(IM)PACIENTES TRANS EN HOSPITALES PÚBLICOS DE BUENOS AIRES. LA EXPERIENCIA DE LA ESPERA Y LA ACCESIBILIDAD EN CONTEXTOS DE ESTIGMATIZACIÓN

  • Julián Ortega UBA
  • Maria Victoria Tiseyra UBA
  • Marine Gálvez IIGG
  • Santiago Morcillo UBA

Resumo

Na Argentina, a Lei de Identidade de gênero foi aprovada em 2012, e depois de três anos foi regulamentada pelo Ministério da Saúde. Diante deste contexto, este artigo apresenta um primeiro adiantamento da pesquisa onde situações de espera são discutidos no acesso à cuidados de saúde para as pessoas trans. Este trabalho faz parte de um projeto maior de caráter qualitativa, descritiva e exploratória que investiga as cenas de espera como estratégias institucionalizadas de governança para a regulação dos corpos sexuados e dinâmicas de poder envolvidas neles. Para esta fase inicial do trabalho de campo foram realizados entrevistassem profundidade com pessoas trans que usam o sistema de saúde pública e com profissionais de saúde que tratam esta população, juntamente com observações em dois grandes hospitais públicos da cidade de BuenosAires. As experiências de espera de pessoas trans em áreas de saúde se constituem, juntamente com outros fatores, como uma barreira tanto o acesso e continuidade de tratamentos de hormonização e cirurgias. Estes mostram como um sistema de saúde fragmentado e atravessado por assimetrias de classe e sexo-gênero, permite para o olhar biomédica configurar uma experiência singular de espera para as pessoas trans.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
09-10-2017
Como Citar
ORTEGA, J.; TISEYRA, M. V.; GÁLVEZ, M.; MORCILLO, S. (IM)PACIENTES TRANS EN HOSPITALES PÚBLICOS DE BUENOS AIRES. LA EXPERIENCIA DE LA ESPERA Y LA ACCESIBILIDAD EN CONTEXTOS DE ESTIGMATIZACIÓN. Vivência: Revista de Antropologia, v. 1, n. 49, p. 239-252, 9 out. 2017.
Seção
Artigos/Articles