FUTUROS SEQUESTRADOS X O ANTI-SEQUESTRO DOS SONHOS

  • Fabiane Morais Borges ECA/USP

Resumo

O tema desse texto é sobre o sequestro da subjetividade humana, ou a intromissão do sistema de controle nos sonhos e o sequestro do futuro na era do antropoceno. Evidencia a ideia de que o excesso de extração dos recursos naturais de dentro da Terra é concomitante à extração do “espírito” de dentro dos corpos, e como isso está nos levando aos desastres climáticos e à miséria ontológica. O texto apresenta uma equação pedagógica onde define suas bases ontopolíticas afirmando que elas fazem parte da gramática de liberação do futuro e sonhos. São elas: tecnoxamanismo + ancestrofuturismo + redes de inconscientes. Antepõe isso às bases tecno-ideológicas da sociedade de controle, responsáveis pelo sequestro do futuro e dos sonhos, que são: tecnociência + capitalismo corporativo + inteligência artificial de Deus. Deixa claro que essas equações estão em conflito e disputam a rede de inconscientes e o futuro da Terra. Sugere que a grande ideologia de liberdade e individualidade prometida no pós - II Guerra Mundial pelas corporações industriais dos países aliados, foi uma grande armadilha, que culminou na criação de um terrível sistema de controle. Logo salienta a importância da ficção e sua capacidade de criar mundo, tirando-a do aprisionamento do universo simbólico e imaginário, trazendo-a para a concretização de fato. A ficção então é apresentada como um dos instrumentos mais poderosos de produção de realidade, assim como a hiperstição, que é a capacidade de criar ficções em bandos, e materializá-las na realidade. Com base nessa ideia de ficção como algo determinante, o texto traz o ancestrofuturismo e redes de inconsciente, apresentando-os como projetos de ampliação das nossas bases imaginárias, reestruturando a ideia de comunicabilidade entre inconscientes, apresentando-a como um operador radical de ancestralidades e futuros tanto do planeta quanto dos seus habitantes. Nesse ponto aparecem questões relacionadas a espectrologia, aos universos paralelos de signos que atravessam a linguagem e os campos invisíveis não acessíveis com o nível de consciência mesquinha, como mostra Davi Kopenawa, que diz que os brancos só sonham consigo mesmo e suas mercadorias e por isso não veem nada, e pensam que tudo o que não veem é mentira. Por fim o texto apresenta os sonhos como um dos portais mais poderosos de resgate das ontologias perdidas no passado, assim como de produção de outros futuros. A partir de várias referências, sugere uma metodologia de tratamento/treinamento dos sonhos, partindo da relação entre arte e clínica. Aparecem algumas metodologias de trabalho, oriundos de práticas tais como programa ruidocrático, sonhos derivados, comunidades oníricas, etc. Cada um deles nos levando para um grau mais elevado de entendimento sobre sonhos como espaço público ontopolítico, algo que deve ser urgentemente resgatado para que haja possibilidade de resistência subjetiva ao terrorismo da máquina, e para que se fortaleça a liberação do futuro através do esquema anti-sequestro dos sonhos, pois quanto mais potentes são os sonhos, mais capazes são de gerar mundos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-08-2019
Como Citar
BORGES, F. M. FUTUROS SEQUESTRADOS X O ANTI-SEQUESTRO DOS SONHOS. Manzuá: Revista de Pesquisa em Artes Cênicas, v. 2, n. 1, p. 44, 18 ago. 2019.