O papel da assistência farmacêutica no tratamento de pacientes com COVID-19 em hospital de referência no município de Fortaleza

  • Francinaldo Filho Castro Monteiro Universidade de Fortaleza
  • Igor Gomes de Araújo Universidade de Fortaleza
  • Rafaela Oliveira Santos Universidade de Fortaleza
  • Renata Moreira do Nascimento Universidade de Fortaleza
  • Lucas Meireles Arruda Loureiro Universidade de Fortaleza
  • Eni Teresinha Fleck de Paula Pessoa Universidade de Fortaleza
  • Arlandia Cristina Lima Nobre de Morais Universidade de Fortaleza
Palavras-chave: Hidroxicloroquina; Azitromicina; COVID-19; Assistência Farmacêutica.

Resumo

O objetivo do presente estudo foi analisar a execução do ciclo da assistência farmacêutica, frente a casos graves da COVID-19, em um hospital de referência no município de Fortaleza. Os dados foram coletados no site IntegraSUS, analisou-se a taxa de ocupação de leitos; quantidade de internados segundo sexo e faixa etária. Assistência Farmacêutica e hidroxicloroquina/cloroquina/azitromicina foram incluídos no estudo para busca em bases de dados. No dia 04 de junho de 2020 o hospital Leonardo da Vinci, encontrava-se com 163 leitos ocupados registrando 93,14% de taxa de ocupação, 126 óbitos e 178 altas. A maioria dos internados são homens (64,63%), enquanto as mulheres (35,37%). Em relação a faixa etária, a maior taxa de internação é identificada para indivíduos entre 40 a 74 anos ou mais, os homens de 50 a 54 anos somam o maior número de internações (vinte e quatro) em relação ao sexo masculino e em relação ao geral, enquanto as mulheres de 80 anos ou mais são as que somam maior número de internações em relação ao sexo feminino. Os critérios de eficácia e segurança são a base para a seleção de itens que irão compor o subconjunto de medicamentos do hospital, passando por etapas do ciclo da assistência farmacêutica. Conclui-se que a adequação e norteamento das ações da assistência farmacêutica em meio a pandemia declarada da COVID-19 se torna eficaz para compreensão dos procedimentos a serem realizados em meio a uma situação tão complexa como esta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Resolução da diretoria colegiada – RDC n° 351, de 20 de março de 2020. Dispões sobre a Atualização do anexo I da Portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998. Brasília. 2020. Disponível em: . Acesso em 15. 06. 2020

BRASIL. Decreto Legislativo nº 6, de 2020. Reconhece, para os fins do art. 65 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, a ocorrência do estado de calamidade pública, nos termos da solicitação do Presidente da República encaminhada por meio da Mensagem nº 93, de 18 de março de 2020. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília. 2020. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/portaria/DLG6-2020.htm#:~:text=DECRETO%20LEGISLATIVO%20N%C2%BA%206%2C%20DE,18%20de%20mar%C3%A7o%20de%202020.>. Acesso em: 15. 06. 2020.

BRASIL. Decreto nº 3.555, de 8 de agosto de 2000. Aprova o Regulamento para a modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3555.htm>. Acesso em: 15. 06. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005. Regulamenta o pregão, na forma eletrônica, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília. 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5450.htm>. Acesso em: 15. 06. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.520, de 17 de julho de 2002. Institui, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, nos termos do art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, modalidade de licitação denominada pregão, para aquisição de bens e serviços comuns, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo Brasília. 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10520.htm>. Acesso em: 15. 06. 2020.

BRASIL. Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília. 1993. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8666cons.htm>. Acesso em: 15. 06. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes para Diagnóstico e Tratamento da COVID-19: Versão 1. Brasília. 2020. Disponível em: <https://sbim.org.br/images/files/notas-tecnicas/ddt-covid-19-200407.pdf>. Acesso em: 04. 06. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Relação de Medicamentos Essenciais – RENAME. Brasília. 2020. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relacao_medicamentos_rename_2020.pdf>. Acesso em: 04. 06. 2020.

BRASIL. Portaria n° 344, de 12 de maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Órgão Emissor: Ministério da Saúde. Brasília. 1998. Disponível em: Acesso em 15. 05. 2020.

CARDOSO, A. Hospital Leonardo Da Vinci começa a receber exclusivamente pacientes com Covid-19. Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza. 23 de março de 2020. Disponível em: <https://www.saude.ce.gov.br/2020/03/23/hospital-leonardo-da-vinci-comeca-a-receber-exclusivamente-pacientes-com-covid-19/>. Acesso em: 23. 04. 2020.

CEARÁ. Governo do Estado do Ceará. Acompanhamento de Internações – Hospital Leonardo da Vinci. Fortaleza. 04 de julho de 2020. Disponível em: <https://indicadores.integrasus.saude.ce.gov.br/indicadores/indicadores-coronavirus/acompanhamento-internacoes>. Acesso em: 04. 07. 2020.

CEARÁ. Governo do Estado do Ceará. Ordem de Compra/Serviço n° 17320/ 2020, de 28 de março de 2020. Dispõe da compra de material farmacológico para o SUS através do Fundo Estadual de Saúde – Fundes. Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado – CGE. 28 de março de 2020. Disponível em: <https://cearatransparente.ce.gov.br/portal-da-transparencia/despesas/notas-de empenho/2635920?locale=pt-BR&print=true>. Acesso em: 04. 06. 2020.

CEARÁ. Governo do Estado do Ceará. Ordem de Compra/Serviço n° 19356/ 2020, de 13 de abril de 2020. Dispõe da compra de material farmacológico para o SUS através do Fundo Estadual de Saúde – Fundes. Controladoria e Ouvidoria Geral do Estado – CGE. 13 de abril de 2020. Disponível em: <https://cearatransparente.ce.gov.br/portal-da-transparencia/despesas/notas-de-empenho/2642999?locale=pt-BR&print=true>. Acesso em: 15. 06. 2020.

DUARTE, D.B.; COELHO, L.J.; NASCIMENTO, G.N.L. Atualidades da Farmacoterapia da COVID-19. Revista Desafios, v.7, n. 3, p.81-89. 2020. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/8983>. Acesso em: 03. 06. 2020.

FORTALEZA. Prefeitura de Fortaleza. Catálogo de Serviços de Saúde. Fortaleza. 2020. Disponível em: <https://catalogodeservicos.fortaleza.ce.gov.br/categoria/saude/servico/56>. Acesso em: 23.04.2020.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama: Fortaleza, Ceará, Brasil. Rio de Janeiro. 4, 3, 49. 2017. Disponível em <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/fortaleza/panorama>. Acesso em: 19. 04. 2020.

IMOTO, A. M; GOTTEMS, L.B.D; BRANCO, H.P.C; SANTANA, L.A; MONTEIRO, O.L.R; FERNANDES, S.E.S; AMORIM, F.F. Cloroquina e Hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19: Sumário de Evidências. CCS, v.1, n. 31, p.17-30. 2020. Disponível em: <http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/653>. Acesso em: 01. 05. 2020.

JUNIOR, J.M.N; PAGANELLI, M.O; TAVARES, N.U.L; SOEIRO, O.M; COSTA, K.S. Dispensação: dispensar e entregar não são sinônimos. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica. Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial de Saúde – OPAS/OMS, v.16, n.1, p.1-5. 2016. Disponível em: < https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1544-dispensacao-dispensar-e-entregar-nao-sao-sinonimos-4&category_slug=serie-uso-racional-medicamentos-284&Itemid=965>. Acesso em: 17. 06. 2020.

KARNIKOWSKI, M.G.O; GALATO, D; MEINERS, M.M.M.A; SILVA, E.V; GERLACK, L.F; BÓS, A.J.G; LEITE, S.N; ÁLVARES, J; GUIBU, I.A; SOEIRO, O.M; COSTA, K.S; COSTA, E.A; JUNIOR, A.A.G; ACURCIO, F.A. Caracterização da seleção de medicamentos para a atenção primária no Brasil. Rev. Saúde Pública, v.2, n. 51, p.1-10. 2017. Disponível em: <https://www.scielosp.org/article/rsp/2017.v51suppl2/9s/pt/#>. Acesso em: 03. 06. 2020.

MAHÉVAS, M; TRAN, T; ROUMIER, M; CHABROL, A; PAULE, R; GUILLAUD, C; G.A LLIEN, S; LEPEULE, R; SZWEBEL, T.A; LESCURE, X; SCHLEMMER, F; MATIGNON, M; KHELLAF, M; CRICKX, E; TERRIER, B; MORBIEU, C; LEGENDRE, P; DANG, J; SCHOINDRE, Y; PAWLOTSKI, J.M; MICHEL, M; PERRODEAU, E; CARLIER, N; ROCHE, N; LASTOURS, V; MOUTHON, E; AUDUREAU, E; RAVAUD, P; GODEAU, B; COSTEDOAT, N. No evidence of clinical efficacy of hydroxychloroquine in patients hospitalized for COVID-19 infection with oxygen requirement: results of a study using routinely collected data to emulate a target trial. MedRxiv. 2020. Disponível em: <https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2020.04.10.20060699v1.article-info>. Acesso em: 01. 05. 2020.

MENEZES, C.R; SANCHES, C; CHEQUER, F.M.D. Efetividade e toxicidade da cloroquina e da hidroxicloroquina associada (ou não) à azitromicina para tratamento da COVID-19. O que sabemos até o momento?. J. Health Biol Sci (Online); v.1, n.8, p.1-9. 2020. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1095354>. Acesso em: 04. 06. 2020.

MONTEIRO, A.S; COELHO, C.S.O; LINS, D.N; OLIVEIRA, E.C; ALEXANDRE, L.A.C. A Logística na Aquisição de Medicamentos pelo SUS no Município de Petrolina. Id on Line Rev. Psic, v.37, n.11, p.37-46. 2017. Disponível em: <https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/806/1173>. Acesso em: 17. 06. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – OPAS/OMS. Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Brasília. 22 de abril de 2020. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875>. Acesso em: 23. 04. 2020.

PEREIRA, R.M. Planejamento, Programação e Aquisição: prever para prover. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica. Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial de Saúde – OPAS/OMS. V.10, n.1, p.1-7. 2016. Disponível em: <http://www.rets.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/arquivos/biblioteca/fasciculo_10.pdf>. Acesso em: 04. 06. 2020.

PINTO, V.B. Armazenamento e distribuição: o medicamento também merece cuidados. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica. Brasília. Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial de Saúde – OPAS/OMS. v.12, n.1, p.1-7. 2016. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1540-armazenamento-e-distribuicao-o-medicamento-tambem-merece-cuidados-0&category_slug=serie-uso-racional-medicamentos-284&Itemid=965.>. Acesso em: 16. 06. 2020.

RIBEIRO, V.F; SAPUCAIA, K.C.G; ARAGÃO, L.A.O; BISPO, I.C.S; OLIVEIRA, V.F; ALVES, B.L. Realização de intervenções farmacêuticas por meio de uma experiência em farmácia clínica. Rev Bras Farm Hosp Serv Saúde, v.4, n.6, p.18-22. 2015. Disponível em: <https://www.rbfhss.org.br/sbrafh/article/view/238>. Acesso em: 06. 07. 2020.

SILVA, K.F.T. Distribuição de medicamentos da central de abastecimento farmacêutico para as unidades de saúde: com ênfase nas falhas do processo. FACIDER: Revista Científica, v.8, p.1-28. Colider. 2015. Disponível em: <http://sei-cesucol.edu.br/revista/index.php/facider/article/view/139/174>. Acesso em: 16. 06. 2020.

SILVEIRA, M. C. O uso Off Label de Medicamentos no Brasil. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Fundação Oswaldo Cruz. Brasília. 2019. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/39683>. Acesso em: 17.06. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ – UFC. HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO – UFC. Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. Informativa Sobre o Uso de Macrolídeos no Contexto da COVID-19. NOTA TÉCNICA NOT.SCIH.001. Ceará. 03 de abril de 2020. Disponível em: <http://www2.ebserh.gov.br/documents/214604/5100903/NOT.SCIH_.OO1-INFORMATIVA-SOBRE-O-USO-DE-MACROL%C3%8DDEOS-NO-CONTEXTO-DA-COVID19.pdf/1c085550-54be-411c-92ab-e025a34ee0a7>. Acesso em: 15. 06. 2020.

VIGNOLI, R.; PARDO, L. Manual de Mecanismos de Resistência aos Antibióticos Macrolídeos e Lincosamidas. EUCAST. Curso on-line “Interpretação do Antibiograma na prática clínica diária”. 2016. Disponível em: <https://cdn1.redemc.net/campus/wp-content/uploads/2016/08/M9-Macr%C3%B3lidos-y-Lincosaminas-PT.pdf>. Acesso em: 04. 06. 2020.

Publicado
13-11-2020
Como Citar
MONTEIRO, F. F. C.; ARAÚJO, I. G. DE; SANTOS, R. O.; NASCIMENTO, R. M. DO; LOUREIRO, L. M. A.; PESSOA, E. T. F. DE P.; MORAIS, A. C. L. N. DE. O papel da assistência farmacêutica no tratamento de pacientes com COVID-19 em hospital de referência no município de Fortaleza. Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e11127, 13 nov. 2020.
Seção
Artigos