“NO MATO DAS MANGABEIRAS”: POR UMA ETNOGRAFIA DA DURAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DO DOCUMENTÁRIO “NO MATO DAS MANGABEIRAS”: FOR AN ETHNOGRAPHY OF THE DURATION IN THE DOCUMENTARY CONSTRUCTION

Autores

  • Lisabete Coradini
  • Maria Angela Pavan

DOI:

https://doi.org/10.21680/2238-6009.2016v1n47ID11668

Palavras-chave:

Antropologia audiovisual. Populações tradicionais. Narrativas

Resumo

Este artigo é o resultado de um processo de produção do documentário sobre as catadoras
de mangaba em Natal/RN, entre 2013 e 2014. Para realizá-lo, imergimos na
vida das catadoras e suas lógicas de tempo e espaço no ambiente de coleta e também
onde moram. Compreendemos que há uma diferença grande quando usamos o audiovisual.
A lente necessita de uma ampliação para reconhecimento das pessoas. Desta
forma entendemos que o audiovisual permite uma relação intensa, que possibilita nos
aprofundarmos na vida das pessoas. Pretendemos, a partir deste artigo, um exercício
de compreender a etnografi a da duração na construção do audiovisual . Discorreremos
nas teorias da história de vida, história oral, antropologia visual e na comunicação. Para
realizar este estudo, buscamos produções de documentário que utilizam a etnografi a da
duração para a realização de produções audiovisuais. Ao longo do trabalho deste documentário,
desenvolvemos uma metodologia baseada na etnografi a da duração. Para
iniciar esta refl exão, utilizamos teóricos coo Grau (2002) e Eckert (2014).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

20-03-2017

Como Citar

CORADINI, L.; PAVAN, M. A. “NO MATO DAS MANGABEIRAS”: POR UMA ETNOGRAFIA DA DURAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DO DOCUMENTÁRIO “NO MATO DAS MANGABEIRAS”: FOR AN ETHNOGRAPHY OF THE DURATION IN THE DOCUMENTARY CONSTRUCTION. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 47, 2017. DOI: 10.21680/2238-6009.2016v1n47ID11668. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/11668. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos/Articles