Percepção dos pesquisadores brasileiros da relação entre turismo e desenvolvimento sustentável: entre a realidade e o mito da sustentabilidade

  • Raquel Fernandes de Macedo Centro Universitário Natalense
  • Sinclair Mallet Guy Guerra Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Sérgio Marques Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Roseli Frederigi Benassi Universidade Federal do ABC
  • Ramon Vicente Garcia Fernandez Universidade Federal do ABC
  • Giorgio Romano Schutte Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Pesquisadores Brasileiros. Desenvolvimento Sustentável do Turismo. Correntes Teóricas. Realidade. Mito.

Resumo

O objetivo desse trabalho é analisar como os pesquisadores brasileiros entendem a relação entre turismo e desenvolvimento sustentável, apontando posições que defendem tal relação e os que contrapõem a ela por mencionarem que se trata de algo insustentável dentro da esfera capitalista, ou seja, um mito. Quanto à metodologia adotada foi do tipo exploratório-descritivo, com abordagem qualitativa com aplicação de questionários com cinco pesquisadores que estudam a relação entre turismo e desenvolvimento sustentável e o uso da técnica análise de conteúdo para tratamento dos dados. Os resultados da pesquisa indicam que existem diversas correntes teóricas como o sistemismo, marxismo, dentre outras, que estudam a relação entre turismo e desenvolvimento sustentável e trazem contribuições para área de turismo.  Assim, pode-se dizer que a corrente teórica sistêmica apresenta o turismo como um sistema em que todos os atores são importantes para que se alcance da sustentabilidade. Todavia, o marxismo aponta a impossibilidade da existência do desenvolvimento do turismo sustentável pelo fato do turismo se tratar de uma atividade econômica em que impera as forças de mercado, ou seja, o capitalismo, sem levar em consideração os fatores socioambientais. Por fim conclui-se que em alguns momentos é observado que as correntes teóricas do turismo complementam-se uma as outras, dando a possibilidade de pesquisadores que trabalham com o desenvolvimento sustentável do turismo dialogar em seus trabalhos com mais de uma corrente teórica. Ou seja, em trabalhos que utilizam a corrente teórica sistêmica pode ter momentos críticos (marxistas) quando se estuda sustentabilidade do turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, J. G. (2006). “A (in)sustentabilidade do turismo no entorno de Campos do Jordão, SP”. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ciências. Área de Propaganda e Publicidade, Relações Públicas e Turismo. Linha de Pesquisa Turismo e Lazer. Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, 121 f.

Ansarah, M. G. R. (2000). “Como aprender, como ensinar turismo”. 3° edição. Editora Senac. São Paulo.

Barbosa, Y. M. (2015). “O turismo e os não lugares”. Goiânia: London 7 Editora.

Bardin, L. (2010). “Análise de conteúdo”. Lisboa: Edições 70, LDA.

Brasil. Governo do Distrito Federal. Secretaria de Estado de Esporte, Turismo e Lazer do DF. Secretaria Adjunta de Turismo. (2016). “Plano de Turismo Criativo de Brasília”. Brasília: SEBRAE/ DF, Escola de Criatividade, 121f.

Butler, R. W. (1980). “The concept of tourist area cycle of evolution: implications for management of resources”. The Canadian Geographer, 24: 512.

Jimenéz, C. C.& Nechar, M. C.(2014). Documentos especiais- Sosteniendo al turismo o turismo sustentable (TS): reflexões teóricas. “Estudios y Perspectivas en Turismo”. Vol. 23: 376-395.

Krippendorf, J. (2009). “Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens”. (3a ed.) São Paulo: Aleph.

Macedo, R. F. & Dantas, A. V. S. (2010). “Percepción de los turistas sobre el uso de los recursos sócio-ambientales de la playa do Meio em Natal (RN)- Brasil”. Estudios y Perspectivas en Turismo. Vol. 19, N° 5, Septiembre- Octubre: 656-672.

Macedo, R. F.; Medeiros, V. C. F. A.; Azevedo, F. F.& Alves, M. L. B. (2011). “Ecoturismo de base comunitária: uma realidade ou uma utopia”. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural (PASOS), Vol.9, Nº 2: 437-448.

Marulo, A. M. (2012). “Turismo e meio ambiente: uma análise do ecoturismo e sua contribuição sócio-ambiental no distrito Matutuine: caso de reserva especial de Maputo- Moçambique”. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Turismo). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal,123f.

Mazaro, R. M. (2006). “Competitividad de destinos turísticos y sostenibilidad estratégica: proposición de un modelo de evaluación de factores y condicionantes determinantes”. Tesis Doctoral (Programa de Doctorado en Investigación y Técnicas de Mercado)- Universitat de Barcelona.

Ministério do Turismo. (2006). “Turismo social: diálogos do turismo: uma viagem de inclusão”. Instituto Brasileiro de Administração Municipal. Rio de Janeiro: IBAM.

Ministério do Turismo. (2015). “Melhores práticas de turismo sustentável: prêmio Braztoa de sustentabilidade”. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/images/pdf/30_03_2016_case_braztoa_web.pdf Acesso em: 30 maio 2018.

Molina, S. (1997). “Turismo: metodología para su planificación”. México: Trillas.

Molina, S. (2000). “Turismo y ecología”. México: Ed. Trillas.

Mowforth, M. & Munt, I. (2003). “Tourism and sustainability: development and new tourism in the third world”. 2.ed. Londres: Routledge.

Nitsche, L. B. (2007). “Um estudo fenomenológico do turismo”. Associação Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Turismo (ANPTUR). 27 a 28 de agosto.

Oyarzun Lillo, F.& Taucare, H.(2018). “El cambio de paradigma en el turismo sustentable: las implicancias para su gestión”. Estudios y Perspectivas en Turismo. Vol. 27, N° 1: 140-157.

Panosso Netto, A. (2005). “Filosofia do turismo: teoria e epistemologia”. São Paulo: Aleph.

Panosso Netto, A.& Nechar, M. C. (2014). “Epistemologia do turismo: escolas teóricas e proposta crítica”. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. São Paulo, Vol.8 (1): 120-144, jan./mar.

Ritchie, J. R. B. & Crouch, G. (2003). “The competitive destination: a sustainability perspective”. Univers. Calgary. Canadá.

Rodrigues, A. M. (2000). Desenvolvimento sustentável e atividade turística. IN: Serrano, C.; Bruhns, H. T. & Luchiari, M. T. D. P. (orgs). “Olhares contemporâneos sobre o turismo”. Campinas: Papirus.

Rodrigues, A. M. (2001). O mito da sustentabilidade da atividade turística. In: Banducci Junior & Moretti, E. C. “Qual paraíso? Turismo e meio ambiente em Bonito e no Pantanal”. São Paulo: Chronos: Campo Grande: Ed. UFMS.

Saldanha, E. E. (2007). “Modelo de avaliação de sustentabilidade sócio-ambiental”. 122f. Tese de Doutorado (Doutorado de Engenharia da Produção). Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis.

Santoro, M. A. G. (2014). “Análise da relação entre apego ao lugar, satisfação e fidelidade dos visitantes em destinos turísticos ambientais: um estudo em Fernando de Noronha/ PE”. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Turismo). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, 106 f.

Santos, J. G. & Cândido, G. A. (2018). “Atividades turísticas e indicadores de sustentabilidade: um estudo de um destino turístico brasileiro”. Vol. 16, N°1: 37-54.

Souza Junior, X. S. S. & Ito, C. A. (2005). “Turismo e espaço: uma leitura geográfica da interferência da atividade turística no processo de (re) organização sócio-espacial do município de João Pessoa-PB”. Scripta Nova: Revista Eletrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona. Vol. IX, N° 194 (116). Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-194-116.htm Acesso em: 29 maio 2018.

Telfer, D. & Sharpley, R. (2008). “Tourism and development in the developing word”. New York: Routledge.

Villegas, G. P. & Carrascal, E. (2000). “El desarollo turístico en Cancún, Quintana Roo y sus consecuencias sobre la cubierta vegetal”. Investigaciones Geográficas del Instituto de Geografia, N° 43:145-166.

Young, G. (1973). “Tourism: Blessing or Blight”. Harmondsworth. Penguin Books.

Publicado
10-12-2020
Como Citar
MACEDO, R. F. DE; GUERRA, S. M. G.; MARQUES JÚNIOR, S.; BENASSI, R. F.; FERNANDEZ, R. V. G.; SCHUTTE, G. R. Percepção dos pesquisadores brasileiros da relação entre turismo e desenvolvimento sustentável: entre a realidade e o mito da sustentabilidade. Turismo, Sociedade & Território, v. 2, n. 1, p. e25095, 10 dez. 2020.
Seção
Artigos