As políticas do patrimônio imaterial e seus impactos nos grupos da cultura popular na Festa de Santo Antônio em Barbalha/CE

  • Cicera Tayane Soares da Silva
Palavras-chave: Patrimônio Imaterial. Festa. Emponderamento. Assujeitamento. Grupos Populares

Resumo


Este artigo é resultante de uma pesquisa de doutorado em andamento, nele buscamos apresentar ao leitor a Festa de Santo Antônio, realizada em Barbalha, interior do Ceará. Através dessa celebração, buscou-se pensar os impactos das políticas de salvaguarda nos grupos da cultura popular que integram a festividade, compreendendo como a celebração ganhou novas conotações políticas através do seu registro e como isso interfere na dinâmica sociocultural do festejo. Os dados aqui apresentados são frutos de trabalho de campo realizado entre os anos de 2018 e 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (org.). Memória e patrimônio ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
_________________. Quando o campo é o patrimônio: notas sobre a participação de antropólogos nas questões do patrimônio Sociedade e Cultura, vol. 8, núm. 2, julho-dezembro, 2005, pp. 37-52 Universidade Federal de Goiás Goiania, Brasil.
ALEXANDRE, Jucieldo; SOUZA, Océlio; BEZERRA. Festa de Santo Antônio de Barbalha: Patrimônio de fé, devoção e carnavalização. In: Sentidos de devoção festa e carregamento em Barbalho. IPHAN-Ce. Fortaleza, 2013.
BLAIR-TRUJILLO, Elsa. Memoria y poder: (des) estatilizarlas memorias y (des) centrar el poder del Estado. UniversitasHumaníticas, 72. Bogotá: PUJ, 2011.
CAVALCANTI, Maria Laura. Patrimônio cultural no Brasil: estado da arte. Maria Laura Viveiros de Castro & Maria Cecília LondresFonseca (Org). Patrimônio Imaterial no Brasil. Brasília: UNESCO, Educarte, 2008.
FONSECA, Maria Cecília Londres. Para além da pedra e cal: por uma concepção ampla de patrimônio cultural. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (org.). Memória e patrimônio ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônio. In: Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n.23, p. 15-36, jan/jun, 2005.
HAFSTEIN, Valdimar Celebrando as diferenças, reforçando a conformidade. In: SANDRONI, Carlos & SALLES, Sandro Guimarães de (Orgs). Patrimônio cultural em discussão: novos desafios teórico-metodológicos. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2013.
HERZFELD, Michael. Introdução, “As raízes da indiferença” e “Descalssificações”. P. 11-24; 53-72 e 149-173. In: A produção social da indiferença: explorando as raízes simbólicas da burocracia ocidental. Petropólis, RJ: Vozes, 20116.
MARIO, Chagas. Memória Política e política de memória. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (org.). Memória e patrimônio ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
MARTINS, José Clerton de Oliveira. Festa de Santo Antônio de Barbalha-Ceará: sagrado e profano em circularidades de significados. In: SOARES, Igor de Menezes & SILVA, Ítala Byanca Morais (Orgs). Sentidos de devoção festa e carregamento em Barbalho. IPHAN-Ce. Fortaleza, 2013.
PAZ, Renata Marinho; SILVA, Simone Pereira. Nos bastidores da festa: O reisado de congo e a dinâmica das relações entre os grupos populares e os poderes públicos na Festa do Pau da bandeira de Santo Antônio em Barbalha. In: SOARES, Igor de Menezes & SILVA, Ítala ByancaMorais (Orgs). Sentidos de devoção festa e carregamento em Barbalho. IPHAN-Ce. Fortaleza, 2013.
SOUZA, Océlio Teixeira de. A festa do pau da bandeira de Santo Antônio de Barbalha: entre o controle e a autonomia (1928-1998). 2000. Dissertação (Mestradoem História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2000.
ZAMBRANO, Marta; GENECO, Cristóbal. Introduccion: El passado como política de la historia. In: Memorias hegemónicas, memórias disidentes. Bogotá: ICANH, 2000.
Publicado
21-11-2020
Como Citar
SOARES DA SILVA, C. T. As políticas do patrimônio imaterial e seus impactos nos grupos da cultura popular na Festa de Santo Antônio em Barbalha/CE. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 8, n. 14, p. 23, 21 nov. 2020.
Seção
Artigos