ÁGUA E SOMBRA COMO MATERIALIDADES AUSENTES NA CONFORMAÇÃO DE SÍTIOS CAMPONESES DO SERTÃO SEMIÁRIDO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2238-6009.2021v1n58ID27613

Resumo

O texto analisa o sítio camponês no semiárido a partir de uma escala regional diacrônica dando foco à importância da água e da sombra na organização socioespacial da unidade doméstica. Ressalta-se os modos particulares de interação com o ambiente da caatinga em casas situadas entre o Ceará, Pernambuco e Piauí. Parte-se de reflexões arqueológicas em torno da materialidade da ausência para entender as relações humano-não-humano estabelecidas pela ausência presente da água e pela presença ausente da sombra na, ao redor e a partir da casa. O binômio sombra-árvore no interior do terreiro é entendido como estruturante de novos espaços e experiências dialogais a práticas de sociabilidade. Já a ausência da água estabelece um sistema de objetos que ultrapassa a casa e é fundamental na construção da paisagem e em seu uso comum. As relações estabelecidas com a falta da água e as áreas de sombra são parte das dinâmicas materiais que constroem essas unidades domésticas como lugares significativos nos quais práticas locais foram mantidas ao longo do século XX, mas permissivas da integração de novas tecnologias e materiais aos saberes tradicionais e ao modo de vida regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

21-12-2021

Como Citar

SOUZA, R. de A. e. ÁGUA E SOMBRA COMO MATERIALIDADES AUSENTES NA CONFORMAÇÃO DE SÍTIOS CAMPONESES DO SERTÃO SEMIÁRIDO. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 58, 2021. DOI: 10.21680/2238-6009.2021v1n58ID27613. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/27613. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Fluxo Contínuo/Continuous Flow