A PERMANÊNCIA DO CARÁTER SUPERSTICIOSO: um diálogo entre Luís da Câmara Cascudo e Baruch de Espinosa

Autores

  • Ana Luisa Morais Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF

Palavras-chave:

Luis da Câmara Cascudo, Espinosa, Superstição

Resumo

O presente artigo pretende discutir as concepções de Luís da Câmara Cascudo acerca da superstição comparadas às ideias do filósofo Baruch de Espinosa sobre o mesmo tema. O diálogo se realizará a partir das convergências e divergências das ideias apresentadas no intuito de ampliar o entendimento sobre o fenômeno presente na obra de ambos os autores e, conforme veremos, questionar a permanência ou não da superstição na contemporaneidade.

Ana Luíza Moraes Barbosa é mestre em Ciência da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

analuisa.mbarbosa@gmail.com

Artigo submetido para avaliação em 04/09/2016; publicado em 13/09/2016

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

13-09-2016

Como Citar

BARBOSA, A. L. M. A PERMANÊNCIA DO CARÁTER SUPERSTICIOSO: um diálogo entre Luís da Câmara Cascudo e Baruch de Espinosa. Imburana: revista do Núcleo Câmara Cascudo de Estudos Norte-Rio-Grandenses, [S. l.], v. 7, n. 13, p. 29–39, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/imburana/article/view/10092. Acesso em: 8 ago. 2022.