O ensino profissionalizante de 2º grau e a Teoria do Capital Humano (1970-1980)

Palavras-chave: Lei nº 5.692/71; Ensino de 2º grau; Educação profissional; Teoria do Capital Humano.

Resumo

O ensino de 2º grau tornou-se obrigatório e compulsório em todo o território nacional e trouxe consigo grandes desafios para a educação brasileira no período em foco, devido à ausência ou a insuficiência de estrutura material e humana para sua efetivação. Neste estudo, busca-se analisar, de maneira breve, qual a relação da Teoria do Capital Humano com a educação profissionalizante no Brasil, denominado ensino de 2° grau, a partir da implantação da Lei n° 5.692/71. O recorte temporal desta investigação são as décadas de 1970 e 1980, período inserido no contexto da ditadura militar no Brasil e de crescente industrialização da América Latina e da necessidade de mão de obra qualificada para atuar nesta indústria. Trata-se de uma pesquisa documental e de revisão bibliográfica. Questiona-se inicialmente: qual a relação da Teoria do Capital Humano com a reforma educacional ocorrida no Brasil nas décadas de 1970 e 1980 a partir da vigência da Lei n° 5.692/71? Os resultados indicam que a educação brasileira foi fortemente influenciada por tal concepção teórica. Apesar de conciso, este estudo procura enfatizar esta relação e demonstrar a construção histórica do economicismo na educação no período em análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Lei 5.692 de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm>. Acesso em: 23 jul. de 2020.

CAVALCANTE, Ilane Ferreira. Mulheres e Letras: representações femininas em revistas e romances das décadas de 1960 e 1970. Natal: Editora do IFRN, 2011.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. 2ed. São Paulo: Atlas, 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2010a.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e crise do capitalismo real. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2010b.

GAMBOA, Sílvio Sánchez. A globalização e os desafios da Educação no limiar do novo século. In: LOMBARDI, José Claudinei. (Org.). Globalização, Pós-modernidade e Educação: história, filosofia e temas transversais. Campinas: Associados, 2001.

HABERT, Nadine. A década de 70: apogeu e crise da ditadura militar brasileira. 2 ed. São Paulo: Ática, 1996.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

MOURA, Dante Henrique. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica:

Dualidade Histórica e perspectivas de Integração. HOLOS, Natal, v. 2, p. 4-30, 2007.

Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/11/110>. Acesso em: 23 jul. 2020.

SCHULTZ, T. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Trad. de Marco Aurélio de M. Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

Publicado
13-11-2020
Como Citar
CARLOS, N. L. S. D.; CAVALCANTE, I. F.; MEDEIROS NETA , O. M. DE. O ensino profissionalizante de 2º grau e a Teoria do Capital Humano (1970-1980). Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e11124, 13 nov. 2020.
Seção
Artigos