A Construção do Discurso Agênero por Marcas Brasileiras de Moda em suas Comunicações Digitais

Autores

  • Clóvis Teixeira Filho Universidade de São Paulo
  • Marcus Vinicius Aloisio Vieira Senac

DOI:

https://doi.org/10.21680/1982-5560.2019v20n2ID15981

Palavras-chave:

genero, sxualidade, moda, roupa, tempo, arte, cultura

Resumo

A relevância econômica do mercado de moda, operando o capitalismo da cultura, assim como sua influência para a construção social do gênero contribuem para a análise de formatos industriais, embasados por matrizes culturais, que influenciam a relação sujeito-sociedade. Este artigo tem como objetivo analisar criticamente a estética adotada e as representações de gênero na comunicação digital de marcas que possuem posicionamento agênero no mercado de moda brasileiro. Para isso, três marcas declaradas agênero formaram o corpus de uma análise de discurso sob a ótica foucaultiana que evidenciou o reforço de discursos com a formação de novas zonas de diferenciação, mas com repetições que ainda sustentam a hierarquia da masculinidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clóvis Teixeira Filho, Universidade de São Paulo

Doutorando em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP - beneficiário de auxílio financeiro da CAPES – Brasil) e Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná. Integra os grupos de pesquisa Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo (GESC³-USP), Estudos sobre Comunicação, Consumo e Sociedade (UFPR- ECCOS) e Estratégia em Marketing (UFPR). E-mail: clovistf@hotmail.com

Marcus Vinicius Aloisio Vieira, Senac

Graduado em Biblioteconomia e Ciência da Informação, experiência com eventos de diversidade sexual e de gêneros e desenvolvimento do pensamento crítico por meio da arte. E-mail: mvaloisio@gmail.com

Downloads

Publicado

08/10/2021

Como Citar

TEIXEIRA FILHO, C.; ALOISIO VIEIRA, M. V. A Construção do Discurso Agênero por Marcas Brasileiras de Moda em suas Comunicações Digitais. Revista Cronos, [S. l.], v. 20, n. 2, p. 16–32, 2021. DOI: 10.21680/1982-5560.2019v20n2ID15981. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/15981. Acesso em: 26 maio. 2024.