A Imitação e as Singularidades

O jogo do social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1982-5560.2018v19n2ID15550

Resumo

Resenha:

Em As Leis da Imitação, publicado originalmente em 1890, o sociólogo francês
Gabriel Tarde (1843-1904), também filósofo, psicólogo e criminalista, dedica-se a demonstrar
que a sociedade se constitui a partir de relações intercerebrais. Para tanto, o autor desenvolve
três categorias (imitação, adaptação e oposição) que organizam tais relações, e, dividindo esse
livro em oito capítulos, dá ênfase a imitação como categoria fundamental para definir e
compreender o social. Dessa forma, a microssociologia de Tarde recupera o indivíduo na cena
social, na medida em que assinala as ações e os pensamentos inovadores como as verdadeiras
causas dos fatos sociais, via irradiações imitativas. Sob tal perspectiva, movidos por desejos e
crenças, somos o infinitesimal da sociedade, as verdadeiras potências inventivas, ou seja,
transformadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Cientista Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente é mestranda pelo Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN.Participa do MARGINÁLIA - Grupo de Estudos Transdisciplinares em Comunicação e Cultura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Busca focar seus estudos no campo da Complexidade, com interface em comunicação e mídias digitais.

Downloads

Publicado

03/16/2020

Como Citar

SILVA, P. A Imitação e as Singularidades: O jogo do social. Revista Cronos, [S. l.], v. 19, n. 2, p. 92–96, 2020. DOI: 10.21680/1982-5560.2018v19n2ID15550. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/15550. Acesso em: 24 jun. 2024.