ÊXODO RURAL, MIGRAÇÕES E CRIME NO PRESÍDIO REGIONAL DO SERROTÃO EM CAMPINA GRANDE

Autores

  • Helmano Ramos PUCRS

Resumo

O objetivo não é fazer uma reflexão acerca do conceito de Invenção do Nordeste ou do Nordestino, debater o êxodo rural, nem mesmo a aproximação dos retirantes da seca com a criminalidade e com as prisões no Sudeste do Brasil, mas reduzir a delimitação espacial e documental, para identificar como a seca, através do êxodo rural local, transforma agricultores em criminosos em Campina Grande-PB. Para isso, recorremos à História Serial dos Arquivos, para transformar dados pessoais, criminais e carcerários na vida dos detentos, cujas histórias, ainda que não contadas integralmente, recompõe-se nos aspectos pessoais, criminais e carcerários. Aspectos que, na seção dos foragidos do arquivo-morto do presídio (1991-2012), destacaram Adjair: pelo êxodo rural local, pela sua transformação em criminoso e sua fuga do presídio. Portanto, não se trata de descontruir as relações entre retirantes nordestinos, criminalidade, periferias e prisões nas metrópoles, mas de perceber que essa transformação está sujeita a acontecer em qualquer cidade urbana, para onde migrem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

12-12-2023

Como Citar

RAMOS, H. ÊXODO RURAL, MIGRAÇÕES E CRIME NO PRESÍDIO REGIONAL DO SERROTÃO EM CAMPINA GRANDE. Mneme - Revista de Humanidades, [S. l.], v. 24, n. 47, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/22026. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos