Saúde mental na militância trans

lutas entre a representatividade e a sobrevivência

Autores

  • Felipe Baére Universidade de Brasília
  • Valeska Zanello Universidade de Brasília

Resumo

A saúde é uma pauta que sempre esteve presente na história do movimento trans brasileiro e, recentemente, tem sido observada maior atenção para o campo da saúde mental, devido ao impacto das difusas violências transfóbicas às quais essa população está submetida. Ao articular o movimento social com a saúde mental, o presente trabalho buscou analisar qualitativamente as vivências pessoais e a trajetória no movimento social de ativistas trans, a fim de compreender como a representatividade e a relação com o ativismo repercutem no seu bem-estar e na saúde mental. Foram produzidas três categorias, a saber: -) As dores e as delícias da representatividade; 2-) Situando o sofrimento psíquico na militância trans; 3-) Sobrevivência através da gestão do cuidado. Ao final, foi possível observar que como os efeitos das vivências hostis repercutem na saúde mental de ativistas, bem como nas relações que se estabelecem dentro do movimento trans.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valeska Zanello, Universidade de Brasília

Professora Associada 2 do departamento de Psicologia Clínica da Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

08-07-2024

Como Citar

BAÉRE, F.; ZANELLO, V. Saúde mental na militância trans: lutas entre a representatividade e a sobrevivência. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, [S. l.], v. 15, n. 23, 2024. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/30307. Acesso em: 22 jul. 2024.