A TRADIÇÃO DA PESCA NO TERRITÓRIO SESMARIA DO JARDIM (MARANHÃO): CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS E ESTRATÉGIAS DE MOBILIZAÇÃO

Autores

  • Flávio Bezerra Barros Professor dos Programas de Pós-Graduação em Antropologia e Agriculturas Amazônicas da UFPA e Ciências Ambientais da UNEMAT. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. https://orcid.org/0000-0002-6155-0511
  • Noemi Sakiara Miyasaka Porro Ph.D. em Antropologia Social pela University of Florida. Professora do Programa de Pós-Graduação em Agriculturas Amazônicas da UFPA. https://orcid.org/0000-0002-8781-4351
  • Anny da Silva Linhares Mestre em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável pela UFPA. Coordenadora da Comissão de Territórios Tradicionais do Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (ITERMA). https://orcid.org/0000-0002-2441-8685
  • Ciro de Souza Brito Mestre em Agriculturas Familiares e Desenvolvimento Sustentável pela UFPA. Professor da Universidade da Amazônia (UNAMA). https://orcid.org/0000-0002-5912-4839

DOI:

https://doi.org/10.21680/2238-6009.2019v1n53ID20596

Resumo

O artigo discute as práticas e os conhecimentos tradicionais associados à pesca no contexto de con?itos socioambientais envolvendo criadores de búfalos e as comunidades quilombolas Bom Jesus e São Caetano, ambos localizadas no Território Sesmaria do Jardim, município de Matinha, Estado do Maranhão. As estratégias de mobilização social levadas a cabo pelas famílias quilombolas com vistas a conservação do ambiente e o direito de acesso e uso dos recursos presentes nos campos inundáveis também são objeto de re?exão neste texto. Partimos de uma abordagem da pesquisa-ação e os métodos de investigação se assentam em entrevistas etnográ?cas, lista livre, observação participante, discussões em grupo de enfoque e o?cinas para ação pública. Os resultados demonstram como diferentes atores sociais se apropriam de modos distintos dos campos para exercer usos concorrentes. Os pescadores artesanais reivindicam o livre acesso ao campo enquanto recurso de uso comum, para o desenvolvimento de suas práticas sociais no trabalho da pesca associado à conservação dos recursos e da natureza. Criadores de búfalos e piscicultores, numa outra lógica, impõem a privatização dos campos, através da implantação de cercas elétricas e açudes arti?ciais para criação de peixes exóticos. Concluímos que a pesca artesanal dos quilombolas se constitui de práticas e conhecimentos tradicionais, e acima de tudo é construída por processos de resistência por direitos de?nidos num campo de forças políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

29-04-2020

Como Citar

BARROS, F. B. .; PORRO, N. S. M.; LINHARES, A. da S.; BRITO, C. de S. A TRADIÇÃO DA PESCA NO TERRITÓRIO SESMARIA DO JARDIM (MARANHÃO): CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS E ESTRATÉGIAS DE MOBILIZAÇÃO . Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 53, 2020. DOI: 10.21680/2238-6009.2019v1n53ID20596. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/20596. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê/Dossier