Inglês instrumental e as estratégias de leitura: o papel do professor mediador

Autores

  • Jane Pinto Bandeira de Melo Lima
  • Samira Silva Leão

Palavras-chave:

Professor. Leitura. Compreensão. Interpretação.

Resumo

No mundo globalizado no qual se vive, a aprendizagem da língua inglesa tornou-se compulsória para aqueles que almejam um lugar no mercado de trabalho ultracapita-lista do século XXI. O que se verifica, portanto, é que a língua inglesa vem despertando, cada vez mais, o interesse das pessoas que desejam manter-se atualizadas com o que está acontecendo no mundo, com as questões culturalmente relevantes da sociedade atual. Sendo assim, a língua inglesa, reconhecida como língua da globalização, é pré-requisito para cada cidadão brasileiro desenvolver-se intelectual e socialmente, contribuindo, em consequência, para o desenvolvimento da sociedade. O professor de ESP (Inglês para Propósitos Específicos) assume funções que vão além da sala de aula. Ele tem, então, cinco papéis principais: professor, criador de cursos e provedor de materiais, colaborador, pesquisador e avaliador. A hipótese que orientou esta pesquisa foi que todo professor universitário, utilizando as estratégias de leitura, está apto a capacitar seu aluno a ler, compreender e interpretar um texto acadêmico em língua inglesa em um curto espaço de tempo. O objetivo desta pesquisa é analisar o papel do professor como mediador nesse contexto. Os autores que nortearam a pesquisa são Dudley-Evans e St. John (1998), Solé (2008), Holmes (1981), dentre outros. Com base nas afirmações dos autores destacados e nos resultados obtidos, constatou-se que a principal ferramenta é o professor quando este age como mediador no processo ensino/aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-10-2016

Como Citar

PINTO BANDEIRA DE MELO LIMA, J.; SILVA LEÃO, S. Inglês instrumental e as estratégias de leitura: o papel do professor mediador. Revista Odisseia, [S. l.], n. 10, p. p. 21 – 34, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/10652. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos