ARTIVISMO RESPIRATÓRIO

UMA PROPOSTA DE EDUCAÇÃO REMOTA NO PAÍS IRRESPIRÁVEL

  • Denise Pereira Rachel CIEJA Ermelino Matarazzo
  • Diego Alves Marques USP
  • Bárbara Kanashiro Mariano USP

Resumo

Este artigo discute as implicações éticas, estéticas, políticas e educativas da ação Respirações (ALTSHULER, 2008; RACHEL, 2014). Trata-se de uma abordagem em educação remota realizada pelo Coletivo Parabelo com o CIEJA Ermelino Matarazzo, no intuito de mantermos vivos os vínculos entre professores, estudantes e a escola pública durante a crise sanitária e política que assola o país (MBEMBE, 2020). Nesse viés, apresentamos a noção de artivismo respiratório como uma crítica ao corrente processo de normalização da vida digital (GIORGI, 2020) no âmbito da educação básica pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Pereira Rachel, CIEJA Ermelino Matarazzo

Doutora em Arte e Educação pelo Instituto de Artes da UNESP (2019) por meio da tese "Escrever é uma maneira de sangrar: estilhaços, sombras, fardos e espasmos autoetnográficos de uma professora performer". Mestre em Arte e Educação pela UNESP (2013), através da pesquisa intitulada "Adote o artista não deixe ele virar professor: reflexões em torno do híbrido professor performer". Possui graduação em Educação Artística - habilitação em Artes Cênicas pela UNESP (2003). Atuou como tutora do curso de Pedagogia semipresencial da Unesp/UniCeu. Integra o grupo de estudos Performatividades e Pedagogias, coordenado pela Profª Drª Carminda Mendes André. Atualmente é professora de artes na rede municipal de ensino de São Paulo e integrante do Coletivo Parabelo de performance urbana. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Cênicas, Performance e Arte Educação.

Diego Alves Marques, USP

Performer, professor e pesquisador integrante do Coletivo Parabelo desde 2005, onde investiga relações entre corpo, performance, cidade, política e educação. É bacharel em Comunicação das Artes do Corpo, na linha de formação em Performance, pela PUC/SP, com bolsa de estudo financiada pelo PROUNI (2014). Na mesma instituição, realizou o projeto de iniciação científica Errar/Performar: performador como errante urbano, performance como errância urbana, com bolsa de pesquisa financiada pela PIBIC-CEPE (2012-2013) e orientação da Profª Dra. Maria Gabriela Teixeira Pinto Imparato. Ainda na referida instituição, foi membro do corpo editorial da revista Vértebo (2014), co-organizador dos Encontros das Artes do Corpo (2014) e estudante do Grupo de Estudos da Performance, coordenado pelo Prof Dr. Lúcio Agra (2011-2014) e do Núcleo de Estudos Criação_Artes coordenado pela Profa. Dra. Maria Gabriela Carneiro Teixeira Pinto Imparato (2011-2014). É mestre em Artes pelo Instituto de Artes da UNESP, onde desenvolveu a dissertação de mestrado Experiências Erráticas: pistas para a desobediência das performances corporais cotidianas urbanas (2017), com bolsa de pesquisa financiada pela CAPES e orientação da Profª Dra. Carminda Mendes André. Na mesma instituição, ministrou o curso de extensão Corpos Urbanos Erráticos: Formas Errantes (2015), Tradição das Vanguardas (2016) e Traição das Vanguardas (2016), organizou o evento Intervenção Urbana e Educação (2015) e também participa do grupo de pesquisa Pedagogias e Performatividades coordenado pela Profª Dra. Carminda Mendes André, desde 2015. É doutorando em artes cênicas pelo Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da ECA-USP, onde desenvolve a pesquisa Corpos Urbanos Erráticos: rupturas na texturologia pedestre da cena urbana, sob a orientação da Profª Dra. Maria Helena Franco de Araujo Bastos (2018), com bolsa de pesquisa financiada pela FAPESP. Na mesma instituição, foi membro do corpo editorial da revista Aspas (2018-2019) e participa do grupo de pequisa Laboratório de Dramaturgias do Corpo - LADCOR desde 2018 . Atualmente, desenvolve o projeto artístico pedagógico Erratórios e participa como artista convidado no Núcleo Artístico Vera Sala. Áreas de atuação: Políticas do corpo; Performance Urbana; Teatro Contemporâneo; Dança Contemporânea e Arte como Educação.

Bárbara Kanashiro Mariano, USP

Graduada e licenciada em Artes Visuais pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Foi estudante do Grupo de Estudos em Arte Conceitual e Conceitualismos no Museu (GEACC), coordenado pela Profa. Dra. Cristina Freire no Museu de Arte Contemporânea da USP. Nesta mesma instituição realizou a iniciação científica intitulada O Corpo, a Casa, a Terra: por uma Arqueologia do Presente na obra de Letícia Parente, sob orientação da Profa. Dra. Cristina Freire. Atualmente é mestranda em Artes Visuais pelo PPGAV da ECA USP, onde desenvolve a pesquisa Formas fluxus - partitura, performance e pedagogia com a orientação da Profa. Dra. Dália Rosenthal. É performer integrante do Coletivo Parabelo, no qual pesquisa relações entre corpo, performance, cidade e educação.

Publicado
11-10-2020
Como Citar
PEREIRA RACHEL, D.; ALVES MARQUES, D.; KANASHIRO MARIANO, B. ARTIVISMO RESPIRATÓRIO. Manzuá: Revista de Pesquisa em Artes Cênicas, v. 3, n. 2, p. 14-42, 11 out. 2020.