O Amor Solitário no Mundo Virtual

Influências do Capitalismo nas Relações Afetivas Contemporâneas

Palavras-chave: relações, capitalismo, contemporanêo, amor

Resumo

A sociedade atual é marcada pelo capitalismo artista (LIPOVETSKY e SERRO, 2015) que captura o imaginário do sujeito através de símbolos e imagens ideais. Ao transformar emoções, desejos e sensações em mercadorias vendidas em lotes, o capitalismo artista está intimamente ligado com o aumento do mal-estar nos sujeitos contemporâneos. No que diz respeito aos laços amorosos na pós-modernidade, fruto de análises de autores como BAUMAN (2005), COSTA (1998), GIDDENS (1993), já não estamos mais sob o império hegemônico do amor romântico, nem podemos ser explicados apenas como produtores de um amor líquido. Neste artigo, propomos o termo “amor solitário” para tentar exemplificar as influências do capitalismo artista na produção do ideal amoroso na contemporaneidade. Fruto do individualismo exacerbado e do narcisismo extremo provocado pelo mercado, o amor solitário é o amor que se sente sozinho, em desamparo, sem conseguir estabelecer o vínculo que se espera.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Allyson Darlan Moreira da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Jornalista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, mestre pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia, doutorando em Ciências Sociais (PPgCS/UFRN) e membro do Núcleo Interdisciplinar Tirésias/UFRN.
Kelvis Leandro do Nascimento, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Publicado
10-08-2021
Como Citar
MOREIRA DA SILVA, A. D.; DO NASCIMENTO, K. L. O Amor Solitário no Mundo Virtual. Revista Cronos, v. 20, n. 2, p. 5-15, 10 ago. 2021.