AS PLANTAS DA CASA: ETNOGRAFIA SOBRE O CULTIVO PLANTAS NO CONTEXTO URBANO

Autores

  • Lia Paletta Benatti Designer de produto, Mestre e Doutora em Design pela UEMG, professora efetiva do Instituto de Artes e Design da UFJF. https://orcid.org/0000-0003-1628-9585
  • André Carvalho Mol Silva Desenhista industrial com habilitação em programação visual, Mestre e Doutorando em design pela UEMG, professor efetivo do Instituto de Artes e Design da UFJF. https://orcid.org/0000-0002-7235-4006
  • Sebastiana Luiza Bragança Lana Geóloga pela UFMG, PhD em Engineering Materials – University of Sheffield, doutorado e pós-doutorado em Química pela UFMG. Membro do Corpo Docente permanente do PPGD da UEMG. Membro do colegiado fundador, professor permanente da REDEMAT. https://orcid.org/0000-0003-2076-5943

DOI:

https://doi.org/10.21680/2238-6009.2021v1n58ID27612

Resumo

Entre as diversas formas de cultivo de plantas em nossa sociedade, foram analisados neste estudo os costumes referentes às plantas nos ambientes residenciais. O artigo apresenta uma etnografia que mostra as relações de indivíduos nos usos, na percepção e na manipulação de recursos vegetais nos apartamentos de centros urbanos. Foram feitas entrevistas com famílias que fazem o cultivo de plantas em Juiz de Fora, Minas Gerais. Assim, este estudo de antropologia urbana faz um levantamento de como pessoas criam estratégias para manter esta atividade, apesar dos ambientes construídos muitas vezes a dificultarem. São apresentadas questões referentes à origem do vegetal na residência, estratégias de cultivo e relacionamentos entre pessoas e plantas. Como conclusão destaca-se que o cultivo é uma atividade que proporciona bem-estar e socialização, para além da relação com a alimentação e a estética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

21-12-2021

Como Citar

BENATTI, L. P. .; MOL SILVA, A. C. .; BRAGANÇA LANA, S. L. AS PLANTAS DA CASA: ETNOGRAFIA SOBRE O CULTIVO PLANTAS NO CONTEXTO URBANO. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 58, 2021. DOI: 10.21680/2238-6009.2021v1n58ID27612. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/27612. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Fluxo Contínuo/Continuous Flow