COLETORAS DE SEMENTES DO TAPAJÓS: Mulheres, saberes práticos, relações de gênero e a floresta

Autores

  • Rubens Elias da Silva

Palavras-chave:

Mulheres. Saberes práticos. Gênero.

Resumo

Este artigo procura investigar o papel das mulheres coletoras de sementes na construção de saberes práticos a partir do contato cotidiano com a floresta, tendo como démarche as relações de gênero como ponto nodal para a elaboração desse saber. O locus da pesquisa é a comunidade do Maguari, localizada no interior da Floresta Nacional do Tapajós, no município de Belterra, oeste do Pará. As coletoras de sementes desempenham o papel de apreender, dominar e usufruir os recursos disponíveis na floresta. Esse papel efetiva-se num saber-fazer transmitido ao longo de gerações de mulheres coletoras, pois o contato estreito com a mesma, cunha a identidade do grupo social e lhes confere sentido de ser e existir. A propriedade comunitária da floresta – segundo observação em campo – passa a ser constituída através de relações sociais de cooperação entre mateiros e coletoras de sementes. Essa associação é fundamental para que o trabalho de coleta se efetive e possa oferecer a entrada de capital necessário para a reprodução social e, também, assegure a permanência de populações vivendo dentro da floresta. A partir do que foi visto em campo, as diferenciações existentes nas relações de gênero emergem no sentido prático de tornar exequível as tarefas de trabalho dentro da floresta, eclodindo em estratégias sociais eficientes de cooperação entre gêneros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubens Elias da Silva

Professor Adjunto do Centro de Formação Interdisciplinar e Professor colaborador do Programa de Antropologia e Arqueologia da Universidade Federal do Oeste do Pará. Doutor em Sociologia pelo PPGS – UFPB.

Downloads

Publicado

12-03-2015

Como Citar

DA SILVA, R. E. COLETORAS DE SEMENTES DO TAPAJÓS: Mulheres, saberes práticos, relações de gênero e a floresta. Vivência: Revista de Antropologia, [S. l.], v. 1, n. 43, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/6806. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê/Dossier