Memória, espaço e ressignificação: O sanatório Vila Samaritana em São José dos Campos, SP.

Autores

  • Maria Aparecida Chaves Ribeiro Papali Universidade do Vale do Paraíba/UNIVAP
  • Flavia Ribeiro Cunha Universidade do Vale do Paraíba/ UNIVAP
  • Valéria Regina Zanetti Universidade do Vale do Paraíba/UNIVAP

Resumo

Este artigo busca discutir a relevância da função da memória relacionada aos espaços da cidade como possibilidade de significações e ressignificações ao longo do tempo. E, dessa maneira, compreender a função dos espaços no presente por meio do significado que tiveram no passado. Para tanto, busca-se discutir as várias temporalidades impregnadas no antigo espaço Sanatório
Vila Samaritana de São José dos Campos, SP, construído em 1929 pela Associação Evangélica Beneficente e destinado ao tratamento de doentes tuberculosos, num contexto em que a cidade de São José dos Campos sediava outros espaços de cura da tísica por ser considerada uma cidade com condições climáticas favoráveis para esse fim. Com o tempo, o Sanatório Vila Samaritana foi adequado para outras atividades e hoje, ao mesmo é um bem tombado pelo Comphac e sobrevive, abandonado, representando um importante depositário de múltiplas memórias.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Chaves Ribeiro Papali, Universidade do Vale do Paraíba/UNIVAP

Doutora em História Social/ Docente e Pesquisadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Planejamento Urbano e Regional

Flavia Ribeiro Cunha, Universidade do Vale do Paraíba/ UNIVAP

Mestranda em Planejamento Urbano e Regional da Universidade do Vale do Paraíba/UNIVAP

Valéria Regina Zanetti, Universidade do Vale do Paraíba/UNIVAP

Doutora em História Social/ Docente e Pesquisadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Planejamento Urbano e Regional

Downloads

Publicado

10/04/2016

Como Citar

PAPALI, M. A. C. R.; CUNHA, F. R.; ZANETTI, V. R. Memória, espaço e ressignificação: O sanatório Vila Samaritana em São José dos Campos, SP. Revista Cronos, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 172–184, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/6944. Acesso em: 27 maio. 2024.