Métodos contraceptivos: Principais riscos e efeitos adversos

Palavras-chave: Métodos contraceptivos; Efeitos adversos; Concepção.

Resumo

Os anticoncepcionais hormonais são métodos contraceptivos considerados reversíveis, possuem na sua composição hormônios que são produzidos pelas mulheres e assim conseguem controlar a ovulação e dificultar o processo de fecundação. Uma questão preocupante quanto o uso desses medicamentos diz respeito a negligência ao uso de outros contraceptivos que impedem a transmissão de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s). Diante disso, o presente estudo tem como objetivo demonstrar quais os principais riscos e efeitos adversos dos métodos contraceptivos, mostrando quais faixas etárias apresentam maiores riscos, quais métodos são mais bem aceitos pelas mulheres bem como os que apresentam maior segurança. Este estudo consiste em uma revisão de literatura, de caráter descritivo e exploratório, foram analisados estudos científicos acerca dos principais métodos contraceptivos compreendidas no período de 2010 a 2020 coletados nas seguintes bases de dados: Scielo, PubMed e ScienceDirect. Os resultados mostram que as mulheres que usam métodos contraceptivos apresentavam risco aumentado de infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral isquêmico em comparação com não usuários, porém um risco relativo, que não parece ser tão alto, em relação ao uso do dispositivo uterino o mesmo mostrou que a probidade de ocorrer perfurações são mínimas e estão geralmente correlacionadas a outros fatores, além disso algumas mulheres relataram sentir que o aumento de peso corporal, alterações de humor, dor nas mamas, cefaleia, dor abdominal durante o uso dos anticoncepcionais. De forma geral o artigo mostra que os métodos contraceptivos em geral são seguros, que apresentam alguns riscos, porém a taxa de ocorrência é pequena, além disso algumas mulheres apresentam muitos efeitos adversos, o que pode limitar adesão aos métodos contraceptivos, uma vez que é de suma importância o paciente se sentir confortável ao utilizar o medicamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, F.P.A., ASSIS, M.M. Efeitos colaterais e alterações fisiológicas relacionadas ao uso contínuo de anticoncepcionais hormonais orais. Revista Eletrônica Atualiza Saúde, p.85-93, 2019.

APTER, D. et al. Bleeding pattern and cycle control with estetrol-containing combined oral contraceptives: results from a phase II, randomised, dose-finding study (FIESTA). Contraception, v. 94, n. 4, p. 366-373, 2016.

APTER, D. et al. Estetrol combined with drospirenone: an oral contraceptive with high acceptability, user satisfaction, well-being and favourable body weight control. The European Journal of Contraception & Reproductive Health Care, v. 22, n. 4, p. 260-267, 2017.

BORGES, A.L.V. et al. Satisfação com o uso de métodos contraceptivos entre usuárias de unidades básicas de saúde da cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 17, n. 4, p. 749-756, 2017.

BRASIL. Ministério da saúde. Anticoncepção de Emergência: perguntas e respostas para profissionais de saúde. Brasília-DF, 2011.

BRITO, M.B., NOBRE, F., VIEIRA, C.S. (2010). Contracepção hormonal e sistema cardiovascular. Sociedade Brasileira de Cardiologia, 81-89.

CORRÊA, D.A.S et al., (2017). Fatores associados ao uso contraindicado de contraceptivos orais no Brasil. Revista de Saúde Pública, v.51, 2017

SILVA CARRIAS, Daniela Teresa et al. Efeitos adversos associados a uso de contraceptivos orais em discentes. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v. 17, n. 3, p. 142-146, 2019.

FERREIRA, H. L. O. C. et al. Determinantes Sociais da Saúde e sua influência na escolha do método contraceptivo. Revista Brasileira de Enfermagem, v.72, n4, p.1044-1051, 2019.

HEINEMANN, K. et al. Risk of uterine perforation with levonorgestrel-releasing and copper intrauterine devices in the European Active Surveillance Study on Intrauterine Devices. Contraception, v. 91, n. 4, p. 274-279, 2015.

HUBACHER, David et al. Long-acting reversible contraceptive acceptability and unintended pregnancy among women presenting for short-acting methods: a randomized patient preference trial. American journal of obstetrics and gynecology, v. 216, n. 2, p. 101-109, 2017.

KRAMER, K. et al. Conhecimento de discentes da universidade federal da fronteira sul (uffs), campus Chapecó, sobre o modo administração e os efeitos benéficos e adversos das pílulas anticoncepcionais. Anais do SEPE. v. 8 n. 1, 2018.

KRASHIN, J. et al. Hormonal and intrauterine methods for contraception for women aged 25 years and younger. Cochrane Database of Systematic Reviews, n. 8, 2015.

MARTINELLI, Ida et al. Recurrent venous thromboembolism and abnormal uterine bleeding with anticoagulant and hormone therapy use. Blood, v. 127, n. 11, p. 1417-1425, 2016.

RIBEIRO, C.C.M. et al. Effects of different hormonal contraceptives in women's blood pressure values. Revista Brasileira de Enfermagem, Vol.71, 1453-1459, 2018.

ROACH, R. E.J et al. Combined oral contraceptives: the risk of myocardial infarction and ischemic stroke. Cochrane Database of Systematic Reviews, n. 8, 2015.

SORGI, C. M. et al. Conhecimentos, atitudes e práticas de universitárias em relação aos métodos contraceptivos reversíveis de longa duração (LARC). Medicina (Ribeirao Preto), v. 52, n. 3, p. 213-222, 2019.

ZERIHUN, Muluken Fekadie et al. Changes in body weight and blood pressure among women using Depo-Provera injection in Northwest Ethiopia. BMC research notes, v. 12, n. 1, p. 1-5, 2019.

Publicado
26-03-2021
Como Citar
LUZ, A. L. R.; BARROS, L. DE S. R.; BRANCO , A. C. DA S. C. Métodos contraceptivos: Principais riscos e efeitos adversos. Revista de Casos e Consultoria, v. 12, n. 1, p. e24112, 26 mar. 2021.
Seção
Artigos