O ano em que a folia não saiu

o caso da folia de reis do Céu na Terra no ciclo natalino de 2020/2021

Autores

  • Dora Motta dos Santos Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.21680/2446-5674.2022v9n16ID26476

Palavras-chave:

Folia de Reis, Festas populares, Pandemia, Céu na Terra, Antropologia Urbana

Resumo

Este artigo tem como objetivo abordar a cantoria do grupo carioca Céu na Terra (manifestação baseada na Folia de Reis), dando destaque ao ciclo natalino de 2020/2021, em que a manifestação cultural foi amplamente impactada pela pandemia de covid-19 e acompanhar as formas escolhidas pelo grupo para passar por este período, abordando o fato de pela primeira vez em 20 anos de tradição, o grupo ter deixado sua bandeira guardada, não saindo para as ruas e realizando o festejo apenas através de celebrações online. Nesta pesquisa, busco trazer também outros casos de coletivos populares que sofreram impactos devido à situação sanitária do país e abordar quais as estratégias escolhidas por eles para celebrar seus rituais em meio a tudo isso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Rita. As mediações culturais da festa. Mediações-Revista de Ciências Sociais, v. 3, n. 1, p. 13-22, 1998.

ARTEIRA, Cia. Companhia Arteira Convida - Ciclo Natalino - Daniel Fernandes e Wagner Chaves - Folias de Reis. Youtube, 6 de janeiro de 2021. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=HacrO5rU2LM> Acesso em 6 de janeiro de 2021.

ARTEIRA, Cia. Companhia Arteira Convida - Ciclo Natalino - Cantoria de Reis do Céu na Terra. Youtube, 30 de dezembro de 2020. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=4YHpzxKdzF4> Acesso em 2 de fevereiro de 2021

BÁRTOLO, Lucas; SOUSA, João Gustavo Martins Melo de. “Notas sobre as escolas de samba e a pandemia do novo coronavírus”. Cadernos de Campo, vol.29, suplemento. São Paulo, pp. 194-203, 2020

DA SILVA CORRÊA, Jhonatan. Festa silenciosas: formas de cultuar perante a pademia. Anais do 4° Workshop de Geografia Cultural. Territorialidades do sagrado: abordagens da geografia da religião, 2020

DURKHEIM, Émile. Lesformes élémentaires da la vie réligieuse. Paris: PUF,1968

FERRO, Ana Paula R. A netnografia como metodologia de pesquisa: um recurso possível. Educação, Gestão e Sociedade: revista da Faculdade Eça de Queirós, ISSN, p. 2179-9636, 2015.

FOOTE WHYTE, William. Sociedade de esquina. Zahar, 2005.

FRADE, Cascia. “Especial Folia de Reis TV Brasil“. Youtube, 30 de maio de 2018. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=LpQgSe7Pem8&t=202s>. Acesso em: 29/04/2021

FUKS, Julian. Sobre outros carnavais - ou sobre aquilo que não há de morrer em nós. Site UOL, 13 de fevereiro de 2021. Disponível em < https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/julian-fuks/2021/02/13/sobre-outros-carnavais--ou-sobre-aquilo-que-nao-ha-de-morrer-em-nos.htm> Acesso em 15/04/2021.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Penso Editora, 2014.

PEIRANO, Mariza. Rituais ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

ROCHA, Gilmar. A roupa animada–persona e performance na jornada dos santos reis. Revista Cronos, p 8-34, fev, 2014.

SESC. Natal Sesc | Pastoril Céu na Terra. Youtube, 6 de janeiro de 2021. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=HTXtf9Lhdhg, acesso em 6 de janeiro de 2021

SIMAS, Luiz Antonio. Fogueiras para encantar a vida. Site IREE, Rio de Janeiro, 24 de junho de 2021. Disponível em <https://iree.org.br/fogueiras-para-encantar-a-vida/> Colunistas, online. Acesso em 20/07/2021.

SOUZA, Luiz Gustavo Mendel. Giros Urbanos: Uma etnografia da festa do arremate da folia de reis no estado do Rio de Janeiro. Belo Horizonte: Ancestre, 2020.

TURNER, V. O processo ritual – estrutura e anti-estrutura. Petrópolis, Vozes, 1974.

Downloads

Publicado

19-03-2022

Como Citar

MOTTA DOS SANTOS, D. O ano em que a folia não saiu: o caso da folia de reis do Céu na Terra no ciclo natalino de 2020/2021. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, [S. l.], v. 9, n. 16, p. 1–22, 2022. DOI: 10.21680/2446-5674.2022v9n16ID26476. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/equatorial/article/view/26476. Acesso em: 1 jul. 2022.