Ser-tão esquecido:

a segregação e os campos de concentração na seca de 1932

  • Débora Passos de Oliveira Doutora em Educação – Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Lays Mendes Silva Psicóloga – Universidade de Fortaleza(UNIFOR)

Resumo

Este trabalho apresenta – a partir de uma leitura psicanalítica com ênfase na noção de segregação – o fato histórico da existência de campos de concentração no Ceará e o alojamento de pessoas vindas do interior no ano de 1932. Para tal estudo, dividimos o trabalho em duas partes: na primeira, tomamos como base a obra Isolamento e Poder, de Kênia Rios (2014) e, na segunda, fizemos um percurso através das investigações freudianas, perpassando pela leitura de Kehl (2010), até chegar em Lacan a partir de Askofaré (1999/2009). As principais fontes de pesquisa foram livros, artigos de revistas e meios eletrônicos. No tópico Resultados e Discussão, apresentamos definições que se entrelaçam com a história, tal como civilização e barbárie, e que se encaixam perfeitamente com a descrição dos fatos. Dissertamos sobre a queda do pai e a vitória do pacto entre irmãos em prol do enlaçamento social e fizemos uma leitura acerca da segregação dos povos, tão nítida nas concentrações cearenses. Ao finalizar, lançamos uma perspectiva filosófica do homem e seus restos, tal como nos convida a pensar Agamben, e trazemos à tona a reflexão de Arendt, tão presente nos dias atuais. Nossa intenção é fazer com que seu alerta não seja esquecido, como constantemente é a história, ou seja, é lembrar que o mal é possível em nós mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-08-2019
Como Citar
OLIVEIRA, D. P. DE; SILVA, L. M. Ser-tão esquecido:. Mneme - Revista de Humanidades, v. 19, n. 42, p. 78-116, 18 ago. 2019.