ANÁLISE DA POÉTICA DE CAMÕES: O AMOR É FOGO QUE ARDE SEM SE VER

Autores

  • Felipo Bellini Souza Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ana Lucia Barbosa Moraes Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Palavras-chave:

Camões; Lusíadas; Análise Poética.

Resumo

A obra camoniana nos retrata os tempos de glorias das conquistas portuguesas no século das luzes. Partindo de uma contextualização histórica e situacional do país Portugal no século XVI, explanando sobre o autor dos Lusíadas como uma riqueza da época, entende-se o poema “O Amor é Fogo que Arde sem se Ver” como um soneto clássico para estudo, caracterizado como humano, típico do classicismo. Com o texto escolhido dentre a bibliografia de Luiz Vaz de Camões do gênero soneto, observa-se sua tendência a abrigar as características do gênero e do autor. O presente estudo realiza então, uma análise da forma, das rimas, das metáforas e ambigüidades encontradas, de forma a caracterizar o gênero soneto camoniano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BELLINI, L. . Notas sobre Cultura, Política e Sociedade no Mundo Português do Século XVI. Tempo. Revista do Departamento de História da UFF, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 143-167, 1999.

CAMÕES, Luiz Vaz de. Amor é fogo que arde sem se ver. São Paulo: Editora Ediouro, 1997.

HUE, Sheila Moura. O encontro de Luís de Camões e Garcia de Orta nas páginas iniciais de um livro. Revista Camoniana, v. 18, p. 5, 2006

RENNÓ, A. C. A linguagem metafórica no diálogo entre a tradição e a modernidade: Camões, Gregório de Matos e Oswald de Andrade. Revista Travessias, v. 01, p. 01-15, 2007.

Downloads

Publicado

01-06-2010

Como Citar

SOUZA, F. B. .; MORAES, A. L. B. . ANÁLISE DA POÉTICA DE CAMÕES: O AMOR É FOGO QUE ARDE SEM SE VER. Revista de Casos e Consultoria, [S. l.], v. 1, n. 1, p. e111, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/casoseconsultoria/article/view/20648. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos