“Outrora Esquecidos”

Etnografia do Cemitério Municipal Cristo Rei de Toledo – Paraná

  • Jéssica Dal Piva UNIOESTE
Palavras-chave: Cemitério público, Pioneiros, Quadra 27, Esquecidos, Antropologia Urbana

Resumo

Neste estudo, apresento alguns aspectos simbólicos evidenciados a partir das reformas realizadas no Cemitério Municipal Cristo Rei, localizado na Avenida Maripá, no Município de Toledo/PR, na primeira década do século XXI. Na reforma, houve um trabalho simbólico e novos elementos foram inseridos no espaço, ao mesmo tempo em que alguns elementos antigos foram mantidos e valorizados. Assim, escolhi um dos monumentos que compõem o espaço cemiterial remodelado: a Quadra 27, que é composta por enterramentos realizados entre os anos de 1953 até 1972. Durante a reforma da necrópole, “os esquecidos” foram homenageados através da identificação de seus nomes e da colocação de placas no corredor principal do cemitério. O elemento em análise são os “Arcos da Vida” – onde estão as placas com os nomes “dos esquecidos”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORGES, Maria Elizia. Imagens devocionais nos cemitérios do Brasil. In: Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 11., 2001, São Paulo. ANPAP na Travessia das Artes. São Paulo: ANPAP, 2001. p. 10-15, 2001.

CAPUTO, Rodrigo Feliciano. O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Revista Multidisciplinar da UNIESP, São Paulo, n. 06, p. 73-80, dez. 2008.

COLOGNESE, Silvio Antônio. (org.). Ruas de Toledo: Identidades que se cruzam. Cascavel: Edunioeste, 2011.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné, Melanésia. 2. ed. São Paulo: Ebril cultural, 1978.

NIEDERAUER, Ondy H. Toledo no Paraná: a história de um latifúndio improdutivo, sua reforma agrária, sua colonização, seu progresso. 2. ed. Toledo: Tolegraf, 2004.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O trabalho do Antropólogo. 2. ed. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora UNESP, 2000.

REESINK, Mísia Lins. Quando Lembrar é Amar: tempo, espaço e memória nos ritos fúnebres católicos. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 27, 2010, Belém. Anais [...]. Belém, 2010.

RODRIGUES, José C. Tabu da Morte. Rio de Janeiro: Editora FIO CRUZ, 2006.

SILVA, Andréia Vicente da. Ritualizando o enterro e o luto evangélico: compartilhamento e incomunicabilidade na experiência da finitude humana. 2011. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4011.

___________. Aproximando-se dos vivos e afastando-se dos corpos dos mortos: o rito de enterro evangélico e seu caráter de moralidade. Ciências Sociales y Religión (Impresso), v. 15, p. 89-111, 2013.

VELHO. Gilberto. Individualismo e Cultura: notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. Editora Zahar - Rio de Janeiro, 1981.

Publicado
24-05-2020
Como Citar
DAL PIVA, J. “Outrora Esquecidos”. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 7, n. 13, p. 1-26, 24 maio 2020.