https://periodicos.ufrn.br/rerut/issue/feed Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho 2020-08-01T05:19:32+00:00 Wiliam E. N. Pereira wenpereira2014@gmail.com Open Journal Systems <p style="margin: 0px;">A<strong> Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho (RERUT) </strong>foi criada&nbsp; pelo&nbsp; Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade (GEPETIS) do Mestrado em economia da Universidade&nbsp; Federal do Rio Grande do Norte.&nbsp; A revista se propõe&nbsp; publicar artigos, ensaios e trabalhos que contribuam para o debate acadêmico nas diversas áreas de interesse da economia, em especial, o espaço, a região, o urbano, o trabalho, a inovação e a sustentabilidade.</p> <p>ISSN: 2316-5235</p> https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/21965 EDITORIAL - ASPECTOS ESTILIZADOS SOBRE TRABALHO E O DESENVOLVIMENTO 2020-07-30T01:49:54+00:00 Ana Cristina Santos Morais crystynamorays@gmail.com 2020-07-29T19:26:25+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/20340 ANÁLISE ATUAL DAS TRAJETÓRIAS OCUPACIONAIS DE TRABALHADORES INFORMAIS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELÉM DO PARÁ (2018) 2020-07-30T01:49:59+00:00 José Raimundo Barreto Trindade rtrindade@uol.com.br Carla Caroline Barisão de Souza carol_barisao@yahoo.com.br <p>A análise das trajetórias ocupacionais de trabalhadores informais constitui uma tarefa fundamental para compreensão das alterações pelas quais o Brasil passa, inclusive considerando a nova realidade que emerge desde as profundas alterações legais, econômicas e sociais ocorridas nos últimos três anos. Os trabalhadores aqui enfocados fazem parte do contingente de força de trabalho informalmente empregada na construção civil, segmento importante da economia brasileira e local.&nbsp; A pesquisa de campo ocorreu nos meses de setembro e outubro de 2018 em que foram entrevistados 03 (três) trabalhadores homens em suas residências, que aceitaram participar da pesquisa, conforme termo de esclarecimento, assinado por ambas as partes, pesquisador e entrevistado. A questão central que norteou a pesquisa foi: quem são como vivem e o que pensam os trabalhadores informais da construção civil da periferia de Belém? Com base nas entrevistas foi possível estabelecer alguns parâmetros de análise: i) os entrevistados são unânimes em afirmar que as condições de trabalho nas empresas, ou seja, quando os mesmos estiveram empregados formalmente, são muito precárias e não apresentam “vantagens” ao emprego informal, exceto quanto aos aspectos de intermediação e, em alguns casos, a garantia do pagamento do INSS; ii) não há, pelo menos a partir da história de vida dos entrevistados, barreiras técnicas entre a construção civil formal e informal, o que nos remete a duas ordens de questões: primeiro, a baixa tecnicidade da construção civil brasileira ou pelo menos paraense e; segundo, a formação e qualificação dos trabalhadores se dá em grande medida pelo processo de autoaprendizagem; iii) o grau de intensidade no trabalho constitui o ponto central da diferenciação entre um “regime formal ou quase formal” e o “regime informal de trabalho”, porém em ambos os casos as jornadas são superiores as 40 horas semanais tomadas como padrão médio e legal ainda vigente no país.</p> 2020-07-29T02:38:53+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/20333 EFICIÊNCIA NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA DOS MUNICÍPIOS POTIGUARES 2020-07-30T14:33:32+00:00 Manoel Dantas das Chagas Neto manoeldantas100@hotmail.com Francisco Danilo da Silva Ferreira ffdanilloferreira@gmail.com José Antônio Nunes de Souza joseantonio@uern.br <p>O objetivo deste trabalho foi verificar o desempenho tributário dos municípios do Estado do Rio Grande do Norte no período de 2002 a 2016. Metodologicamente, estimou-se a Fronteira Estocástica de Produção de Impostos, desenvolvida por Battese (1992). Realizou-se uma análise descritiva, comparando a taxa de crescimento das receitas próprias com as taxas de crescimento do FPM e PIB setorial. Após a estimação do modelo econométrico, observou-se que a variável população e o PIB de serviços impactaram de forma positiva sobre as receitas. Por outro lado, o FPM gerou ineficiência na arrecadação própria, causando um efeito “Preguiça Fiscal” nas receitas.</p> 2020-07-29T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/21140 DIFERENCIAL DE RENDIMENTOS POR NÍVEL DE ESCOLARIDADE ENTRE HOMENS E MULHERES NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PRIMEIROS TRIMESTRES DE 2012, 2015 E 2019 2020-07-30T14:38:20+00:00 Danyelle Faria de Jesus danyelle_1992@hotmail.com Ana Márcia Rodrigues da Silva anamarciarodrigues@gmail.com Otávio Junio Faria Neves otavionevescg@hotmail.com <p>O nível de escolaridade das mulheres tem crescido com o passar dos anos. Paralelamente a isso, elas têm aumentado sua inserção no mercado de trabalho. Diante disso, o presente trabalho tem como objetivo analisar o diferencial de rendimentos entre homens e mulheres nos primeiros trimestres de 2012, 2015 e 2019. Para tanto, foram utilizados dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua dos trimestres mencionados. A metodologia do trabalho foi elaborada por meio de estatísticas descritivas e através de uma regressão, com aplicação de uma equação minceriana. Os dados permitiram concluir que os homens ainda auferem uma renda maior que as mulheres, mesmo elas sendo mais escolarizadas, mas essa diferença salarial dos sexos tem diminuído nos trimestres analisados. Isso mostra que mesmo no período atual as mulheres sofrem discriminação no mercado de trabalho.</p> 2020-07-29T02:10:39+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/21277 INDÚSTRIA DE CELULOSE NO MUNICÍPIO DE MUCURI – BAHIA: PANORAMA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E USO DO SOLO 2020-07-30T01:50:01+00:00 RIVANNA MARIA FIGUEREDO DE MATOS rivanna.fm@gmail.com <p>O município de Mucuri, localizado no Extremo Sul da Bahia, se destaca na silvicultura para a produção de celulose e desde o fim da década de 1980, abriga um complexo agroindustrial que integra o cultivo de eucalipto à unidade industrial, conduzindo um processo de especialização produtiva, modernização no campo e urbanização. Nesse sentido, presente estudo apresenta um panorama das transformações no uso e cobertura do solo e os aspectos socioeconômicos no município de Mucuri – Bahia. É apresentada a situação do território no período anterior e posterior à implantação da agroindústria, utilizando plataformas de geoprocessamento e bases de dados socioeconômicos. O estudo permite verificar o uso e cobertura do solo determinado predominantemente pela indústria de celulose, assim como a forte hegemonia do setor como determinante da estrutura socioeconômica local.</p> <p>&nbsp;</p> 2020-07-29T02:49:16+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/21830 EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS SOLIDÁRIOS COMO ALTERNATIVAS DE DESENVOLVIMENTO: MAPEAMENTO DE AÇÕES PRESENTES NO MÉDIO SERTÃO PARAIBANO 2020-08-01T05:19:32+00:00 Eunice Ferreira Carvalho elocarvalho12@gmail.com Francisca dos Santos Lopes nenninhasantos@gmail.com Cícera Roberta Mendes dos Santos cicerarobertamendes@gmail.com Thays Santana dos Santos Nascimento thayssantanasn@gmail.com Lucas Andrade de Morais lucasmorais7@gamil.com <p>Diante as muitas transformações do sistema capitalista produtivo, ocasionados pela crescente demanda do consumo, tem-se que a Economia Solidária vem se confirmando nas últimas décadas como importante caminho para mudança econômica e social pelo mundo. Nisso, o presente estudo voltou-se a mapear os empreendimentos econômicos solidários existentes, de modo particular na região do médio Sertão paraibano brasileiro, analisar os benefícios destes para as comunidades locais e para o seu desenvolvimento, bem como identificar os incentivos da gestão pública municipal/estadual voltados ao fomento desses EES. Para tanto, adotou-se a pesquisa qualitativa descritiva, documental e de estudo de campo, onde foram analisados dados da região do Sertão e observados empreendimentos localizados nessa área. O resultado demonstrou que, a região apresenta uma diversidade de atividades econômicas solidárias, espalhadas pelas várias cidades que a compõem, sendo que estes empreendimentos se configuram como importante fonte de renda e inclusão social, e que falta o apoio dos gestores públicos para ajudar a solucionar os desafios impostos a esses empreendedores. Conclui-se, portanto, que a Economia Solidária juntamente com seus empreendimentos solidários e empreendedores envolvidos, embora esteja tendo maior visibilidade na atualidade, e se confirmando como caminho para o desenvolvimento local, ainda necessita de incentivos de políticas públicas, para que de fato se constitua como meio viável de produção, e contribuía de modo ainda mais expressivo para a construção de uma sociedade justa e solidária.</p> 2020-07-29T18:58:21+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/21592 MODELOS ASSOCIATIVISTAS DE GESTÃO DE SANEAMENTO RURAL 2020-07-30T01:50:02+00:00 Marcelo Ximenes Teles da Roza marceloximenes451@hotmail.com Jamile Amorim Araújo jamile.milinha14@gmail.com <p>Os investimentos em saneamento básico, no Brasil, historicamente foram concentrados nos grandes centros urbanos. Deixando grande parte da população rural e dos pequenos municípios, sem acesso aos serviços públicos. Superar o passivo acumulado em saneamento rural, levando em consideração as especificidades desses territórios é o grande desafio das políticas públicas na área de saneamento. Desse modo o objetivo geral da pesquisa é fazer uma discussão sobre o saneamento básico rural no Brasil e de forma mais especifica deseja-se apresentar um modelo de gestão dos recursos hídricos e saneamento rural pautado no associativismo e na autogestão, tendo como foco o SISAR (Sistema Integrado de Saneamento Rural) aplicado com êxito e reconhecimento no Estado do Ceará.</p> 2020-07-29T19:06:04+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/21566 A REINVENÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO EM TEMPOS DE CRISE: AUTONOMIA E PRECARIEDADE 2020-07-30T02:34:55+00:00 Rejane Gomes Carvalho rejanegcarvalho@yahoo.com.br <p>Neste artigo discute-se o processo de flexibilização do trabalho e as novas formas de submissão e exploração que reproduzem trabalhadores livres, precários e passivos. O avanço da tecnologia e do sistema de informação vem reforçar a individualização e racionalização do trabalho humano, recriando e ressignificando o lugar do trabalho na vida social. O aumento das ocupações por conta própria, a informalidade do trabalho e o crescimento dos microempreendedores individuais, expressam as condições estruturais de um ambiente econômico em transformação que tende a desenvolver atividades com características de trabalho precário, gerando baixas remunerações e ausência de direitos pelo trabalho, fatores que contribuem para a preservação e reprodução da pobreza e das desigualdades.</p> 2020-07-29T19:10:11+00:00 Copyright (c) 2020 Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho