AGROBIODIVERSIDADE E A CULTURA EM TERRITÓRIO QUILOMBOLA NOS MUNICÍPIOS DE TAVARES E MOSTARDAS NO RS

Autores

  • Anderson Martha Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.21680/2177-8396.2023v35n2ID22430

Resumo

O objetivo desse trabalho foi avaliar questão quilombola vem sendo debatida há tempos o qual se vez inúmeros trabalhos sobre o território negro e sua forma de resistência, mas pouco sobre a cultura da manutenção de suas sementes crioulas e seus significados, suas estratégias desenvolvidas para manter sua autonomia, não unicamente econômica, mas também pela tomada de decisões, pelas cosmovissões que suas sementes transmitem aos seus agricultores. O termo agricultores (as) guardiões (ãs) de sementes crioulas é uma vertente questionadora do modelo dominante valorizando e re-significando o valor da semente crioula. Nesse sentido, as famílias guardiãs quilombolas, dotados de uma rica diversidade cultural manipulam de forma diferenciadas um número considerável de sementes crioulas o que vem possibilitando a manutenção uso e valorização de diferentes espécies e variedades de sementes.

Palavras-chaves: Cultura, Agroecologia, Tradição. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

22-12-2023

Como Citar

MARTHA, A. AGROBIODIVERSIDADE E A CULTURA EM TERRITÓRIO QUILOMBOLA NOS MUNICÍPIOS DE TAVARES E MOSTARDAS NO RS. Sociedade e Território, [S. l.], v. 35, n. 2, 2023. DOI: 10.21680/2177-8396.2023v35n2ID22430. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/sociedadeeterritorio/article/view/22430. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS