RELAÇÃO ENTRE A QUALIDADE DE VIDA, GRAVIDADE DA DISFAGIA OROFARÍNGEA E INGESTÃO ORAL EM INDIVÍDUOS PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

  • Gabriella Arioli Brito
  • Cláudia Tiemi Mituuti
  • Marcela Maria Alves da Silva
  • Cláudia Granja Bentim
  • Giédre Berretin-Felix

Resumo


Alguns estudos têm sido desenvolvidos com o propósito de compreender o impacto do acidente vascular encefálico (AVE) na qualidade de vida (QV) dos indivíduos. De modo geral, os indivíduos no pós-AVE possuem pior QV do que aqueles que náo sofreram tal acometimento. Apesar da alta ocorrência de disfagia em pacientes acometidos por AVE, náo foram encontrados na literatura estudos que investigassem o impacto de tal alteraçáo na qualidade de vida dessa populaçáo. Objetivo: Verificar a relaçáo entre a qualidade de vida, a gravidade da disfagia e a ingestáo oral em indivíduos idosos acometidos por acidente vascular encefálico (AVE). Métodos: Foram selecionados 16 indivíduos idosos (11 homens e 5 mulheres, com média de idade de 71,12 anos), acometidos por AVE, submetidos à aplicaçáo do protocolo de qualidade de vida SWAL-QOL, à avaliaçáo nasoendoscópica da deglutiçáo com classificaçáo da severidade da disfagia por meio da escala DOSS (Dysphagia Outcome and Severity Scale) e à avaliaçáo da ingestáo oral por meio do recordatório alimentar do dia anterior classificado de acordo com a escala FOIS (Functional Oral Intake Scale). Resultados: O escore global do protocolo de qualidade de vida SWAL-QOL foi calculado para cada um dos indivíduos, os valores variaram entre 68,18 e 96,02. Os resultados da escala DOSS variaram entre 4 e 7 e da escala FOIS entre 5 e 6 pontos. De acordo com os resultados, verificou-se relaçáo estatisticamente significante entre as escalas DOSS e FOIS (p=0,04), porém náo houve
relaçáo estatisticamente significante quando relacionadas as escalas DOSS e FOIS com os protocolo de qualidade de vida SWAL-QOL (p=0,09 e p=0,76, respectivamente). Conclusáo: Os resultados deste estudo mostraram que houve relaçáo significante entre a gravidade da disfagia e o nível de ingestáo oral nos idosos acometidos por AVE. Porém a qualidade de vida destes indivíduos náo foi relacionada com a gravidade da disfagia ou mesmo com o nível de ingestáo oral.
Palavras-Chave: Transtornos da deglutiçáo; Qualidade de vida; Acidente cerebral vascular

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
15-09-2011
Como Citar
BRITO, G. A.; MITUUTI, C. T.; DA SILVA, M. M. A.; BENTIM, C. G.; BERRETIN-FELIX, G. RELAÇÃO ENTRE A QUALIDADE DE VIDA, GRAVIDADE DA DISFAGIA OROFARÍNGEA E INGESTÃO ORAL EM INDIVÍDUOS PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Revista Extensão & Sociedade, v. 2, n. 3, 15 set. 2011.