"Fazendo a linha cdzinha": performance transidentitária de crossdressers brasileiras em Lisboa/PT

Autores

  • Pietra Azevedo Mestranda em Antropologia Social, PPGAS/UFRN

DOI:

https://doi.org/10.21680/2446-5674.2020v7n12ID18510

Palavras-chave:

Cdzinhas, Performance, Crossdresser, Transidentidade

Resumo

Cdzinha é uma palavra que representa o abrasileiramento da expressão crossdresser. Assim, este texto etnográfico baseia-se na observação participante e na participação observante realizada entre janeiro e agosto de 2017 na cidade de Lisboa/PT, junto a três cdzinhas brasileiras. O objetivo é compreender como se dá o processo de performatização da transidentidade delas. Neste sentido, refleti sobre questões como: as motivações da montação, o manejo sobre o corpo, o trânsito e fluidez entre os gêneros, a transidentidade performatizada a partir da alteridade com as travestis e as drag queens e o universo dos encontros das cdzinhas com seus parceiros sexuais-afetivos pensando o desejo por meio das resistências e dos assujeitamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pietra Azevedo, Mestranda em Antropologia Social, PPGAS/UFRN

Travesti bacharel em Ciências Sociais/UERN (2017). Mestranda em Antropologia Social pelo PPGAS/UFRN na linha de pesquisa gênero, sexualidades, corpo e saúde. Integrante do Grupo Gênero, Corpo e Saúde (GCS/UFRN) e do Grupo de Estudos Culturais (GRUESC/UERN). Foi bolsista do Programa de Educação Tutorial em Ciências Sociais PETCIS/UERN (2017). Realizou intercâmbio no Instituto Universitário de Lisboa/ISCTE-IUL (2017), onde estudou um semestre na Licenciatura em Antropologia. Tem interesse na área de Antropologia, com ênfase nos estudos das relações de gênero e sexualidades, cujo enfoque recai sobre os temas: travestilidades, transgeneridades, ruralidades, urbanidades, deslocamentos, performance identitária, LGBTI.

Referências

AZEVEDO, P. “Travesti não é bagunça” - etnografia da performance identitária das travestis no contexto urbano mossoroense. Monografia (Graduação em Ciências Sociais - Bacharelado). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN. Mossoró/RN, 2017.

BENTO, Berenice. A Reinvenção do Corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BERLANT, Laurent e WARNER, Michael. Sexo em público. In: JIMENEZ, R. Sexualidades Transgressoras. Barcelona: Içaria, 2002. p.229-257.

BHABHA, Homi K. Interrogando a identidade. In. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. P. 70-104.

BULLOUGH, Bonnie; BULLOUGH, Vern & SMITH, Richard. A comparative study of male transvestites, male to female transsexuals, and male homosexuals. Journal of Sex Research. Aug 2005. Vol. 19, Issue 3, p. 38-257. 1983.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2016.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra - Quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Transexualid, transformaciones (prólogo). In. MISSÉ, M; COLL-PLANAS, G. (edit). El género desordenado: críticas em torno a la patologización de la transexualidad. Editorial EGALES, S.L., 2010.

CARDOZO, Fernanda. Performatividades de gênero, performatividades de parentesco: notas de um estudo com travestis e suas famílias na cidade de Florianópolis/SC. In. GROSSI, M; UZIEL, AP; MELLO, L. Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Jeneiro: Garamond, 2007

CLIFFORD, James. “Sobre a Autoridade Etnográfica”. In: A Experiência Etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

CLIFFORD, James. “Spatial practices: fieldwork, travel, and the disciplining of Anthropology”. GUPTA, Akhil e FERGUSON, James (eds.). Anthropological locations: boundaries and grounds of a field science. Berkeley: University of California Press. 1997.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

CONRADO, Mônica & RIBEIRO, Alan Augusto. Homem Negro, Negro Homem: masculinidades e feminismo negro em debate. Estudos Feministas, Florianópolis, 2017, vol.25, n.1, p. 73-97.

DAVIS, Ângela. Violação, racismo e o mito do violador negro. In. Raza y clase. Ediciones AkaJ, S.L., 2005.

DUQUE, Tiago. Montagens e desmontagens: desejo, estigma e vergonha entre travestis adolescentes. São Paulo: Annablume, 2011.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Editora Graal, 2013.

GARBER, Marjorie. Vested Interests: Cross-Dressing and Cultural Authority. New York: Routledge. 1992.

GOFFMAN, Erving. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. 4. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

hooks, bell. Linguagem: ensinar novas paisagens/novas linguagens. Revista Estudos Feministas. Col.16, n.3, Florianópolis, set/dez, 2008.

KOGUT, Eliane C. Crossdressing Masculino: uma Visão Psicanalítica de Sexualidade Crossdresser. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2006.

KULICK, Don. Travesti: prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

ORTNER, Sherry. Poder e Projetos: reflexões sobre a agência. In. GROSSI, M; ECKERT, C; FRY, P. (orgs.). Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. Brasília: ABA; Blumenau: Nova Letra, 2007, p.45-80.

PELÚCIO, Larissa. et al. Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

RODOVALHO, Amara Moira. O cis pelo trans. Estudos Feministas, Florianópolis, v.25, n1, p. 365-373, abr. 2017.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Recife: Edição SOS Corpo, 1993.

SCHWADE, Elisete. Etnografia e subjetividade na pesquisa etnográfica. In. MOURA, Cristina; CORADINI, Lisabete (orgs.). Trajetórias antropológicas: encontros com Gilberto Velho. Natal: EDUFRN, 2016.

STRATHERN, Marilyn. Fora de contexto: ficções persuasivas da antropologia. In. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Senhores de Si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século, 2000.

VANCE, Carole S. A antropologia redescobre a sexualidade: um comentário teórico. Physis, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p. 1-31, 1995.

VELHO, Gilberto. Projeto, Emoção e Orientação em Sociedades Complexas. In. Individualismo e Cultura: notas para uma Antropologia da Sociedade Contemporânea. Zahar editores: Rio de Janeiro, 1981.

VELHO, Gilberto. Trajetória individual e campo de possibilidades. In. Projeto e metamorfose. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1994. p. 31-47.

VENCATO, Anna Paula. “Existimos pelo prazer de ser mulher”: uma análise do Brazilian Crossdresser Club. Tese (Doutorado em Antropologia Cultural/UFRJ). Rio de Janeiro, 2009.

VIEIRA GARCIA, Marcos Roberto. et al. "De sapos e princesas": a construção de uma identidade trans em um clube para crossdressers. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, n. 4, 2010, pp. 80-104.

WACQUANT, Loic. Corpo e Alma: Notas Etnográficas de um Aprendiz de Boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 2002.

WELZER-LANG, Daniel. A Construção do Masculino: dominação das mulheres e homofobia. Estudos Feministas, Ano 9, 2º Semestre, 2/2001. p. 460-482.

Downloads

Publicado

27-02-2020

Como Citar

AZEVEDO, P. "Fazendo a linha cdzinha": performance transidentitária de crossdressers brasileiras em Lisboa/PT. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, [S. l.], v. 7, n. 12, p. 1–28, 2020. DOI: 10.21680/2446-5674.2020v7n12ID18510. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/equatorial/article/view/18510. Acesso em: 22 abr. 2024.