Avaliação Farmacêutica da relação de Medicamentos padronizados em um Hospital psiquiatrico de referência

Palavras-chave: Farmácia Hospitalar; Curva ATC; Termolábeis.

Resumo

A Farmácia Hospitalar é um âmbito essencial inserido em uma unidade hospitalar desde os tempos mais remotos. A padronização de medicamentos em hospitais procurar selecionar os medicamentos que contemplam as necessidades terapêuticas da população que anseia atender. Sendo imprescindível a análise dos distúrbios mentais que representam um problema de saúde de importancia social. O objetivo central se baseia em realizar uma análise farmacêutica dos medicamentos padronizados em um hospital psiquiátrico de Teresina-PI. Com os objetivos específicos de analisar, identificar e caracterizar os medicamentos padronizados quanto à curva do ATC (Anatomical Therapeutic Chemical), quanto à existência de medicamentos termolábeis e a presença de medicamentos potencialmente perigosos (MPPs), e os relacionados com o risco de queda do paciente. Onde foi possível caracterizar os medicamentos padronizados quanto a classificação ATC, que se encontrou o maior número de medicamentos pertencentes à classe C de medicamentos que agem no aparelho cardiovascular, representando 15% do total. E os medicamentos termolábeis onde as insulinas foram as de maior incidência ocupando 25% destes medicamentos pertencentes ao hospital. Quanto aos medicamentos associados a risco de queda, foi possível obter-se que 37% estão associados a estes riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Código ATC. Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/datavisa/Substancia/ATC.htm:. Acesso em Maio de 2018.

ALVES, D. S. N. Reestruturação da atenção em saúde mental: situação atual: diretrizes e estratégias. En: Amarante P., editors. Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1994. 197–204.

ARAGÃO, G. F; Padronização de Medicamentos e Material Médico Hospitalar. Manualde Diluição da MEAC – UFC. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará Maternidade Escola Assis Chateaubriand. Faculdade de Medicina Departamento Materno Infantil, 2006.

BARBIERI, J. C.; MACHLINE, C. Logística hospitalar: teoria e prática. São Paulo: Saraiva, 2006.

BORGESTL, HEGADORENKM, MIASSOAI. Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos em mulheres atendidas em unidades básicas de saúde em um centro urbano. Rev Panam Salud Publica. Disponível em:< http://www.scielosp.org /scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892015000800003&lng=en&nrm=is o&t

lng=pt>. Acesso em: 10 mar.2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 3.916 de 30 de outubro de 1998. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v. 215-E, Seção 1, p. 18-22 de 10.11.98. Disponível em: <http://www.saude.df.gov/m>. Acesso em: 14 Abril. 2018.

BRASIL, Heloisa Helena A. Princípios gerais do emprego de psicofármacos. Revista Brasileira de Psiquiatria. São Paulo, v. 22, n. 2, p. 40-41, jun. 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação de controle de Infecção Hospitalar. Guia Básico para a Farmácia Hospitalar. Brasília 1994.

BRASIL. Conselho Regional de farmácia do Estado de São Paulo. FarmáciaHospitalar. São Paulo: Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo, 2013.

CARVALHO JUNIOR, Saulo de; MACEDO, Sonja Helena Madeira. Logística Farmacêutica Geral: da teoria à prática. São Paulo: CONTENTO, 2012.

CARVALHO, L.F.; DIMENSTEIN, M. O modelo de atenção á saúde e o uso de ansiolíticos ente mulheres. Estudos de Psicologia. Natal, v. 9, n.1,p.1-3, dez.2004. Disponivel em:http://www.scielo.br. . Acesso em 24 mar. 18.

CAVALLINI, M. E.; BISSON, M. P. Farmácia hospitalar: um enfoque em sistemas de

saúde. 2.ªEdição, Manole, 2010.

COHEN, Victor et al. Room-temperaturestorageofmedicationslabeled for refrigeration American. Journalof Health-System Pharmacy. v. 64, n. 16, p. 1711-1715. 2007.

COUTINHO, E. S. F.; SILVA, S. D. Uso de medicamentos como fator de risco para fratura grave decorrente de queda em idosos. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro: 2002. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/%0D/csp/v18n5/11009.pdf . Acesso em Maio de 2018.

CUMMING, R. G.; et al. Medicationsandmultiplefalls in elderlypeople: The St. Louis OASIS Study. 1991.

DANTAS, S. C. C. Farmácia Hospitalar: Farmácia e controle das infecções hospitalares. Pharmacia brasileira. N 8, 20 p, 2011. Disponível em: http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/130/encarte_farmacia_hospitalar.pdf. Acesso em Março de 2018.

DICCINI, S.; PINHO, P. G.; SANTOS, F. O. Avaliação de risco e incidência de queda em pacientes neurocirúrgicos. Rev. Latino Americana de Enfermagem 2008.

DUARTE, D.F. Uma breve história do opio e dos opióides. Rev. Brasil Anestesiol. P 135- 146. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rba/v55n1/ v55n1a15.pdf. Acesso em Abril de 2018.

Ferraza DA, da Rocha LC, Luzio CA. Medicalização em um serviço público de saúde mental: um estudo sobre a prescrição de psicofármacos. Gerais, Rev. Interins. Psicol. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sciarttext& pid=S1983-82202013000200008. Acesso em 21 mar.2018.

HAMRA, A.; RIBEIRO, M. B.; MIGUEL, O. F. Correlação entre fratura por queda em idosos e uso prévio de medicamentos. Acta. Orto. Bras. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aob/v15n3/a04v15n3. Acesso em Maio de 2018.

INOUE, K. C. et al. Risco de queda da cama. O desafio da enfermagem para a segurança do paciente. InvestEducEnferm. P 459-466. Maringá: 2011.

ISMP, Instituto para Práticas Seguras no Uso de Medicamentos. Medicamentos Potencialmente Perigosos de Uso Hospitalar e Ambulatorial - Listas Atualizadas 2015. Vol 4, n 3, 2015.

Kantorski LP, Guedes AC, Feijó AM, Hisse CN. Medicação pactuada como recurso terapêutico no processo de trabalho de um Caps: contribuições para a enfermagem. Texto Contexto Enferm. v.22, n.4, 2013.

Kaplan, Sadock BJ. Compêndio de Psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. 9ª ed. São Paulo: Artmed; 2007.

LIMA, M. C. P; MENEZES, P. R; CARANDINA, L; CESAR, C. L. G; BARROS, M. B. A; GOLDBAUM, M. Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos: impacto das condições socioeconômicas. v.42, p.717–23, 2008.

MAIA; NETO, J.F. Farmácia Hospitalar e suas interfaces com a saúde. São Paulo, 2005. 316p.

MAIA; NETO, J.F. Medicamentos associados à ocorrência de quedas. Rev Saúde Pública. V.6, n.1, 2017

MERCOSUL. GMC. Resolução n° 49, de 28 de novembro de 2002. Aprova o regulamento técnico Mercosul sobre as boas práticas de distribuição de produtos farmacêuticos. Disponível em: http://www.mercosur.int/innovaportal /v/3082/3/inno va.front/resoluc%C3%B5es-200. . Acesso em: 08 Abril. 2018.

Naves JOS, Silver LD. Evaluationofpharmaceuticalassistance in publicprimarycare in Brasília. Brazil. Rev. Saúde Pública. 2005; 39:223-30.

NETO, A. S. M.; MELO, F.B. SILVA, W. B. Frequência de problemas relacionados com medicamentos em pacientes que procuram o serviço de urgência de um hospital regional. Seguimento Farmacoterapêutico. p 213-224, 2005.

NETO, J.F.M. Farmácia Hospitalar e suas interfaces com saúde. São Paulo: RX, 2005.

NOTO, A.R; CARLINI, E.A; MASTROIANNI. et al. Analise de prescrição e dispensação de medicamento psicotrópico em dois municípios do Estado de São Paulo. RevBrasPsiq. v.24, n.2, p: 68-73,2002.

ORGANIZAÇÃO PAN–AMERICANA DE SAÚDE. Organização Mundial da Saúde. Relatório sobre a saúde no mundo de 2001: Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Geneva: OPAS; 2001.

ORLANDI,P; NOTO, A. R.Uso indevido de benzodiazepínico: um estudo com informantes chave no município de São Paulo. Revista Latino Americana de enfermagem. Ribeirão Preto, v. 13, p. 896-902. 2005

PATERNO, D. A administração de materiais no hospital: compras, almoxarifado e farmácia. 2. ed. São Paulo: CEDAS, 1990.

PEREIRA, M. O uso da curva ABC nas Empresas. 1999. 3p. Disponível em: http://www.ivansantos.com.br/ousoABC.pdf. Acesso em Maio de 2018.

PINHEIRO, K. A. T; et. al. Common mental disorders in adolescents: a populationbasedcross–sectionalstudy. RevBras Psiquiatr. v.29, p.241–5, 2007.

PORTELLA, A. Padronização e custos: uma questão de logística hospitalar, 2001.

PORTELLA, A. Padronização e custos: uma questão de logística hospitalar. [2001]. Disponível em http://www.guiadelogistica.com.br. Acesso em: 26 março 2017.

ROSA, M. B.; GOMES, M. J. V. M.; REIS, A. M. M. Abastecimento e Gerenciamento de Materiais. “In”: Gomes M. J, Reis, A. M. Ciências farmacêuticas: uma abordagem em farmácia hospitalar. 1. Ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2003.

SILVA, E. B. C. et al. Eventos adversos a medicamentos em um hospital sentinela do Estado de Goiás. Brasil. Rev. Latino Americana de Enfermagem. 2011.

SILVA, K.E.R.; ALVES, L.D.S.; SOARES, M.F.R.; PASSOS, R.C.S.; FARIA, A.R.; ROLIM NETO, P.J. Modelos de avaliação da estabilidade de fármacos e medicamentos para a indústria farmacêutica. Rev. Ciênc. Farm. Básica Apl. v.30, n.2, p.129-135, 2009.

SILVA, C.; FERREIRA, S.; MONTEIRO, C.; CARVALHO, A.; CARINHA, P. H. Medicamentos Termolábeis: Estabilidade Após Ruptura Da Cadeia De Frio. Livro De Actas Do VIII Colóquio De Farmácia (pp. 50-64). Presentedatthe VIII Colóquio de Farmácia, Vila Nova de Gaia.

SFORSIN, A. C. P; et. al. Gestão de compras em farmácia hospitalar. Encarte: Farmácia Hospitalar. nº 16. março/abril/maio. 2012.

TAKAHASHI, P. S. K.; RIBEIRO, E. Aquisição de medicamentos e materiais. “In” STORPIRTS, S; et al. Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008b.

TROMBINI, C. P. et al. Padronização de medicamentos: uma forma de garantir o seu uso racional em hospitais. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão. V. 3, n 3. 2011.

VENDRELL, C.M. et al. Posible validez de medicamentos termolábilesfuera de las condiciones de conservación recomendadas por el fabricante. Farm Hosp. v.28, n.6, p. 440-444, 2004.

WHO. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Annex 9: Modelguidance for thes torage and transportof time and temperature-sensitive pharmaceutical products. WHO TechnicalReport Series. 2011; 961:324-72.

XAVIER MS, TERRA MG, DA SILVA CT, MOSTARDEIRO SCTS, DA SILVA AA, DE FREITAS FF. O significado da utilização de psicofármacos para indivíduos com transtorno mental em acompanhamento ambulatorial. Esc. Anna Nery. v.18, n.2, 2014.

Publicado
22-07-2020
Como Citar
LIMA, J. V. DE O.; SOUSA, R. G. C.; OLIVEIRA, B. E. DA S.; SOUSA, C. F. A. DE J.; SILVA, A. R. DA; SILVA, I. P.; BARBOSA, M. C. N. A.; LOPES, L. A. DE S.; MENDES, F. M. DE A.; SANTANA, L. S. O. S.; PEREIRA JÚNIOR, J. L. Avaliação Farmacêutica da relação de Medicamentos padronizados em um Hospital psiquiatrico de referência. Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e1119, 22 jul. 2020.
Seção
Artigos