Arranjos institucionais e gestão metropolitana no Brasil: o caso de Maringá

Autores

  • William Borges

Resumo

Existe um significativo consenso entre pesquisadores e gestores públicos de que é preciso superar o “exacerbado” municipalismo legado pela Constituição brasileira de 1988 para que se possa avançar na construção de arranjos metropolitanos. Esse trabalho se insere no contexto de tal debate com a análise de uma experiência em curso de arranjo institucional na Região Metropolitana de Maringá (RMM), estado do Paraná. O objetivo foi compreender que tipo de relações entre o governo de Estado e os municípios foi desenhado e concretizado pelo arranjo construído. Como resultado, constatamos que, até o momento, a história da Coordenadoria da Região Metropolitana de Maringá está inscrita no limbo a que foi relegada a questão metropolitana no Brasil, onde impera o interesse econômico e políticas públicas setorizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

06/04/2013

Como Citar

BORGES, W. Arranjos institucionais e gestão metropolitana no Brasil: o caso de Maringá. Revista Cronos, [S. l.], v. 12, n. 2, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/2207. Acesso em: 20 maio. 2024.