A Linguagem Simples no Atendimento Educacional Especializado e as tessituras da inclusão

Palavras-chave: Acessibilidade textual; Educação Inclusiva; Sala de Recursos Multifuncionais; Linguagem Simples.

Resumo

A educação é uma questão de direitos humanos e as pessoas com deficiência devem fazer parte dela. Uma Escola Inclusiva é aquela que educa todos os alunos em classes regulares, pois todos os educandos têm oportunidades adequadas de aprender, que são desafiadoras, mas que são adequadas às suas habilidades e necessidades, assim como recebem o apoio que eles e seus docentes precisam para terem sucesso nas atividades. A Linguagem Simples é uma forma de acessibilidade que busca a superação de barreiras comunicacionais, através da adaptação de textos para uma linguagem que se aproxime mais da fala, uma linguagem com palavras mais usuais, buscando a participação ativa do individuo na sociedade. Ela pode favorecer a diversos públicos, inclusive às pessoas com deficiência ou com algum transtorno de aprendizagem. Diante disso, o objetivo do presente estudo será oferecer uma formação em Linguagem Simples aos professores do Atendimento Educacional Especializado, no município de São José de Mipibu/RN. Na busca de alcançarmos tal objetivo, realizaremos oficinas de formação para os professores atuantes nas Salas de Recursos Multifuncionais, realizando um Estudo de Caso, através da observação, aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas, anteriores e posteriores à realização das oficinas. Como produto inicial, produzimos um vídeo de apresentação das oficinas que se encontra no repositório da eduCAPES. Buscaremos, ao final das oficinas, que os professores possam ser capazes de adaptarem textos de forma adequada para os alunos que apresentam deficiência na escola regular. Pretendemos com o presente estudo contribuir para futuras investigações e formações na área da Linguagem Simples na Educação Inclusiva, já que, na atualidade, existem poucas pesquisas e estudos relacionados com essa temática no nosso país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRAGA, J., & MENEZES, L. (2015). Introdução aos Objetos de Aprendizagem. In B. Juliana (Org.). Objetos de Aprendizagem Volume 1: introdução e fundamentos. (pp. 10-34). Santo André: UFABC. Disponível em: http://pesquisa.ufabc.edu.br/intera/wpcontent/uploads/2015/11/ObjetosDeAprendizagemVol1_Braga.pdf.

BRASIL. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm; acesso em: 11 dezembro. 2020.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: SEESP/MEC, 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf>. Acesso em 11 dezembro. 2020.

DINIZ, Débora; BARBOSA, Lívia; SANTOS, Wenderson Rufino dos. Deficiência, Direitos Humanos e Justiça. SUR, v. 6, n. 11, dez. 2009. p. 65-77. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sur/v6n11/04.pdf.

FISCHER, Heloisa. So é acessível se der para entender. In: MICHELON, Francisca Ferreira; SALASAR, Desirée Nobre (Orgs.). Acessibilidade Cultural, Atravessando Fronteiras. Pelotas: Ed. da UFPel, 2020, p. 244-356.

MARTINS, Lúcia de Araújo Ramos. História da educação de pessoas com deficiência: da antiguidade ao início do século XXI. Campinas: Mercado das Letras, 2015.

MAZZOTTA, Marcos José Silveira. Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.

RODRIGUES, David. Dez ideias (mal)feitas sobre a educação inclusiva. In: RODRIGUES, David (Org.) Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. Disponível em: http://www.ceeja.ufscar.br/dez_ideias_sobre_deficientes.

SANTOS, Izequias Estevam dos. Textos selecionados de métodos e técnicas de pesquisa científica. 4. ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2003.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, William. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

VIEIRA, E. VOLQUIND, L. Oficinas de ensino? O quê? Por quê? Como? 4. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Publicado
23-12-2020
Como Citar
SOUZA, F. L. DE; MARTINS, L. DE A. R. A Linguagem Simples no Atendimento Educacional Especializado e as tessituras da inclusão. Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e11136, 23 dez. 2020.
Seção
Artigos