Paradigmas curriculares, novas tecnologias e a engenharia

Palavras-chave: Grade curricular; Tecnologia; Engenharia.

Resumo

Este trabalho é o resultado de estudos elaborados pela pesquisadora sobre as atualizações do currículo nos cursos de engenharia na Universidade do Estado de Minas Gerais, uma vez que, enquanto docente da área, percebeu que há tempos a forma de trabalhar os currículos se mantém inalterada, apesar das evoluções tecnológicas, culturais e científicas. Por isso, elaborou-se um estudo detalhado de todas as searas pertinentes ao currículo, passo a passo. Antes, porém elaborou-se uma pesquisa de campo para dar uma melhor organização e veracidade da realidade acadêmica. A partir desta iniciativa, o estudo foi tomando corpo e as questões elaboradas formaram a fundamentação teórica. Num primeiro momento, arguiu-se os coordenadores/professores de curso, compilou-se os dados e percebeu-se a necessidade de arguir os discentes também, o que contribuiu fortemente para a troca de informações com a embasamento bibliográfico e para a conclusão. O que antes permeava o imaginário da pesquisadora passou a realidade de fato. Na conclusão, ficou comprovado que o processo ensino-aprendizagem nunca estará completo, ele sempre estará em processo de atualização. Considera-se, portanto, que a questão não é pertinente à universidade em atualizar equipamentos de última geração em seus laboratórios, e nem o currículo tradicional enquanto a sua organização horizontal e vertical, impossibilitando a interdisciplinaridade. O que tende a fazer diferença é a forma como este currículo é administrado pelo docente. O docente deve administrar as novas tecnologias em relação aos conteúdos inerentes à formação do profissional que oportunizam a aplicação dos conhecimentos teóricos do estudante de engenharia na prática, que desenvolvem de forma eficaz habilidades necessárias para a sua formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Carolina Simões, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professora da Faculdade de Engenharia da Universidade do Estado de Minas Gerais Campus João Monlevade/MG.Doutoranda em Ciências da Educação (UPAP), Mestre em Ciências da Educação (UPAP), pós-graduada em matemática e Estatistica pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), graduada em Matemática e Ciências pela Universidade Vale do Rio Doce.

Leonardo Lúcio de Araújo Gouveia, Universidade do Estado de Minas Gerais

Professor na Universidade do Estado de Minas Gerais, possui graduação em Estudos Sociais pelo Instituto Cultural Newton de Paiva Ferreira (1988), graduação em Geografia pela Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais (1991) e mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002). Atualmente é professor nivel PEB 4L24 - Colegio Tiradentes da Policia Militar de Belo Horizonte, é professor da UEMG no curso de Engenharia Ambiental, Civil e Metalúrgcia. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Fisica. É consultor do Conselho Estadual de Educação, para reconhecimento e recredenciamento de cursos no Estado de Minas Gerais.

Referências

BRASIL. Lei n. 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, no. 248, dez. 1996, p. 27.833-27.841. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/LF9394_96.pdf >. Acesso em: 14 fev. 2021.

CNE. Ministério da Educação. Resolução CNE/ CES 11/2002. Diretrizes curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES112002.pdf>. Acesso em:14 fev.

DA FONSECA, João José Saraiva. Apostila de metodologia da pesquisa científica. João José Saraiva da Fonseca, 2002. Disponível em: <http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo-2012-1/1SF/Sandra/apostilaMetodologia.pdf>. Acesso em: 14 fev. 2021.

DCN. Resolução 11 do Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Superior, de 11 de março de 2002: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 32. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/LF9394_96.pdf >. Acesso em: 14 fev. 2021.

KRAMER, Sonia. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Educação & Sociedade, v. 18, n. 60, p. 15-35, 1997.

KUEHN, A.; BAZZO, W. A. O que Faremos da Educação Tecnológica. Revista de Ensino de Engenharia. Brasília, 2004. v. 23, n. 2, p. 9-17.

MASETTO, Marcos T. (org.). Competência pedagógica do professor universitário. Editorial Sumus, SP: 2012. 11p, il.

PERRENOUD, Philippe. Construir competências desde a escola. Editora Alegre, Porto Alegre: 1999. 54 e 58p, il.

SIMÕES, Anna Carolina; HESPANHOL, Aurélia de Cássia Ferreira; ESTRELA, José Mário da Silveira. PARADIGMAS CURRICULARES, NOVAS TECNOLOGIAS E A ENGENHARIA: a importância do currículo oculto. In: Anais do XLII Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia (COBENGE 2016). Brasília: ABENGE. 2014. p. 1-12. Disponível em: < http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/5/Artigos/129163.pdf >. Acesso em: 14 fev. 2021.

TEIXEIRA, Ricardo Luiz Perez et al. METODOLOGIA ATIVA: UM ESTUDO DE CASO ENSINO NA DISCIPLINA DE DESENHO EM ESTUDANTES DE ENGENHARIA DA GERAÇÃO Z. Humanidades & Inovação, v. 6, n. 12, p. 309-321, 2019. Disponível em: < https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/1296>. Acesso em: 14 fev. 2021.

Publicado
04-03-2021
Como Citar
SIMÕES, A. C.; TEIXEIRA, R. L. P.; GOUVEIA, L. L. DE A. Paradigmas curriculares, novas tecnologias e a engenharia. Revista de Casos e Consultoria, v. 12, n. 1, p. e23983, 4 mar. 2021.
Seção
Artigos