País em Crise: O transporte e os Motoristas no Novo Brasil

Palavras-chave: Competência e Comportamento empreendedor; Tomada de decisão; Transporte de cargas.

Resumo

O caso propõe analisar os dilemas do investidor que envolvem a iniciativa do risco de investimento e visão empreendedora no setor de transporte. Com dois anos de existência, na cidade onde atua, a empresa se tornou líder de mercado do seu segmento. Essa história retrata a realidade de um sonho de um jovem motorista que virou realidade, após cinco anos de muita estrada conseguiu abrir seu próprio negócio, a transportadora. A denominação “BRASIL NOVO” foi o nome para enfrentar a crise que o estado estava passando. Devido às diferenças entre os empreendedores do setor, temendo os riscos, o proprietário analisa os prós e os contras, mas foca no investimento da frota, abertura de filiais, mantendo a fidelização dos clientes. A vida desse jovem, estimula os alunos a buscar soluções para os negócios, compreender a estratégia particular e a busca pelo tal “sonho” realizado. O resultado da pesquisa corrobora a competência empreendedora do indivíduo, característica no comportamento do setor de transporte e empreendedores, que aponta olhares voltados ao mercado, à oportunidade de expansão e ao cliente. Isso traz à tona a discussão, em sala de aula, sobre as habilidades empreendedoras e a proposta de soluções para a tomada de decisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ruan Carlos dos Santos, Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI

Doutorando em Administração pela UNIVALI. Mestre em Administração de Empresas pela UNIVALI. Especialista em Metodologia de Ensino de Filosofia e Sociologia pela FCV. Especialista em Gestão Empresarial pela FAPAG. Especialista em EAD e Metodologia Superior pela UNISOCIESC. Licenciatura em Filosofia e Ciências Sociais pela FAERPI. Bacharelando em Administração pela UFSC. Bacharel em Teologia pela FACASC. Bacharel em Filosofia pela UNISUL. Membro do Grupo. Estudos de Estratégia e Performance (GEEP) do CNPQ / UNIVALI

Vanderson de Melo, BRASIL NOVO S.A

Tecnologia em Logistica pela UNIVALI. Especialização em Gestão de Pessoas pela FAPAG.

Lidinei Éder Orso, Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI

Bacharel em Contabilidade-URI; Especialista em Finanças-IMED; Mestrado em Administração no Programa de Pós-graduação de Administração-UNIVALI.

Claudete Correa dos Santos, Instituto Federal Catarinense- IFC

Possui graduação em Administração pela pela FAI - Faculdades (UCEFF - 2015). Mestrado em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI (bolsista CAPES na linha de pesquisa Estratégia nas Organizações). Professora de Administração no IFC - Instituto Federal Catarinense - Campus Luzerna nos cursos de Ensino Médio Integrado em Segurança do Trabalho e Mecânica (Gerenciamento e Comunicação e Gestão e Empreendedorismo), curso Técnico em Mecânica (Liderança e Empreendedorismo e Metodologia para Elaboração de Projetos) e Graduação em Engenharia Mecânica e Engenharia de Controle e Automação (Contabilidade Gerencial e Custos, Engenharia Econômica e Empreendedorismo, Gestão da Produção e da Qualidade, Organização Industrial e Recursos Renováveis). Participante do grupo de pesquisa - Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil (DGP): Grupo de Processo Formação de Estratégias (PROFORME). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: empresas familiares, cooperativismo, sucessão familiar, gestão organizacional, empreendedorismo, comportamento e cultura organizacional, capacidades dinâmicas, planejamento estratégico e marketing.

Gilmar Lorenceti da Silva, Centro Universitário Avantis- UNIAVAN

Graduado em Administração pela Faculdade Avantis (2006). Especialista em Gestão de Empresas e de Pessoas pela Faculdade Avantis (2011), bem como em Controle da Gestão Pública Municipal pela UFSC (2012). É Mestre em Gestão de Políticas Públicas pela Univali (2015). Atualmente na UNIAVAN é Coordenador dos Cursos: Comércio Exterior, Gestão Financeira, Gestão de Recursos Humanos, Gestão Pública, Logística, e Marketing, Professor/Tutor do Ensino Superior no curso de Administração.

Referências

BRASIL NOVO TRANSPORTES. Disponível em: <http://www.brasilnovo.com>. Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL, M. L. A. V. (2015). O processo de inovação social a partir de práticas de liderança e de competências empreendedoras: um estudo no setor cultural do estado do Amazonas. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Administração e Turismo, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, SC.

BAMIATZI, V.; JONES, S.; MITCHELMORE, S.; NIKOLOPOULOS, K. (2015). The role of competencies in shaping the leadership style of female entrepreneurs: the case of North West of England, Yorkshire, and North Wales. Journal of Small Business Management, v. 53, n. 3, p. 627-644.

BEHLING, G.; LENZI, F. C. (2019). Competências empreendedoras e comportamento estratégico: um estudo com microempreendedores em um país emergente. Brazilian Business Review, 16(3), 255-272.

CERTO, S. C.; PETER, J. P. (1993). Administração Estratégica – Planejamento e Implantação da Estratégia. 1. ed. São Paulo: Makron Books.

CHELL, E.; CHELL, E. (2013). Review of skill and the entrepreneurial process. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, v. 19, n. 1, p. 6-31.

FEUERSCHÜTTE, S.G.; GODOI, C.K. (2008). Competências de Empreendedores Hoteleiros: um estudo a partir da metodologia da história oral. Turismo - Visão e Ação - vol. 10 - n.1 p. 39-55 jan. /abr.

BEHLING, G.; LENZI, F. C. (2019). Competências Empreendedoras e Comportamento Estratégico: um Estudo com Microempreendedores em um País Emergente. BBR. Brazilian Business Review, 16(3), 255-272.

JAIN, R. K. (2011). Entrepreneurial Competencies: A Meta-analysis and Comprehensive Conceptualization for Future Research. Vision, 15(2) 127–152.

JORGE, R. R.; URICH, L. G.; JUNGER, A. P.; DE ANDRADE, A. A.; BLUMETTI FACÓ, J. F. O ecossistema de fintechs no brasil. Revista de Casos e Consultoria, v. 9, n. 3, p. e931, 1 jul. 2018.

LENZI, F. C.; SANTOS, S.A.; CASADO, T.; RODRIGUES, L.C. (2011). Talentos Inovadores na Empresa: Como identificar e desenvolver empreendedores corporativos. Curitiba: IBPEX.

LIZOTE, S. A.; VERDINELLI, M. A.; BERVIAN, L. M.; NASCIMENTO, S. (2018). Competências empreendedoras e desempenho dos cursos de graduação: um estudo de suas relações a partir da percepção dos diretores de centro. Revista de Administração Contemporânea, 22(3), 311-335.

MARIN, A. C.; ANUNCIAÇÃO, F. S.; ORTRIWANO, F. A.; JUNGER, A. P.; BLUMETTI FACO, J. F. (2018). Empreendedorismo cultural: benefícios da captação de recursos para o museu casa das rosas. Revista de Casos e Consultoria, v. 9, n. 4, p. e944, 13 set. 2018.

MENEGHATTI, M. R., RUAS, R. L.; DA COSTA, P. R.; PEDRON, C. D. (2020). As categorias da formação empreendedora e a mobilização de competências no ambiente de ensino superior. Revista Alcance, 27 (2), 251-272.

MIDDLETON, K.W.; DONNELLON, A. (2014). Personalizing entrepreneurial learning: A pedagogy for facilitating the know why. Entrepreneurship Research Journal, v. 4, n. 2, p. 167-204.

MILES, R. E.; SNOW, C.C.; MEYER, A. D.; COLEMAN, H.J. (1978) Organizational strategy, structure, and process. Academy of management review, v. 3, n. 3, p. 546-562.

MINTZBERG, H. (1988). Estratégias Genéricas. In: Mintzberg, H.; Lampel, J.; Quinn, J.B.; Mintzberg, H. Generic Strategies: Toward a Comprehensive Framework. Advances in Strategic Management, Greenwich, v. 5, JAI Press, p. 1-67.

MITCHELMORE, S.; ROWLEY, J. (2010). Entrepreneurial competencies: a literature review and development agenda. International journal of entrepreneurial Behavior & Research, v. 16, n. 2, p. 92-111.

NASSIF, V. M. J.; ANDREASSI, T.; SIMÕES, F. (2011). Competências empreendedoras: há diferenças entre empreendedores e intraempreendedores? RAI Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 3, p. 33-54.

NETO, J. F. R.; MUÑOZ-GALLEGO, P. A.; SOUZA, C. C., RODRIGUES, W.; PORTER, M. (1986). Estratégias Competitivas Genéricas. In: Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus, p. 49-60.

PORTER, M. (1999). Competição: estratégias competitivas essenciais. 4 ed. Rio de Janeiro: Campus.

PRIYANTO, S. H.; SANDJOJO, I. (2005). Relationship between entrepreneurial learning, entrepreneurial competencies and venture success: Empirical study on SMEs. International Journal Entrepreneurship and Innovation Management, v. 5, n. 5/6, p. 454-467.

ROESCH, S. M. A. (2007). Casos de ensino em administração: notas sobre a construção de casos para ensino. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, abr/jun, p. 213-234.

SÁNCHEZ, J. (2012). The influence of entrepreneurial competencies on small firm performance. Revista Latinoamericana de Psicología, v. 44, n. 2, p. 165-177.

ZAMPIER, M. A.; TAKAHASHI, A.R.W.; FERNANDES, B.H. (2012). Sedimentando as bases de um conceito: as competências empreendedoras. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas - REGEPE, v.1, n.1, jan/abril.

Publicado
25-03-2021
Como Citar
SANTOS, R. C. DOS; MELO, V. DE; ORSO, L. ÉDER; SANTOS, C. C. DOS; SILVA, G. L. DA. País em Crise: O transporte e os Motoristas no Novo Brasil. Revista de Casos e Consultoria, v. 12, n. 1, p. e23446, 25 mar. 2021.
Seção
Casos