“MENINAS DANADAS”

EXPLORAÇÃO SEXUAL, PROSTITUIÇÃO E AGÊNCIA FEMININA EM CONTEXTO INDÍGENA

Autores

  • Martinho Tota
  • Greilson José de Lima
  • Cassandra Véras

DOI:

https://doi.org/10.21680/2238-6009.2018v1n51ID17170

Resumo

Este artigo, construído a partir de fragmentos registrados durante pesquisas realizadas em pequenos municípios localizados no Litoral Norte do estado da Paraíba, trata de questões de sexo e gênero envolvendo crianças e adolescentes sexualmente “exploradas”, jovens mulheres engajadas na prática prostitutiva e “meninas danadas”, isto é, mulheres igualmente jovens, não diretamente inseridas no mercado de sexo comercial, mas que ainda assim são suscetíveis aos mesmos processos de rotulação aos quais são submetidas as “verdadeiras” profissionais do sexo. Embora cada uma dessas situações guarde particularidades que as distinguem, em todas elas está em jogo uma tensão entre as vulnerabilidades implicadas nas identidades de gênero e a autonomia feminina. Ou seja, os discursos e as representações “vitimistas” muitas vezes esquecem-se dos desejos e da capacidade a que os sujeitos mulheres, mesmo neste contexto específico, têm de obedecer ou resistir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

22-03-2019

Como Citar

TOTA, M.; DE LIMA, G. J.; VÉRAS, C. “MENINAS DANADAS”: EXPLORAÇÃO SEXUAL, PROSTITUIÇÃO E AGÊNCIA FEMININA EM CONTEXTO INDÍGENA. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 51, 2019. DOI: 10.21680/2238-6009.2018v1n51ID17170. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/17170. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê/Dossier