Trabalho, estigmas e trapaças: a profissão do mecânico automotivo

Autores

  • Laura Senna Ferreira Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Resumo

Este artigo versa sobre o problema da atribuição de representações negativas, conferidas a determinadas ocupações. Investigou-se o caso dos mecânicos automotivos da cidade de Porto Alegre (RS), de modo a compreender a relação entre trabalho e estigma no âmbito do ofício. Com essa finalidade, buscou-se conhecer a constituição da profissão e as transformações pelas quais tem passado, em decorrência dos processos de reestruturação da indústria da reparação automotiva. A partir de pesquisa de campo empírica foi observado de que maneira as características que envolvem a constituição e desenvolvimento do setor favorecem a formação e reprodução de afigurações depreciativas acerca do ofício de mecânico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Senna Ferreira, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Licenciada em História pela Universidade Federal de Rio Grande (FURG); Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel); Mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); Doutora em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pós-doutoranda em Sociologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política (PPGSP) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Downloads

Publicado

10/04/2016

Como Citar

SENNA FERREIRA, L. Trabalho, estigmas e trapaças: a profissão do mecânico automotivo. Revista Cronos, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 155–171, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/6822. Acesso em: 25 maio. 2024.