• Foto de Mewlissa Lopes, feita durante o periodo de isolamento social 2020 CORPO EM TEMPOS DE ISOLAMENTO: Reflexões e Experimentos Artísticos
    v. 3 n. 2 (2020)

    CORPO EM TEMPOS DE ISOLAMENTO: Reflexões e Experimentos Artísticos

    A Manzuá, Revista de Pesquisa em Artes Cênicas, um periódico eletrônico de fluxo contínuo com acesso gratuito e revisão por pares, receberá artigos inéditos, ensaios fotográficos e vídeos de processos artísticos em Artes Cênicas até 30 de outubro de 2020, sob o tema Corpo em tempos de isolamento: Reflexões e experiências artísticas.

    O corpo editorial da Revista Manzuá, assim como o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGArC), não ignora o momento inédito e difícil que artistas e pesquisadores têm enfrentado em função da pandemia provocada pelo COVID 19 e do caos político que foi estabelecido. Desde o início do isolamento social Além de suspender e/ou adiar atividades, muitos artistas têm procurado se reinventar nesta realidade que se apresenta como um “novo normal”. Se, por um lado, um primeiro movimento foi gerado pela necessidade de sobrevivência, por outro, é possível ver a consolidação desse modelo de transmissão nas artes cênicas, graças à ação de recomposição da cena.

    A partir da ideia de desconstruir e ampliar os horizontes das artes da cena, vimos que o isolamento virou estágio (estudos, cursos online, educação a distância), a casa tornou-se um espaço para explorar as possibilidades criativas dos (os) artistas no computador/tela do smartphone, a mediação entre quem faz e quem vê as mais diversas linguagens artísticas.

    A partir dessas provocações, a nova edição da Revista Manzuá abre seu espaço para produções artísticas, pedagógicas e científicas, que foi atravessado pelas particularidades do ano 2020 e propõe o CORPO EM TEMPOS ISOLAMENTO como protagonista e desencadeador de novos diálogos.

     

    CALL BODY IN TIMES OF ISOLATION: Reflections and Artistic Experiments.

    The Manzuá Research Journal on Performing Arts, a continuous-flow electronic journal with free access and peer review, will receive unpublished articles, photo essays, and videos of artistic processes in Performing Arts until October 30, 2020, under the theme BODY IN TIMES INSULATION: Reflections and artistic experiences.

    The editorial board of Manzuá Journal, as well as the Postgraduate Program in Performing Arts (PPGArC), does not ignore the unprecedented and difficult moment that artists and researchers have faced due to the pandemic caused by COVID 19 and in the face of the political chaos that has been established. Since the beginning of social isolation In addition to suspending and/or postponing activities, many artists have sought to reinvent themselves in this reality that presents itself as a “new normal”. If, on the one hand, a first movement was generated by the need for survival, on the other, it is possible to see the consolidation of this model of transmission in the performing arts, thanks to the action of recomposing the scene.

    From the idea of ​​deconstructing and expanding the horizons of the scene, we saw that isolation became an internship (studies, online courses, distance education), the house became a space to explore the creative possibilities of (the) artists on the computer/smartphone screen, the mediation between those who make and those who see the most diverse artistic languages.

    From these provocations, the new edition of Manzuá opens its space for artistic, pedagogical and scientific productions, which was crossed by the particularities of the year 2020 and proposes the BODY IN ISOLATION as the protagonist and trigger of new dialogues.

     

    LLAMADA CUERPO EN TIEMPOS DE AISLAMIENTO: Reflexiones y Experiencias Artísticas.

    La Revista de Investigación Manzuá en Artes Escénicas, una revista electrónica de flujo continuo con libre acceso y revisión por pares recibirá artículos inéditos, ensayos fotográficos y videos de procesos artísticos en Artes Escénicas hasta el 30 de octubre de 2020, bajo el tema BODY IN TIMES AISLAMIENTO: Reflexiones y vivencias artísticas.

    El consejo editorial de Revista Manzuá, así como el Programa de Posgrado en Artes Escénicas (PPGArC), no desconocen el inédito y difícil momento que han enfrentado artistas e investigadores por la pandemia provocada por el COVID 19 y ante el caos político. que ha sido establecido. Desde el inicio del aislamiento social Además de suspender y / o aplazar actividades, muchos artistas han buscado reinventarse en esta realidad que se presenta como una “nueva normalidad”. Si, por un lado, se generó un primer movimiento por la necesidad de supervivencia, por otro, es posible ver la consolidación de este modelo de transmisión en las artes escénicas, gracias a la acción de recomponer la escena.

    A partir de la idea de deconstruir y expandir los horizontes de la escena, vimos que el aislamiento se convirtió en una pasantía (estudios, cursos en línea, educación a distancia), la casa se convirtió en un espacio para explorar las posibilidades creativas de (los) artistas en la computadora. / pantalla del teléfono inteligente, la mediación entre quienes hacen y quienes ven los más diversos lenguajes artísticos.

    A partir de estas provocaciones, la nueva edición de Revista Manzuá abre su espacio a las producciones artísticas, pedagógicas y científicas, atravesado por las particularidades del año 2020 y propone al CUERPO EN TIEMPOS DE AISLAMIENTO como protagonista y detonante de nuevos diálogos.

  • Dossiê do Teatro Potiguar, Potiguar Theater Dossier: 10 anos do grupo Arkhétypos.
    v. 3 n. 1 (2020)

    O Dossiê temático Arkhétypos Grupo de Teatro: 10 anos de Pesquisa buscou receber artigos, resenhas de livros e de espetáculos que tivessem relação com as produções, artística, pedagógicas e científicas decorrentes das pesquisas desenvolvidas no Grupo. O Arkhétypos é um Grupo de Teatro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), vinculado ao Departamento de Artes, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. É coordenado por Robson Haderchpek, professor da Licenciatura em Teatro e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFRN, e composto por estudantes e docentes desses cursos, além de contar com colaboradores de áreas afins.
    Desde sua criação, em 2010, o Grupo atua nas áreas da pesquisa e da extensão, desenvolvendo processos criativos e produzindo espetáculos teatrais que almejam estabelecer proximidade na relação entre a sociedade e o meio acadêmico. Ao longo desses 10 anos de existência o Grupo Arkhétypos produziu onze espetáculos, tendo sido tema de cinco projetos de pesquisa, dezessete trabalhos de conclusão de curso, sete dissertações de mestrado, uma tese de doutorado, e três pesquisas de pós- doutorado, além de também ser tema de dois livros, três capítulos de livro e doze artigos científicos. O Grupo Arkhétypos trabalha na perspectiva do Teatro Ritual e as atividades desenvolvidas no Grupo são norteadas por uma metodologia de caráter empírico buscando valorizar ações de diálogo entre as produções acadêmicas e a sociedade local. O projeto, de natureza interdisciplinar, busca também criar um espaço de troca e de reflexão a partir do diálogo entre o teatro, a dança a música e as artes visuais Em novembro de 2019 aconteceu o primeiro “SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE
    PESQUISA DO GRUPO ARKHÉTYPOS” reunindo pesquisadores de várias partes do Brasil, da Áustria e do México em seis mesas temáticas: Olhares sobre a Criação; Corpo, Jogo e Cultura Popular; Pedagogias da Cena; Diálogos Cenográficos; Afetos, Encontros e Sentidos; e Debates Decoloniais. O evento teve como principal objetivo promover um encontro entre pesquisadores que participaram dos processos de criação do Grupo Arkhétypos e organizar um material teórico específico sobre o tema.

  • Pam Dutra, na Performance Bálsamo, 2017 DEART UFRN  foto de Bárbara Borges DOSSIÊ Virada Afetiva
    v. 2 n. 3 (2019)

    Uma quantidade considerável de autores está construindo uma teoria dos afetos. Os proponentes da "virada" para o afeto localizam-se no nexo de vários vetores intelectuais. A própria história da arte vem sendo alvo de diferentes pontos de vista que enfrentam as questões contemporâneas sob a perspectiva dos afetos.

  • PERFORMANCES NEGRAS
    v. 2 n. 2 (2019)

    Capa criada por Natã Ferreira com imagens do processo do compartilhamento do artista Ayrson Heráclito, fotografias de Renan Carlos, Natal/RN, 2019

  • Autor da imagem: Diogo Moreira Corpos Pol´ˆíticos/ Political Bodies
    v. 2 n. 1 (2019)

    A terceira edição da Manzuá: Revista de Pesquisa em Artes Cênicas tem como eixo temático os Corpos Políticos.Como apontam os estudos atuais, os Corpos Políticos são aqueles atravessados em suas individualidades por afetos que tangem `a coletividade: medo e desamparo, por exemplo. Esta circuitação afetiva dos corpos afirma instituições e modelos sociais que, no presente contexto, operam forças exploratórias de poder. As políticas internacionais, os grandes acordos financeiros, as religiões, o pensamento patriarcal etc. agem como categorias fortes sobre corpos em apagamento.

    The third edition of Manzuá: Journal of Research in Performing Arts has as its thematic axis the Political Bodies. As the current studies point out, Political Bodies are those crossed in their individualities by affections that put it on the collective: fear and helplessness, for example. This affective circuit of bodies affirms social institutions and models that, in the present context, operate exploratory forces of power. International policies, major financial agreements, religions, patriarchal thinking, etc. act as strong categories on erasing bodies.

  • Deslocamentos e Implicações Coloniais
    v. 1 n. 2 (2018)

    O segundo número da revista Manzuá (ISSN: 2595-4024) tem como tema Deslocamentos e Implicações Coloniais. Nesta edição, a revista busca textos e reflexões conceituais e estéticas promovidas pelos deslocamentos produzidos pelas novas políticas coloniais, bem como críticas e documentações acerca de trabalhos em Artes Cênicas que se reconheçam implicados nesta discussão. 

    Imagem da capa: Frank de Oliveira