A mentira como organizador social

Autores

  • Paulo Roberto Ceccarelli PUC/MG

Resumo

Partindo do conceito de ilusão e m Freud, o autor mostra que elas funcionam com uma argamassa para as construções sociais: o que sustenta uma comunidade e a ilusão de sermos amados e protegidos por um ser superior e imparcial que ama a todos da mesma forma. Para o autor, caso esta ilusão falhe, as leis não são mais respeitadas, e a luta de todos contra todos passa a imperar. O trabalho de cultura não se sustenta mais, e a pulsão de morte ganha o primeiro plano. A partir destas considerações, o texto discute a questão da ilusão na obra freudiana, o estatuto da mentira como organizador social, e como ilusão e mentira se apresentam no mundo contemporâneo e, suas participações nos processos de subjetivação. Para o autor, quando a mentira toma o lugar da ilusão, a possibilidade de soluções sociais perversas torna-se uma ameaça para a manutenção do laço social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

11-08-2014

Como Citar

CECCARELLI, P. R. A mentira como organizador social. Revista Cronos, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 99–109, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/5626. Acesso em: 31 jan. 2023.