Caracterização de acidentes provocados por Aranha Marrom (Loxosceles sp)

Palavras-chave: Envenenamento; Aranha; Acidentes

Resumo

O presente estudo tem por objetivo caracterizar os acidentes provocados por Loxosceles notificados em um Centro de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox), avaliando a conduta empregada. Trata-se de um estudo observacional, descritivo, retrospectivo e transversal, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada em um hospital terciário da rede pública do estado do Ceará. Foram avaliadas as fichas de intoxicações dos pacientes, suspeitos de intoxicações agudas por picada de aranha marrom (Loxosceles) do período de 2015 a 2019. Foram atendidos 37 casos de pacientes picados por aranha marrom, dos quais, 35,14% buscaram atendimento no hospital de referência entre 1 a 2 dias após a manifestação dos sintomas, 51,35% dos indivíduos expressaram envenenamento moderado e verificou-se que os casos de óbito ocorreram com pacientes de 47 e 58 anos. A incidência de acidentes provocados aranha marrom foi no interior do estado do Ceará. O tempo decorrido apresentou grande importância na avaliação da gravidade, sendo crucial a identificação da lesão pelos profissionais de saúde e o atendimento precoce de pacientes vítimas do loxoscelismo, diminuindo o grau de severidade e auxiliando na eficácia do soro antiaracnídico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, Polianna Lemos Moura Moreira. (Fortaleza). Centro de Informação e Assistência Toxicológica Hospital Instituto Doutor José Frota/ijf. Intoxicações agudas guia prático para o tratamento. 2017. Disponível em: https://saude.fortaleza.ce.gov.br/images/Manuais_saude/Guia_IJF_Intoxicacoes.pdf. Acesso em: 07 maio 2019.

ANDRADE, Rute Maria Gonçalves de. Presença de Loxosceles similis Moenkhaus, 1898 (Araneae, Sicariidae) na Serra da Bodoquena, Estado de Mato Grosso do Sul. Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 34, n. 3, p.1-3, jun. 2001.

BRASIL/ FUNASA (Fundação Nacional de Saúde), 1998, 2001. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos. Brasília: MS/FUNASA MS (Ministério da Saúde) / FUNASA (Fundação Nacional de Saúde), 2001.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde. Dados: Acidentes com animais peçonhentos. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/acidentes-por-animais-peconhentos. Acesso em: 03 abr. 2019.

BRAZIL, Tania K. et al. Aranhas de importância médica do Estado da Bahia, Brasil. Gazeta Médica da Bahia, v. 79, n. 1, p. 32-37, 2009.

CUPO, Palmira. Acidentes por animais peçonhentos: escorpiões e aranhas. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da Fmrp, Ribeirão Preto, v. 1, n. 5, p.490-497, dez. 2003. Disponível em: http://revista.fmrp.usp.br/2003/36n2e4/41acidentes_animais_peconhentos_escorpioes_aranha s.pdf. Acesso em: 04 abr. 2019.

GIRELLI, Luís Paulo et al. Evolução e manejo do acidente Loxoscélico. 2018. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/04/882638/evolucao-e-manejo-do-acidente- loxoscelico.pdf. Acesso em: 23 jun. 2020.

HAY, William W. et al. Pediatria - Diagnóstico e Tratamento. 22. ed. Porto Alegre: AMGH Editora Ltda, 2015. 3062 p.

KAMIMURA, Helayne Mika. Sistematização da Assistência de Enfermagem: acidente por Loxosceles gaucho. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 62, n. 6, p.1-3, dez. 2009.

SARMENTO, T. F. et al. Perfil das admissões no Centro de Assistência Toxicológica da Paraíba (CEATOX-PB) motivada por acidentes com aranhas. Revinter, Paraíba, v. 9, n. 2, p.08-29, jun. 2016.

STONE, C. Keith. et al. Emergências Pediátricas. 22. ed. Porto Alegre: Amgh Editora Ltda, 2016. 1195 p.

Publicado
22-02-2021
Como Citar
AGUIAR, V. G.; OLIVEIRA , E. DE S.; ALBUQUERQUE , P. L. M. M.; ROMEU , G. A.; MORAIS , A. C. L. N. DE. Caracterização de acidentes provocados por Aranha Marrom (Loxosceles sp). Revista de Casos e Consultoria, v. 12, n. 1, p. e22513, 22 fev. 2021.
Seção
Ciências da Saúde