ESCOLARIDADE MATERNA E OCORRÊNCIA DE HÁBITOS ORAIS DELETÉRIOS EM ESCOLARES

  • Ana Paula Blanco-Dutra
  • Aline Prade Neu
  • Geovana de Paula Bolzan
  • Andrielle de Bitencourt Pacheco
  • Carolina Lisbôa Mezzomo
  • Ana Maria Toniolo da Silva

Resumo


Introduçáo: Os hábitos orais deletérios têm papel de destaque na etiologia de alterações morfológicas e funcionais do sistema estomatognático. Estudos epidemiológicos referem que carências sociodemográficas sáo co-responsáveis por problemas relacionados à saúde, entre os quais, o desmame precoce e as alterações de fala de natureza fonético-fonológicas. Deste modo, questiona-se se ocorrências de hábitos orais deletérios podem também sofrer influência de aspectos sociais, como o grau de escolaridade materna. Objetivo: Investigar a possível relaçáo entre o grau de escolaridade materna e a ocorrência de hábitos orais deletérios em escolares. Métodos: Participaram 141 crianças, entre cinco e oito anos e nove meses, cujos pais responderam um questionário sobre aspectos sócio-demográficos e desenvolvimento da criança. Para este estudo considerou-se as questões referentes ao grau de escolaridade materna e a ocorrência de hábitos orais deletérios. Os hábitos orais investigados foram uso de mamadeira e chupeta superior a três anos; sucçáo digital e bruxismo. As crianças do estudo foram distribuídas em grupos de acordo com a escolaridade materna e os dados foram analisados descritivamente. Resultados: Verificou-se que 1,4% das máes eram analfabetas; 64,5% frequentaram ensino fundamental; 24,8% frequentaram ensino médio; e 9,2% frequentaram ensino superior. Considerou-se tanto o ensino concluído como o náoconcluído. No grupo de máes analfabetas houve relato de bruxismo em 50% das crianças, como único hábito oral. No grupo de máes que frequentaram ensino fundamental, os hábitos que mais ocorreram nas crianças foram uso de mamadeira (59,35%) e bruxismo (48,35%), seguido dos hábitos de chupeta (18,68%) e sucçáo digital (13,19%). Entre as máes que frequentaram ensino médio, a ocorrência dos hábitos seguiu a mesma ordem de frequência: uso de mamadeira (54,29%); bruxismo (51,42%); chupeta (22,86%) e sucçáo digital (5,71%). No grupo de máes que frequentaram ensino superior, a frequência dos hábitos também foi semelhante aos outros dois grupos de máes alfabetizadas: uso de mamadeira (61,53%); bruxismo (23,08%); chupeta (7,69%); sucçáo digital (53,85%). Conclusáo: Os hábitos orais deletérios ocorreram com frequência semelhante nos grupos. Uso prolongado da mamadeira e bruxismo foram os hábitos mais relatados e parecem náo ter relaçáo com o grau de escolaridade materna.
Palavras-Chave: Escolaridade; Hábitos orais; Sistema estomatognático

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
22-09-2011
Como Citar
BLANCO-DUTRA, A. P.; NEU, A. P.; BOLZAN, G. DE P.; PACHECO, A. DE B.; MEZZOMO, C. L.; DA SILVA, A. M. T. ESCOLARIDADE MATERNA E OCORRÊNCIA DE HÁBITOS ORAIS DELETÉRIOS EM ESCOLARES. Revista Extensão & Sociedade, v. 2, n. 3, 22 set. 2011.