</em>”, que foram combinados com o operador booleano “<em>AND</em>”, nas plataformas <em>National Library of Medicine</em>, <em>Science Direct</em>, Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Literatura Latino-americana e do Caribe, <em>Scientific Eletronic Library Online</em>, <em>BioMed Central</em>, <em>Business Source Complete</em> e WorldWideScience. Foram selecionados 19 artigos relacionados ao objeto de estudo. <strong>Resultados:</strong> A prevalência de suicídio em profissionais do sexo foi classificada em três categorias: tentativas de suicídio, com predominância de 31,57% (n=6), ideação suicida com 15,78% (n=3) e o risco de suicídio com 5,26% (n=1). Os riscos de comportamentos suicidas foram associados a diversos fatores, sobretudo a violência (47,36%; n=9), depressão (26,31%; n=5) e a pobreza (15,78%; n=3). <strong>Conclusões:</strong> Há uma alta prevalência de comportamentos suicidas em profissionais do sexo que está associada a diversos fatores de riscos, verificando a carência de abordagens comunitárias direcionadas à vulnerabilidade social desse grupo.</p> Maria Rita Pereira de Almeida, Heloisa Roberta Liandro Alves, Ellen Karyne de Sousa Santana, Alana Dias Alves, Nara Maria Holanda de Medeiros, Milena Nunes Alves de Sousa Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34928 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 INTERVENÇÕES TERAPÊUTICAS NÃO FARMACOLÓGICAS PARA O TRATAMENTO DE ÚLCERAS NO PÉ DIABÉTICO: REVISÃO INTEGRATIVA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34669 <p><strong>Introdução</strong><strong>: </strong>As úlceras no pé diabético surgem da interação complexa entre neuropatia periférica e doença arterial periférica, comprometendo a cicatrização após traumas. <strong>Objetivo</strong><strong>: </strong>Explorar a diversidade de intervenções terapêuticas não farmacológicas que têm sido estudadas e avaliadas quanto à sua eficácia e segurança no tratamento de úlceras no pé diabético. <strong>Metodologia</strong>: Pesquisa do tipo revisão integrativa da literatura. Para obtenção dos resultados foi realizado um levantamento nas plataformas PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Para elaboração dos resultados foram selecionados 21 artigos. <strong>Resultados</strong><strong>: </strong>As intervenções encontradas foram oxigenoterapia hiperbárica, terapia de feridas por pressão negativa, uso de matriz dérmica, plasma rico em plaquetas, plasma atmosférico frio, tratamentos com curativos especiais e uso de solas rígidas, entre outros. Mostraram uma variabilidade na taxa de cicatrização e no tempo de fechamento da ferida, bem como na melhoria da regeneração tecidual.<strong> Conclusão: </strong>As pesquisas mostram uma diversidade de intervenções terapêuticas não farmacológicas utilizadas no tratamento de úlceras no pé diabético, ressaltando a necessidade de abordagens individualizadas e mais estudos para determinar a eficácia e segurança de cada intervenção.</p> Wesley Vanderson Vieira Coutinho, Rafaelle Cavalcante de Lira, Elisangela Vilar de Assis Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34669 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 EFEITOS DA FOTOBIOMODULAÇÃO NA REABILITAÇÃO DE PACIENTES COM PATOLOGIAS TRAUMATO-ORTOPÉDICAS: REVISÃO INTEGRATIVA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31518 <p><strong>Introdução</strong>: Fotobiomodulação corresponde à exposição de tecidos biológicos a baixos níveis de luz vermelha e infravermelha, esta terapia favorece a reabilitação de diferentes tecidos e que pode ser utilizada para a melhora da prática clínica nas diferentes atuações da fisioterapia, como por exemplo, no tratamento dos acometimentos musculoesqueléticos e inflamatórios. <strong>Objetivo</strong>: Identificar os benefícios da fotobiomodulação empregados na reabilitação de pacientes nas diferentes patologias traumato-ortopédicas. <strong>Metodologia: </strong>Trata-se de uma revisão integrativa com busca online nas plataformas de dados: <em>Medline </em>e <em>PubMed. </em>Os descritores foram: fotobiomodulação, taumato-ortopedia e reabilitação. As línguas selecionadas foram: Português, Inglês e Espanhol, entre os anos de 2018 a 2022. <strong>Resultados:</strong> A descrição dos achados nos ensaios clínicos analisados mostra que a terapia de fotobiomodulação apresenta diferentes usos na prática clínica e que seu uso produz efeito analgésico, anti-inflamatório e regenerativo nos distúrbios musculoesqueléticos. <strong>Conclusões:</strong> De acordo com a revisão dos artgos, pôde-se perceber que a terapia por fotobiomodulação confirma seus benefícios e eficácia, portando, se fazendo positiva na atuação traumato-ortopédica, gerando resultados significativos quando comparada a outros recursos.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Fotobiomodulação. Traumato-ortopedia. Reabilitação.</p> Érica dos Santos Rodrigues, Letícia Veras Correia, Maria Suelen Fonteles de Oliveira, Mateus Meneses Machado, Quézia Maria da Silva Nascimento, Ana Lúcia Carvalho de Aguiar, Lucas Eduardo Rêgo Carvalho, Maristella de Oliveira Machado Araújo, Sandra Raquel dos Santos Sousa de Lucena, Antônia Mykaele Cordeiro Brandão Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31518 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS E BUCAIS EM PACIENTES USUÁRIOS DE COCAÍNA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/32867 <p><strong>Introdução:</strong> A utilização de cocaína é bastante associada ao surgimento de algumas manifestações sistêmicas e também de algumas alterações orais. <strong>Objetivo:</strong> Identificar as alterações sistêmicas e bucais mais comuns a pacientes usuários de cocaína. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de uma revisão sistemática da literatura, considerando artigos com texto completo, com restrição de idioma em Português ou Inglês e que tenham sido publicados entre os anos de 2017 a 2022. Usou-se as bases de dados LiLaCS, MedLine e BBO, por via portal Biblioteca Virtual de Saúde, e SciELO. Os artigos excluídos foram aqueles que não apresentaram relação explícita do uso de cocaína com alguma manifestação sistêmica e/ou bucal. <strong>Resultados:</strong> Após o processo de triagem, 10 artigos foram salvos para serem analisados e 111 foram descartados por não atenderem aos critérios de inclusão. Dos 10 artigos selecionados, 40% deles (n=4) trouxeram informações identificando possíveis riscos de desenvolvimento de doenças cardiovasculares sofridas pelos usuários de cocaína, 10% (n=1) identificou problemas cognitivos associados ao uso da cocaína, 30% dos artigos (n=3) mostrou as alterações bucais associadas à utilização abusiva de cocaína. <strong>Conclusões:</strong> Houve a predominância de algumas manifestações sistêmicas e bucais nos indivíduos usuários de cocaína, como doenças cardiovasculares, xerostomia, perfurações no palato, etc. A partir disso, há algumas alterações sistêmicas e bucais provocadas por esse uso. Mediante o risco considerável, faz-se necessário que o Cirurgião-Dentista se atualize sobre essas alterações em pacientes usuários de cocaína visando promover um trabalho transdisciplinar e multiprofissional para atender adequadamente às suas necessidades.</p> <p><strong>Palavras-Chave</strong><strong>:</strong> Odontologia; Cocaína; Usuários de drogas; Manifestações; Cirurgião-Dentista.</p> Pedro Henrique Nogueira, Anderson Tomaz Dantas, Isabela Pinheiro Cavalcanti Lima Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/32867 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 FATORES ASSOCIADOS À DEFICIÊNCIA DE VITAMINA D EM GESTANTES E LACTANTES https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31817 <p><strong>Introdução</strong>: A deficiência de vitamina D (DVD) durante a gestação e a lactação pode repercutir negativamente no desenvolvimento fetal e infantil. Devido seu papel fundamental nos sistemas imunológico, cardíaco, ósseo, muscular e neural. <strong>Objetivo</strong>: Realizar uma revisão de literatura para integrar estudos que evidenciam a DVD em gestantes e lactantes, e os fatores de risco associados a essa carência. <strong>Metodologia:</strong> Foi realizado um levantamento bibliográfico entre agosto e outubro de 2021, com atualização entre outubro e novembro de 2022 através de pesquisas às bases Pubmed e Scielo, bem como às listas de referências dos artigos selecionados. Foram empregados os descritores&nbsp;consumo alimentar, vitamina D, deficiência de vitamina D, gestantes e lactantes, usando-se o operador booleano AND para a associação entre eles. Como critérios de inclusão foram adotados o tipo de estudo (epidemiológicos, ensaios clínicos e revisões integrativa e sistemática), o idioma (espanhol, inglês e português) e o período de publicação (2010 a 2022). <strong>Resultados: </strong><strong>:</strong> Evidenciou-se que existem vários fatores de riscos para a inadequação do status de vitamina D em gestantes e lactantes como a baixa exposição da pele à luz solar e fatores relacionados (uso excessivo de protetor solar, menor tempo de atividades ao ar livre, clima, religião e hábitos culturais, maior escolaridade), a pigmentação mais escura da pele, o baixo consumo alimentar de vitamina D e variáveis associadas menor idade materna, primeiro trimestre gestacional, primiparidade e o excesso de tecido adiposo. <strong>Conclusões:</strong> Em&nbsp;gestantes e lactantes, a carência de vitamina D associa-se a distintos fatores, com destaque principalmente a baixa exposição à luz solar, a pigmentação mais escura da pele, e o excesso de tecido adiposo, sendo de extrema importância que sejam abordados com cautela, influenciando na redução da hipovitaminose D nestes grupos.</p> Luanna Kássia Sousa de Lucena, Danielle Soares Bezerra Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31817 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E TRANSTORNO DESAFIANTE DE OPOSIÇÃO: DIFICULDADES NO DIAGNÓSTICO https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31807 <p><strong>Introdução</strong>: O Transtorno do Espectro Autista (TEA) e Transtorno Desafiante de Oposição (TDO), são desordens comumente diagnosticadas em indivíduos ainda na infância. <strong>Objetivo</strong>: Responder a problemática de quais os fatores que podem dificultar no diagnóstico do TEA e TDO, seja de maneira distinta ou concomitante. <strong>Metodologia:</strong> Foi realizada uma revisão integrativa da literatura, a qual selecionou artigos nas bases de dados científicos. <strong>Resultados:</strong> Oito artigos foram selecionados para extração de dados. Esses estudos apontaram que o TEA é constantemente associado a outros transtornos (Deficiência intelectual e Transtornos da Linguagem), da mesma forma que o TDO (especialmente ao TDAH e Transtorno de Conduta). Porém, pouco se tem na literatura artigos que discutam a respeito desses transtornos de maneira concomitante. Além disso, a maioria dos estudos destacam os prejuízos na área da comunicação, sendo um possível desencadeador dos comportamentos disruptivos presentes em ambos os transtornos, podendo ser esse objeto de estudos posteriores. <strong>Conclusões:</strong> O número de pesquisas já realizadas relacionadas aos transtornos citados acima é inferior ao que se faz necessário para melhor conhecimento sobre o tema. No que diz respeito as pesquisas de materiais científicos, foram encontradas dificuldades para obtenção de estudos que estivessem de acordo com a nossa pesquisa. Com isso, faz-se necessário mais pesquisas que tentem investigar e compreender o porquê da escassez de material que estudem o TEA e TDO de maneira concomitante.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Transtorno do Espectro Autista. Autismo. Transtorno Desafiante de Oposição. Diagnóstico.</p> Miguel Ferreira Júnior, Edcleia Santos Angelo da Silva, Danilo de Freitas Araújo, Renata Figueiredo Anomal Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31807 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO PARA INDIVÍDUOS COM ENXAQUECA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31118 <p><strong>Introdução</strong><span style="font-weight: 400;">:</span><span style="font-weight: 400;"> As cefaleias são consideradas um importante problema de saúde pública e estima-se que são a segunda queixa mais comum de dor, sendo a enxaqueca uma das mais presentes. O tratamento da enxaqueca pode ser sintomático ou profilático, a fim de reduzir os sintomas em períodos de crise e evitar que novas crises se instalem, destacando a importância da adoção de hábitos saudáveis e uma alimentação equilibrada.</span><strong> Objetivo:</strong><span style="font-weight: 400;"> O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão integrativa da literatura, destacando os principais achados sobre a importância da alimentação e nutrição para indivíduos acometidos pela enxaqueca. </span><strong>Metodologia:</strong><span style="font-weight: 400;"> foi realizado um levantamento de estudos nas bases de dados: Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); Medline, LILACS, SciELO e Google Acadêmico, além de ter sido considerada a lista de referências dos trabalhos consultados, utilizando a estratégia PECO, onde P (population) indica a população, a letra E (exposure) exposição, C (comparison) comparação e a letra O (outcome) se refere aos desfechos esperados, assim gerou a pergunta norteadora do estudo: “Qual é a importância da alimentação e nutrição para indivíduos com enxaqueca?”.</span><strong> Resultados:</strong><span style="font-weight: 400;"> Foram selecionados 10 estudos para a produção do presente trabalho e foi realizada uma síntese descritiva dos resultados obtidos da relação e influência de hábitos alimentares com a enxaqueca. </span><strong>Conclusões:</strong><span style="font-weight: 400;"> Conclui-se que os hábitos alimentares e a nutrição adequada têm grande influência e importância para indivíduos com enxaqueca, pois dessa forma, podem reduzir os sintomas apresentados e crises, já que as substâncias presentes nos alimentos estão relacionadas com o início e intensificação das crises.</span></p> Ellen Cristina Silva, Daline Fernandes de Souza Araújo , Manuela Alves da Cunha, Danielle Soares Bezerra, Vanessa Teixeira de Lima Oliveira Copyright (c) 2023 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31118 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 RESULTADOS DA MOBILIZAÇÃO PRECOCE SOBRE AS REPERCUSSÕES CLÍNICAS E FUNCIONAIS DE CIRURGIAS TORÁCICAS: REVISÃO INTEGRATIVA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31496 <p><strong>Introdução</strong>: O período de internação os pacientes passam por um longo período de imobilização no leito, acompanhada de complicações e comorbidades que podem ocorrer no período pós-operatório. A fisioterapia aturará prevenindo os efeitos da imobilidade no leito, além de melhorar a independência funcional do paciente<strong>. </strong><strong>Objetivo</strong>: Diante o exposto, o objetivo desse estudo é analisar as repercussões clínicas e funcionais da reabilitação precoce em pacientes submetidos à cirurgia torácica. <strong>Metodologia:</strong> Trata-se de uma revisão sistemática. Critérios de inclusão: ensaios clínicos randomizados, artigos completos, dos idiomas português, inglês e espanhol, publicados entre 2012 e 2022. Critérios de exclusão: protocolos de ensaios, ensaios não finalizados, estudos inferiores ao ano de 2012 e outras línguas. Descritores: Cirurgia torácica; Deambulação precoce; Modalidades de Fisioterapia. Com seus respectivos termos na língua inglesa. <strong>Resultados:</strong> Foram encontrados 51 artigos. Com os critérios estabelecidos foram selecionados 06 artigos. Os estudos dos autores avaliados se mostraram benéficos para a terapia de deambulação precoce combinada e exercícios. <strong>Conclusões:</strong> Os achados resultam na minimização das alterações de fluxo e volume pulmonar, otimização da mecânica do movimento tóraco-abdominal e aumento da amplitude do movimento dos músculos respiratórios, facilitando a reexpansão pulmonar e melhorando os<br>parâmetros de função pulmonar.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Cirurgia torácica. Deambulação precoce. Modalidades de Fisioterapia.</p> Érica dos Santos Rodrigues, Maria Suelen Fonteles de Oliveira, Letícia Veras Correia, Mateus Meneses Machado, Quézia Maria da Silva Nascimento, Ana Lúcia Carvalho de Aguiar, Lucas Eduardo Rêgo Carvalho, Isaura de Sousa Almeida , Maristella de Oliveira Machado Araújo , Antonia Mykaele Cordeiro Brandão Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31496 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 DO ORAL ANTISEPTICS USED IN THE DENTAL ROUTINE HAVE ANTI-VIRAL EFFICACY? A SYSTEMATIC REVIEW OF IN VITRO STUDIES https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34126 <p><strong>Introduction</strong>: Mouthwashes play an important role in the dental clinic, but their role on viruses requires investigation. <strong>Objective</strong>: to review in vitro studies to identify the effect of different mouthwashes on the main viruses associated with routine dental care. <strong>Methodology</strong><strong>:</strong> The following databases were searched in September 2023: PubMed, Embase, Scopus and Web of Science databases; the Cochrane Library and the Virtual Health Library (VHL); and grey literature. In vitro studies that used mouthwashes to reduce the viral load were selected. The PICOS strategy was considered to define eligibility criteria: the Population (viruses involved in the etiology of oral infection), the Intervention (oral antiseptics), the appropriate comparator (positive and negative controls), the Outcomes of interest (reduction of viral load) and the Study design (in vitro studies). <strong>Results</strong><strong>:</strong> Considering the eligibility criteria, 19 articles were included in this review. The efficacy of povidone-iodine (PVP-I), chlorhexidine, Listerine®, essential oils, and cetylpyridinium chloride (CPC) rinses were investigated. PVP-I (0.23%) had its effects mainly associated with coronaviruses SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome), demonstrating a significant reduction in viral load after 15 seconds of exposure. Chlorhexidine (0.05%; 0.1% and 0.5%) was ineffective against adenovirus, poliovirus, and rhinovirus respiratory viruses. Listerine® demonstrated superior efficacy against HSV-1 and 2 viruses and influenza A, and cetylpyridine chloride also demonstrated virucidal activity against influenza A. <strong>Conclusions</strong><strong>:</strong> The type, concentration, and time of exposure to antiseptics varied between studies. PVP-I and chlorhexidine digluconate were the most studied substances, but in general, PVP-I was more effective in reducing viral titers, especially concerning coronaviruses. Other antiseptics such as CPC, H2O2 and Listerine® have also shown significant reduction in viral load, but this is a limited number of studies.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Mouthwashes; Virus; Infection Control; Antiviral Agents.</p> Jaiane Carmélia Monteiro Viana, Guilherme Carlos Beiruth Freire, Carlos Eduardo de Paiva Campos Nogueira Simão, Rayanne Karina Silva Cruz, Bruno César de Vasconcelos Gurgel Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34126 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 DEMANDAS DE CUIDADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA EM UMA REGIÃO DE ACESSO REMOTO https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34541 <p><strong>Introdução</strong>: O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma condição neuropsiquiátrica complexa que afeta o desenvolvimento da comunicação, da interação social e do comportamento das crianças. <strong>Objetivo</strong>: Relatar a experiência de atendimentos nutricionais e as principais demandas identificadas de crianças com transtorno do espectro autista em uma região de acesso remoto. <strong>Metodologia:</strong> Este estudo adotou uma abordagem descritiva, especificamente do tipo relato de experiência a partir dos atendimentos realizados pela Liga Acadêmica de Nutrição e Saúde Coletiva. <strong>Resultados:</strong> Foi observado que a seletividade alimentar, os distúrbios gastrointestinais e o excesso de peso são desafios comuns enfrentados pelas crianças com TEA nessa região. Aspectos que se tornam ainda mais desafiadores frente à dificuldade de acesso a tratamentos especializados, ainda mais no âmbito interdisciplinar e multiprofissional. <strong>Conclusões:</strong> O acompanhamento nutricional adequado é essencial para atender às necessidades individuais e melhorar a qualidade de vida dessas crianças. Diante das limitações identificadas na região, são necessários esforços contínuos para encontrar soluções que garantam uma assistência inclusiva e eficaz às crianças com TEA no interior do Amazonas. A colaboração entre instituições, a sensibilização da comunidade e o fortalecimento da rede de saúde local são cruciais para promover uma abordagem abrangente e de alta qualidade para essas crianças e suas famílias.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Transtorno do Espectro Autista, atendimento nutricional, abordagem interdisciplinar, interior do Amazonas, desafios.</p> Eliane Araújo de Azevedo, Amanda Forster Lopes Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34541 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 AÇÃO DE PREVENÇÃO E COMBATE À HIPERTENSÃO ARTERIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EM UMA LIGA ACADÊMICA DE MEDICINA https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34770 <p><strong>Introdução</strong>: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma das doenças crônicas de maior prevalência no Brasil, sendo essa, junto a outras doenças crônicas, o focoda atenção das unidades primárias de saúde.&nbsp; Desta maneira atividades de educação em saúde relacionadas à prevenção e combate à HAS são de grande importância para reduzir a incidência dessa doença na população. <strong>Objetivo</strong>: Nesse sentido, o presente relato possui uma abordagem qualitativa descritiva exploratória, de uma experiência dos membros de uma liga acadêmica de medicina de uma universidade no Sul de Santa Catarina. <strong>Metodologia:</strong> A abordagem do público se deu através de um projeto social no ambulatório de especialidades médicas da universidade. Nesse projeto, foram distribuídos folders com informações importantes sobre hipertensão além de outras ações, como: esclarecimento de duvidas, distribuição de mudas frutíferas e frutas, aferições de pressão arterial, encaminhamentos para consultas com clínico geral e nutricionista. <strong>Resultados:</strong> A maioria das pressões arteriais aferidas estava dentro da normalidade, no entanto foram identificados alguns casos de pré-hipertensão e hipertensão ainda não diagnosticados, além de casos em que a pressão arterial estava descompensada mesmo com tratamento farmacológico, incluindo um caso de crise hipertensiva. <strong>Conclusões:</strong> Conclui-se então, que é necessária a conscientização e educação em saúde das pessoas a respeito do que é a HAS e principalmente como ter uma rotina adequada para a manutenção de uma vida saudável.</p> Helena Meurer Heidemann, Heitor Fernandes Rosa Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34770 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 CALÇADA AMIGA: DIALOGANDO COM A COMUNIDADE SOBRE A HIPERTENSÃO ARTERIAL E O DIABETES MELLITUS NO TERRITÓRIO https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31605 <p><strong>Introdução: </strong><span style="font-weight: 400;">As Doenças Crônicas não Transmissíveis constituem-se em um grande desafio de saúde pública. Dentro deste grupo, a Hipertensão Arterial e o Diabetes Mellitus merecem destaque, pois seu enfrentamento requer bastante dos serviços de saúde. Na realidade da Atenção Básica, tem-se destaque para as atividades educativas, em especial para a Educação Popular em Saúde, onde se enquadra a Calçada Amiga. </span><strong>Objetivo: </strong><span style="font-weight: 400;">Abordar a experiência da atividade de educação popular em saúde intitulada “Calçada Amiga” como instrumento de proteção, prevenção e promoção da saúde na Hipertensão Arterial e no Diabetes Mellitus em um serviço de Atenção Primária à Saúde do município de Mossoró/RN. </span><strong>Metodologia: </strong><span style="font-weight: 400;">Trata-se de um relato de Experiência de uma atividade de educação popular em saúde desenvolvida no território de uma Unidade Básica de Saúde do Município de Mossoró/RN durante o ano de 2022.</span><strong> Resultados e Discussão: </strong><span style="font-weight: 400;">Foram realizadas 13 ações. Sobre a Hipertensão Arterial e o Diabetes Mellitus, notou-se uma certa dificuldade na adesão do tratamento, com relatos tanto na prática do exercício físico quanto na alimentação adequada, além do uso das medicações. Ainda sobre as dificuldades na adesão, muitos deles afirmavam uma subutilização dos serviços de saúde, em especial a UBS. Foi possível observar a validade da Educação Popular em Saúde por meio de afirmações de avaliação positiva sobre o método adotado para as atividades, com boa aceitação, frequência e retorno da comunidade. </span><strong>Conclusões: </strong><span style="font-weight: 400;">A atividade permitiu o fortalecimento do vínculo entre a Unidade Básica de Saúde e a comunidade por meio da imersão no território com momentos de diálogos horizontais e escuta ativa, facilitando a compreensão por parte dos profissionais sobre a realidade dos sujeitos assistidos no serviço. Para a comunidade, permitiu um momento de fala e escuta, expressando seus anseios, medos e dificuldades sobre as condições, tornando-se ativa no processo de saúde/doença.</span></p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong><span style="font-weight: 400;"> Educação em Saúde, Hipertensão Arterial Sistêmica, Diabetes Mellitus, Atenção Básica de Saúde.</span></p> Adauto Vinicius Morais Calado, Maria Laudinete de Menezes Oliveira Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/31605 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 RELATO DE CASO CLÍNICO DE INFECÇÃO ODONTOGÊNICA RESULTANDO EM COMPLICAÇÃO CERVICOFACIAL https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34798 <p><strong>Introdução</strong>: A saúde bucal é um aspecto que não deve ser subestimado pelos pacientes, principalmente se considerar que as infecções odontogênicas podem levar a quadros graves, incluindo complicações cervicotorácicas, como Mediastinite e cervicofaciais, como Angina de Ludwig. Para tanto, é imprescindível que os profissionais da odontologia saibam reconhecer os principais sinais e sintomas dessas infecções, sua evolução, conhecer as complicações associadas e qual o manejo adequado. <strong>Objetivo</strong>: Assim, é objetivo deste trabalho, relatar, discutir um caso clínico de uma infecção odontogênica grave que acarretou em complicação cervical, com trajeto em direção ao mediastino, necessitando manejo multidisciplinar, e explorar os principais aspectos desse quadro e a conduta necessária, que exige, no mínimo, intervenção cirúrgica, antibioticoterapia e manutenção das vias aéreas. <strong>Relato de caso:</strong> O caso trata de um paciente com infecção odontogênica, iniciada como uma pericoronarite do dente 38 semieruptado, que evoluiu para a área cervical, demandando imediata drenagem nesta região pois encaminhava-se para uma mediastinite. Após a drenagem cervical e antibioticoterapia e, assim que houve redução do trismo, foi removido o dente 38, evoluindo para a cura. <strong>Conclusões:</strong> As infecções odontogênicas, principalmente as que acometem os espaços fasciais e cervicais profundos, são potencialmente graves e devem ter suas principais manifestações clínicas entre os domínios de conhecimento dos profissionais Bucomaxilofaciais, pois necessitam de diagnóstico preciso, manejo rápido e tratamento adequado e precoce, considerando a velocidade com que podem evoluir.</p> <p><strong>Palavras-Chave:</strong> Controle de infecções dentárias; Drenagem; Angina de Ludwig; Mediastinite; Relato de caso.</p> Taynã Cavalcanti de Paiva, Marcos Antonio Torriani Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34798 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 INFILTRAÇÃO RESINOSA EM LESÕES BRANCAS CARIOSAS E NÃO CARIOSAS: RELATO DE CASOS https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34213 <p><strong>Introdução</strong>: O processo de desmineralização proveniente da cárie leva à formação de manchas brancas que são a primeira manifestação visível da doença. Os infiltrantes resinosos surgem como uma alternativa para o tratamento dessas lesões não cavitadas, pois são resinas de baixa viscosidade e faz parte dos procedimentos que visam uma odontologia menos invasiva. <strong>Objetivo</strong>: Este estudo objetiva relatar a experiência clínica no uso de infiltrante resinoso (Icon) em lesões de mancha branca de etiologias cariosa e não cariosa em dois pacientes distintos, insatisfeitos com a estética do seu sorriso. <strong>Descrição do caso:</strong> Ao exame clínico foi observado nos pacientes lesões brancas. No primeiro paciente (14 anos) verificou-se a presença da atividade de cárie e micro cavitações. Dessa forma, o plano de tratamento perpassou orientação de higiene oral supervisionada, aplicação de verniz fluoretado (Enamelast) semanal, adequação do meio com restaurações em resina, e só então o uso do infiltrante. A segunda paciente (11 anos) já possuía saúde bucal adequada e tinha queixa estética devido à lesão branca não cariosa (hipoplasia), cujo plano de tratamento foi à utilização do Icon apenas. <strong>Conclusões:</strong> Nos dois casos obteve-se melhoria estética considerável com este procedimento microinvasivo. Melhoria na saúde bucal, aliado à devolução da estética, pode ser observada com o uso de infiltrantes resinosos.</p> Isabela Dantas Torres de Araújo, Anna Cecília de Medeiros Lira Câmara, Isauremi Vieira de Assunção Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/34213 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300 REANATOMIZAÇÃO ESTÉTICA DOS DENTES ANTERIORES COM RESINA COMPOSTA: RELATO DE CASO https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33662 <p><strong>Introdução</strong>: A alta busca por tratamentos estéticos levou a indústria odontológica a aprimorar suas técnicas e desenvolver materiais com novas características que possibilitam a mimetização da estrutura dental, associando alta qualidade estética à saúde. Para isso, é necessário uma anamnese detalhada e exame físico intra e extrabucal, análise morfológica dos dentes e da face, para que a reabilitação proposta seja adequada. <strong>Objetivo</strong>: O objetivo deste estudo é descrever um caso clínico de reanatomização dos elementos dentais anteriores superiores, por meio de restaurações diretas em resina composta, restabelecendo a estética e função da paciente. <strong>Relato de caso</strong>: Paciente do sexo feminino, 19 anos, procurou a Clínica Escola da Faculdade de Odontologia do Recife - FOR relatando insatisfação com seu sorriso e declarou não estar disposta a se submeter a um tratamento ortodôntico. Ao realizar o exame clínico, observou-se que havia desalinhamento dos elementos dentários ântero-superiores. Após a realização do enceramento diagnóstico e validação da mesma através do <em>mockup</em> com resina bisacrílica, optou-se por realizar a reanatomização estética com resina composta nanohíbrida, de forma conservadora, ou seja, sem desgastar os dentes em questão. <strong>Conclusão:</strong> As etapas do planejamento foram fundamentais para maior previsibilidade e obtenção do excelente resultados. Os materiais e técnicas selecionados para realização dos procedimentos aliaram características de resistência e estética, visando maior longevidade.</p> Carolina Feitosa Chianca Bessa, Márcia de Almeida Durão Copyright (c) 2024 Revista Ciência Plural https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/33662 Mon, 29 Apr 2024 00:00:00 -0300