Aplicativo re-inove: um novo conceito em roupas transformadas

  • Alex Paubel Junger Faculdade de Tecnologia Termomecânica
  • Leticia Bartoleti Faculdade de Tecnologia Termomecânica
  • Letícia Pereira
  • Marcelo Vianello Pinto Faculdade de Tecnologia Termomecânica
  • Victor Moraes Faculdade de Tecnologia Termomecânica
Palavras-chave: Economia Circular; Aplicativo Mobile; Impacto Ambiental; Moda.

Resumo

Este artigo tem por objetivo propor o desenvolvimento de um aplicativo mobile visando a arrecadação de peças de vestimentas que são doadas por pessoas físicas e jurídicas e, as mesmas são coletadas em pontos de trocas específicos e enviadas até a fábrica que está localizada em uma comunidade, e passará pelo processo de transformação e revenda. O método utilizado foi de pesquisa bibliográfica de caráter exploratório. Como possível resultado de estudo, espera-se que o mesmo seja acessível à toda comunidade e reduza o impacto ambiental que a produção têxtil em massa causa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Associação Brasileira de Indústria Têxtil e Confecção. (2017). Perfil do Setor. Recuperado em 19 de fevereiro, 2018, de http://www.abit.org.br/cont/perfil-do-setor.

Azevedo, J. L. (2015). A economia circular aplicada no brasil: uma análise a partir dos instrumentos legais existentes para a logística reversa. Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11.

Bauer, H., Barns, S., Neuman, M. & Reichardt, T (2005). Driving consumer acceptance of mobile marketing: A theoretical framework and empirical study. Journal of Electronic Commerce Research, 6(3).

Bocken, N. M. P., De Pauw, I., Bakker, C. & Van Grinten, B. (2016). Product design and business model strategies for a circular economy. Journal of Industrial and Production Engineering, 33(5), 308-320.

Cietta, E. (2010). A revolução do fast fashion. Estratégias e modelos organizativos para competir nas indústrias híbridas. São Paulo, SP: Estação das Letras e Cores.

Delgado, D. (2008). Fast fashion: estratégia para conquista do mercado globalizado. Revista ModaPalavra e-Periódico, 1(2).

De Los Rios, I. C. & Charnley, F. J. S. (2017). Skills and capabilities for a sustainable and circular economy: The changing role of design. Journal of Cleaner Production, 160, 109-122.

Ellen Macarthur Fundation. (2015). Rumo a uma economia circular: o racional de negócio para acelerar a transição.

Ellen Macarthur Fundation. (2017). CIRCULAR FIBRE INITIATIVES. A New Textiles Economy: Redesigning Fashion’s Future. v.01, 18.

Fachin, O. (2001). Fundamentos de metodologia. São Paulo, SP: Saraiva.

Gansky, L. (2011). Mesh: Porque o futuro dos negócios é compartilhar. Rio de Janeiro, RJ: Alta Books Editora.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo, SP: Atlas.

Hayden, T., Webster, T. (2014) The Mobile Commerce Revolution: Business success in a wireless world. Indianapolis: Que.

HOUSE OF COMMONS UK, (2014). Growing a circular economy: Ending the throwaway society. Recuperado em 11 de Março, 2017 de https://publications.parliament.uk/pa/cm201415/cmselect/cmenvaud /214/21404.htm#note2.

IPSOS. Google. Our Mobile Planet Brazil: understanding the mobile consumer. May, 2013.

Lecheta, R. (2012). Desenvolvendo iPhone e iPad. 1.ed. São Paulo, SP: Novatec Editora.

Linder, M., Williander, M. (2017) Circular Business Model Innovation: Inherent Uncertainties. Business Strategy and the Environment, 26(2) , 182-196.

Mc Kinsley & Company. Style that’s sustainable: A new fastfashion formula (2016)

Porter, M. E. (2005) Estratégias Competitivas: Técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 1ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

SHIMAMURA, E. (2012, Dezembro). O fast fashion e a identidade de marca. Projética, Revista Científica de Design, 3(2).
Publicado
05-12-2018
Como Citar
JUNGER, A. P.; BARTOLETI, L.; PEREIRA, L.; PINTO, M. V.; MORAES, V. Aplicativo re-inove: um novo conceito em roupas transformadas. Revista de Ensino, Pesquisa e Extensão em Gestão, v. 1, n. 1, p. e11, 5 dez. 2018.
Edição
Seção
Artigos