FLEXIBILIDADE, LIBERDADE E DIREITOS: políticas e práticas de trabalho de mulheres migrantes no polo de fruticultura do Rio São Francisco – PE

Autores

  • Parry Scott Universidade Federal de Pernambuco
  • Dayse Amâncio dos Santos

Palavras-chave:

Mulher Migrante. Agricultura Irrigada. Petrolina

Resumo

Este trabalho discute a lógica de atração de agricultores do sequeiro, bem como de trabalhadores urbanos empobrecidos e em processos de exclusão, ao polo de fruticultura para exportação em Petrolina, Pernambuco.  Descreve brevemente a formação histórica do polo de investimento e desenvolvimento com vocação para agricultura irrigada. Depois de caracterizar os fluxos migratórios, enfatiza casos concretos em dois bairros que acolheram na cidade com políticas de habitação e de capacitação, e discute a sua relação com práticas de trabalho familiar. Examina quatro migrantes que fugiram da seca, da pobreza e exclusão urbana. Mostra o direcionamento dos integrantes das famílias migrantes para a preferência por trabalho rural de uma forma que facilita a sua integração nas estratégias de acumulação dos empresários, negociando apoio dos sindicatos. Discute estratégias de pluriatividade de famílias na economia sazonal e não-sazonal, no cuidado e no trabalho, e sua promoção pelos empregadores. Encerra com considerações sobre aspectos de uma sintonia ambígua entre flexibilidade, liberdade e regras nas lógicas familiares e nas políticas de uso de trabalho promovidas pelos empresários e por outros agentes do setor público, promotores de desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Parry Scott, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Antropologia

Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPE     

Dayse Amâncio dos Santos

Doutora em Antropologia pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPE

Downloads

Publicado

12-03-2015

Como Citar

SCOTT, P.; DOS SANTOS, D. A. FLEXIBILIDADE, LIBERDADE E DIREITOS: políticas e práticas de trabalho de mulheres migrantes no polo de fruticultura do Rio São Francisco – PE. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 43, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/6801. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê/Dossier