A POLÍCIA DO COLARINHO BRANCO: UMA CRÍTICA À INVESTIGAÇÃO CRIMINAL SELETIVA E SIMBÓLICA

Autores

  • Lucely Ginani Bordon
  • Rafael Bruno do Carmo Dias

Resumo

Este artigo tem como escopo elucidar e criticar o trabalho feito pela polícia na investigação criminal, analisando suas falhas diante dos crimes de colarinho branco e as justificativas criminológicas para a inoperância policial relativa aos criminosos de colarinho branco. Utiliza-se, para tanto, de conceitos encontrados na doutrina de Sutherland, de forma a identificar os significados sociais de uma investigação criminal falha. A partir disso chega-se a uma inegável constatação de que a seletividade e o simbolismo penal estão arraigados na nossa sociedade, refletindo primariamente na polícia, por essa encontrar-se absolutamente despreparada para tratar dos complexos crimes de colarinho branco, o que resulta nas enormes cifras negras que estão encobertas pela incapacidade policial de investigar esses crimes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

27-05-2015

Como Citar

BORDON, L. G.; DIAS, R. B. do C. A POLÍCIA DO COLARINHO BRANCO: UMA CRÍTICA À INVESTIGAÇÃO CRIMINAL SELETIVA E SIMBÓLICA. Revista Transgressões, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 70–83, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/transgressoes/article/view/7193. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos