[1]
R. Cavalcanti, “A INSIGNIFICÂNCIA DA POSITIVAÇÃO DO PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA”, RT, vol. 1, nº 1, p. 39-49, jan. 2015.